Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Petrobras admite defasagem de 13% no preço da gasolina, dizem fontes

    Ao colegiado, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates disse que a empresa não tem mais compromisso em seguir a política de paridade internacional desde a aprovação das novas diretrizes de preço, em maio

    Os preços do gás de cozinha e do diesel, porém, estariam alinhados ao cenário global, afirmou a diretoria
    Os preços do gás de cozinha e do diesel, porém, estariam alinhados ao cenário global, afirmou a diretoria 16/10/2019REUTERS/Sergio Moraes

    Raquel Landimda CNN*

    São Paulo

    A diretoria da Petrobras admitiu internamente uma defasagem de 13% nos preços da gasolina em relação ao mercado internacional, dizem fontes.

    O relato foi feito ao conselho de administração na última sexta-feira (29).

    Os preços do gás de cozinha e do diesel, porém, estariam alinhados ao cenário global, afirmou a diretoria.

    Ao colegiado, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates disse que a empresa não tem mais compromisso em seguir a política de paridade internacional desde a aprovação das novas diretrizes de preço, em maio.

    O Prates também não explicou se e quando essa defasagem será corrigida.

    Conforme apuração da CNN, a área técnica da estatal recebeu uma orientação informal para não subir os preços neste momento para evitar impactos na inflação.

    A instrução teria partido do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

    Hoje pela manhã, Prates se reuniu com o presidente no Palácio do Planalto. Segundo informações, o encontro tratou das obras da Petrobras no novo Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) e não compreendeu a distorção dos preços.

    Os ministros Alexandre Silveira (Minas e Energia) e Rui Costa (Casa Civil) também estiveram presentes.

    Em comunicado ao mercado na véspera, a Petrobras não admitiu a diferença de preços entre os mercados doméstico e internacional, que já é apontado pela imprensa e importadores de combustíveis.

    A estatal disse que observa com atenção os desdobramentos do mercado internacional e que, “eventuais reajustes, quando necessários, serão feitos com base em análises técnicas e independentes”.

    Segundo cálculos da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), a defasagem é muito mais alta.

    Nesta manhã, a diferença no preço da gasolina era de 24%, enquanto a defasagem do diesel estava em 21%.

    Estas diferenças já duram 77 dias, e, conforme a entidade, inviabiliza as importações, que estão sendo supridas pela Petrobras.

    Na prática, a empresa registra prejuízo por comprar mais caro no mercado global e vender pelo preço praticado no Brasil.

    Veja também: Lula quer mostrar que tem controle da reforma ministerial, dizem fontes

    *Publicado por Gabriel Bosa