Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que grandes varejistas estão fechando lojas nas metrópoles dos EUA

    De acordo com o Morgan Stanley, de 1995 a 2021, mais lojas fecharam todos os anos do que abriram, tendência que se popularizou como o “apocalipse do varejo”

    Nathaniel Meyersohnda CNN

    Grandes redes de lojas dos Estados Unidos, como Nordstrom, Walmart, Starbucks e CVS, fecharam suas portas nas principais cidades do país recentemente, alertando sobre o futuro do varejo em alguns dos centros comerciais e distritos comerciais mais importantes.

    Várias questões estão resultando na expulsão dessas redes dos centros de cidades: excesso de lojas, pessoas trabalhando em casa, compras online, aluguéis exorbitantes, crimes e preocupações com a segurança pública e dificuldade em contratar trabalhadores.

    Para reinventar o varejo no centro de cidades, mudanças drásticas podem ser necessárias.

    Isso significa bairros mais densos com uma mistura mais ampla de moradias acessíveis, varejo experimental, restaurantes, entretenimento, parques e outras comodidades, o que não acontecerá da noite para o dia.

    “Quando [essas cidades] se tornarem verdadeiros bairros urbanos, você verá que o varejo começa a voltar de diferentes maneiras e formas”, disse Terry Shook, sócio fundador da empresa de consultoria Shook Kelly.

    A forma como os formuladores de políticas reformam seus centros urbanos – tendo o varejo como uma atração crucial – será crucial para a saúde fiscal das cidades e para as economias regionais.

    Excesso de lojas

    Alguns desses formuladores de políticas, incluindo líderes republicanos e democratas, apontaram o crime como a principal razão para os fechamentos.

    “Estamos perdendo cadeias de lojas que estão fechando. As pessoas que trabalham nessas lojas estão perdendo seus empregos por causa do crime”, disse o prefeito de Nova York, Eric Adams, em fevereiro.

    Mas o impacto do furto em lojas pode ter sido exagerado em alguns casos.

    A Walgreens disse que viu um aumento nas perdas durante a pandemia e citou o crime organizado no varejo em sua decisão de fechar cinco lojas, em San Francisco, em 2021. Mas recentemente voltou atrás.

    “Talvez tenhamos chorado demais no ano passado sobre os números reduzidos”, disse um executivo da Walgreens em janeiro. E em vez de uma forte correlação com as taxas de criminalidade, os fechamentos também não são um fenômeno recente.

    San Francisco, Los Angeles, San Diego, Nova York, Seattle, Miami e Chicago perderam lojas de varejo desde o início de 2017 até o final de 2021, de acordo com pesquisa do JPMorgan Chase Institute, um think tank.

    Além disso, os especialistas concordam, os fechamentos não são apenas resultado dos crimes. Várias tendências convergiram para colocar essas lojas em risco.

    Talvez o mais importante seja o excesso de lojas na América.

    De acordo com o Morgan Stanley, de 1995 a 2021, mais lojas fecharam todos os anos do que abriram. A tendência se popularizou como o “apocalipse do varejo”.

    Portanto, embora os fechamentos de grandes cidades possam atrair a atenção nacional, na realidade eles geralmente fazem parte dos fechamentos que uma marca implementa em todo o país.

    “A lógica do grande varejo é muito mais fraca do que há 20 ou mesmo 10 anos atrás”, disse David Dixon, pesquisador de áreas urbanas da Stantec, uma empresa global de design.

    Por exemplo, o Walmart fechou cerca de 40 lojas desde 2021 e fechará 20 este ano. A Nordstrom fechará 15 locais em 2023.

    A CVS também anunciou em 2021 que fechará 900 lojas em três anos.

    Trabalho remoto

    Mesmo nas lojas ainda nos centros das cidades, menos pessoas costumam fazer compras.

    Um fator importante aqui é a mudança para o trabalho remoto alimentada pela pandemia: entre 2019 e 2021, o número de pessoas trabalhando principalmente em casa triplicou de cerca de 9 milhões de pessoas para 27,6 milhões de pessoas, de acordo com o Census Bureau.

    O aumento do trabalho remoto prejudicou as áreas comerciais do centro urbano, que foram projetadas para atender aos trabalhadores de escritório que se deslocam diariamente.

    O trabalhador de escritório típico agora gasta cerca de US$ 2.000 a US$ 4.600 a menos por ano nos centros das cidades, de acordo com pesquisa de Nicholas Bloom, economista da Universidade de Stanford.

    Eles estão transferindo esses gastos para os subúrbios, já que 1 milhão de pessoas também deixou os centros das cidades durante a pandemia, disse ele.

    Os varejistas seguiram essa mudança.

    Eles deixaram cidades mais caras, como São Francisco e Nova York, e se dirigiram para cidades mais baratas, como Phoenix e Houston, descobriu o JPMorgan Chase Institute.

    San Francisco perdeu cerca de 6% de seus estabelecimentos de varejo de 2019 a 2021, segundo pesquisa do think tank. Los Angeles perdeu cerca de 4% e Nova York caiu 3%.

    Enquanto isso, Houston e Phoenix ganharam 4% de novos estabelecimentos de varejo durante esse período.

    Compras online

    As lojas de varejo também estão sob pressão devido à mudança contínua para as compras online.

    O comércio eletrônico representou 14,7% de todas as vendas no varejo durante o último trimestre de 2022, de acordo com o Census Bureau. A pandemia acelerou esse crescimento.

    Por exemplo, o fechamento de cadeias de lojas na cidade de Nova York está relacionado aos produtos comprados online com mais frequência. Lojas de roupas, calçados, acessórios, vitaminas e eletrônicos foram as que mais se saíram mal, disse Jonathan Bowles, diretor-executivo do Centro para um Futuro Urbano, um centro de estudos sobre políticas públicas.

    E embora o crime não seja o fator mais importante em muitos casos, níveis mais altos de furtos em lojas e outras perdas cobraram seu preço.

    A redução do varejo atingiu US$ 94,5 bilhões em 2021, um salto de 53% em relação a 2019, de acordo com a pesquisa anual da National Retail Federation com cerca de 60 empresas membros do varejo. (O maior contribuinte para a redução é o roubo de clientes, mas a métrica também inclui roubo de funcionários, erros humanos e outras perdas.)

    Finalmente, as lutas para recrutar trabalhadores com salários mais altos e os aluguéis punitivos nas cidades contribuíram para o fechamento do varejo.

    Em São Francisco, o preço médio de aluguel listado pelos proprietários durante o primeiro trimestre de 2023 foi de US$ 43 por metro quadrado, quase o dobro da média nacional, de acordo com dados da Cushman & Wakefield. Em Nova York, custava US$ 32 por metro quadrado e US$ 33 em Los Angeles.

    Nas cidades onde os varejistas estão crescendo, como Phoenix, Houston e Dallas, os preços médios de aluguel eram de US$ 22 e US$ 23 por metro quadrado.

    “O centro é para as pessoas”

    Não há solução fácil para retardar o êxodo das redes de varejo das cidades.

    Substituir uma Nordstrom por outra loja de departamentos, ou trocar um CVS por uma rede de drogarias diferente, é improvável que seja sustentável, dizem os especialistas.

    “É um problema realmente difícil para cidades e desenvolvedores econômicos”, disse Chris Wheat, presidente do JPMorgan Chase Institute. “Como você faz com que esses bairros vivam, trabalhem e se divirtam? Essa era uma questão antes da pandemia, mas ficou mais evidente agora.”

    Ele remonta ao influente ensaio de 1958 da urbanista Jane Jacobs, “Downtown is for People”, no qual ela argumentou que uma vida vibrante nas ruas era crucial para a segurança e a comunidade do bairro.

    É este modelo, centrado na vitalidade das ruas e das pessoas que as habitam, que é necessário para criar comunidades e zonas comerciais vivas e emocionantes.

    As ruas podem ser bloqueadas para carros nos fins de semana e em outros horários. As cidades também podem sediar feiras de rua, festivais gastronômicos, música ao vivo, exposições de arte e outros eventos para atrair o tráfego de pedestres para o centro da cidade.

    Esses chamados investimentos de “placemaking” – que Bowles observa “não são investimentos maciços de bilhões de dólares” – poderiam ser apoiados por distritos especiais de melhoria de negócios, onde as partes interessadas locais financiam a manutenção e promoção da área.

    Dando vida às ruas

    Se o futuro das compras não forem as gigantescas lojas de departamentos, será necessário um mix mais amplo de lojas para tornar os centros mais atraentes.

    Tradicionalmente, os proprietários de varejo buscam os aluguéis mais longos. Mas isso dificulta a abertura de novas lojas.

    As cidades podem fornecer incentivos financeiros para encorajar os proprietários a oferecer aluguéis temporários e mais flexíveis e afrouxar os regulamentos para acelerar o processo de licenciamento para eles.

    Isso permitirá lojas pop-up, varejistas sazonais e uma mistura de fornecedores de alimentos e bebidas.

    “O varejo pode ser mais responsivo?” disse Paco Underhill, fundador da empresa de pesquisa e consultoria comportamental Envirosell. “Você pode ter um espaço que é Crocs durante o verão e Canada Goose durante o inverno?”

    Depois, há desafios mais intratáveis, como melhorar o transporte público e criar moradias mais acessíveis nas áreas centrais .

    As leis de zoneamento precisam ser atualizadas para permitir o redesenvolvimento de alguns prédios de escritórios vagos e imóveis comerciais em habitações acessíveis.

    A densidade de habitação que substituirá alguns escritórios e espaços comerciais é importante, disse David Dixon, da Stantec. As pessoas querem fazer compras a poucos minutos de suas casas, e uma massa crítica de moradias é necessária para sustentar os varejistas próximos.

    “Um centro vibrante, cheio de moradias, pode dar vida às suas ruas”, disse ele. “É uma história muito maior do que o destino dos próprios varejistas.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original