Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Por que trabalhamos oito horas por dia

    De modo geral, houve um declínio constante na duração da jornada de trabalho desde 1800 até a Segunda Guerra Mundial

    Em meados do século XIX, trabalhar mais de 70 horas por semana era comum
    Em meados do século XIX, trabalhar mais de 70 horas por semana era comum Ruslan Burlaka/Pexels

    Jeanne Sahadida CNN

    A cultura de trabalho dos EUA gira em torno dos funcionários que trabalham oito horas por dia, cinco dias por semana – um cronograma imortalizado por Dolly Parton em sua canção “9 to 5”, de 1980.

    É apenas a norma, muitos presumem. O mesmo que sempre foi.

    Exceto que nem sempre foi assim. Apenas se manteve estável nesse nível desde a Segunda Guerra Mundial.

    A forma como os Estados Unidos chegaram ao padrão das oito horas não foi o resultado de um sindicato ou de uma indústria, de uma empresa ou de uma lei. Pelo contrário, surgiu após uma longa e complexa combinação de ações laborais, advocacia, compromissos políticos, empregadores pioneiros e competição econômica.

    Aqui está um resumo (altamente) abreviado de como a sociedade dos EUA se estabeleceu (pelo menos até agora) em uma jornada de trabalho de oito horas.

    A duração da jornada de trabalho ao longo dos anos

    De modo geral, houve um declínio constante na duração da jornada de trabalho desde 1800 até a Segunda Guerra Mundial, com uma queda bastante acentuada durante a década de 1920, disse o historiador econômico Benjamin Hunnicutt, professor da Universidade de Iowa.

    Mas a descida começou em um nível bastante alto.

    Em meados do século XIX, trabalhar mais de 70 horas por semana era comum, segundo o economista Robert Whaples, professor da Universidade Wake Forest, que criou um cronograma detalhado sobre a evolução das horas trabalhadas nos Estados Unidos para a Associação de História Econômica.

    Dado que as pessoas normalmente trabalhavam seis dias por semana naquela época, isso equivale a cerca de 12 horas por dia.

    Não que não houvesse exemplos no início do século 20 de pessoas que dedicavam muito mais tempo do que isso. No final da Primeira Guerra Mundial, por exemplo, os trabalhadores dos altos-fornos da indústria siderúrgica trabalhavam normalmente 84 horas por semana, observa Whaples.

    “Estas horas anormalmente longas foram objeto de muitas denúncias e um grande problema numa greve que começou em Setembro de 1919. A greve falhou. Mas quatro anos mais tarde a US Steel reduziu a sua jornada de trabalho de doze para oito horas.”

    Empregadores pioneiros – e uma jornada de trabalho de seis horas – fazem barulho

    Em 1926, a Ford Motor Company, sob a liderança de Henry Ford, instituiu uma semana de trabalho de oito horas por dia e cinco dias.

    Depois, na Grande Depressão, devido ao elevado desemprego, a ideia de uma semana de trabalho de seis horas entrou em foco.

    O livro de Hunnicutt, “Kellogg’s Six-Hour Day”, conta a história de como o barão dos cereais W.K. Kellogg decidiu em 1930 instituir turnos de seis horas em vez de turnos de oito horas, com alguma redução nos salários dos trabalhadores.

    A mudança permitiu que a Kellogg contratasse funcionários que haviam sido demitidos e contratasse outros desempregados. Mas ele também foi motivado pela convicção de que devolver mais tempo aos trabalhadores era um bem social.

    Em dois anos, os trabalhadores começaram a ganhar em seis horas o que ganhavam trabalhando oito, disse Hunnicutt.

    Veja na galeria 10 cidades com equilíbrio profissional e pessoal

    A medida de Kellogg atraiu a atenção nacional e logo houve uma pressão para legislar federalmente uma jornada de trabalho de seis horas. Mas um projeto de lei que visava instituir temporariamente a jornada de trabalho de 30 horas semanais, aprovado no Senado, fracassou na Câmara.

    Pouco depois, em 1933, o recém-eleito presidente Franklin Delano Roosevelt sancionou a Lei Nacional de Recuperação Industrial (Nira, na sigla em inglês), ao abrigo da qual os empregadores celebraram acordos voluntários para instituir semanas de trabalho de 35 a 40 horas e pagar um salário mínimo de 12 a 15 dólares por semana.

    Dois anos depois, porém, o Supremo Tribunal decidiu que o NIRA era inconstitucional devido a uma disposição relativa ao abate de frangos.

    Entre na Lei de Padrões de Trabalho Justo

    Apesar da NIRA ter sido invalidada, os legisladores e os sindicatos continuaram a pressionar por melhores condições de trabalho. No final da década de 1930, criaram algo que estabeleceria de forma generalizada o que hoje conhecemos como semana de trabalho de oito horas por dia e cinco dias, além de estabelecer um salário mínimo federal e instituir proteções ao trabalho infantil.

    Em 1938, FDR sancionou o Fair Labor Standards Act, que estabelecia que os empregadores deveriam pagar horas extras aos empregados que trabalhassem mais de 40 horas por semana.

    A perpétua troca entre tempo e dinheiro

    A jornada de seis horas da Kellogg, que era popular entre os funcionários quando foi implementada, não durou. No final da década de 1950, a maioria dos funcionários optou por retomar a jornada de oito horas.

    Aqueles que não o fizeram eram, em sua maioria, mulheres, e permaneceram com sua programação de seis horas até meados da década de 1980.

    Hunnicutt entrevistou vários trabalhadores da Kellogg sobre por que eles voltaram a ter uma jornada de trabalho mais longa. Eles indicaram que a necessidade de mais dinheiro sempre superaria a perspectiva de menos horas de trabalho, disse ele. Eles não estavam mais dispostos a negociar salários mais altos por menos tempo de trabalho.

    “A necessidade de mais dinheiro tornou-se absoluta”, disse Hunnicutt. “O lazer foi desvalorizado, deixou de ser um bem normal, deixou de fazer parte do progresso.”

    Hoje, é claro, a compensação tempo-dinheiro é igualmente relevante para os adultos que trabalham, mas com uma nova reviravolta: a pandemia de Covid mudou a opinião das pessoas sobre o quão desgastante o trabalho deveria ser, em relação a outras partes importantes das suas vidas, como o tempo com família.

    Como muitos especialistas trabalhistas, Hunnicutt se pergunta se os funcionários da Geração Z e da Geração Millennial podem fazer escolhas diferentes das gerações anteriores.

    “A experiência da pandemia tocou alguns acordes”, disse Hunnicutt. “Pode haver uma maneira de viver minha vida mais plenamente e fazer meu trabalho ao mesmo tempo. Está na mesa novamente.”

    Veja também: Haddad defende projeto de lei contra supersalários

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original