Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Primeira ligação feita por celular faz 50 anos; veja como foi

    Apesar de ter nascido em 1973, não foi até a década de 1990 que o telefone celular moderno decolou, pois diminuiu de tamanho e se tornou muito mais fácil de usar

    Vice-presidente da Motorola, John F. Mitchell, mostra com que facilidade o mais novo produto da empresa, o sistema de rádio portátil Dyna TAC, pode ser usado em Nova York, NY, em 3 de abril de 1973
    Vice-presidente da Motorola, John F. Mitchell, mostra com que facilidade o mais novo produto da empresa, o sistema de rádio portátil Dyna TAC, pode ser usado em Nova York, NY, em 3 de abril de 1973 Getty Images

    Jennifer Kornda CNN

    em Nova York

    Em 3 de abril de 1973, Martin Cooper estava em uma calçada na sexta avenida em Manhattan, Estados Unidos, com um dispositivo do tamanho de um tijolo e fez a primeira ligação pública de um telefone celular para um dos homens com quem ele estava competindo para desenvolver o dispositivo.

    “Estou ligando para você de um celular, mas de um celular de verdade, um celular pessoal, de mão e portátil”, disse Cooper, então engenheiro da Motorola, ao telefone para Joel Engel, chefe da Bell Labs, da AT&T.

    Embora os telefones celulares não estivessem disponíveis para o consumidor médio por mais uma década, qualquer pessoa que passasse por Cooper na rua naquele dia poderia ter visto a história sendo feita.

    Nos cinquenta anos desde aquela primeira ligação, o dispositivo volumoso de Cooper evoluiu e foi substituído por uma ampla gama de telefones mais finos e rápidos que agora são onipresentes e remodelam as indústrias, a cultura e a maneira como nos relacionamos uns com os outros e com nós mesmos.

    Mas, embora o vasto alcance e impacto dos telefones celulares possam ter pego alguns desprevenidos, Cooper disse que a possibilidade de que os telefones celulares um dia fossem considerados essenciais para grande parte da humanidade ficou clara desde o início.

    “Não fiquei surpreso que todo mundo tenha um telefone celular”, disse Cooper, agora com 94 anos, à CNN. “Costumávamos contar a história de que um dia, quando você nascesse, receberia um número de telefone. Se você não atendesse o telefone, você morreria.”

    A ascensão do celular

    Por meses antes daquela primeira ligação, a Motorola estava competindo para construir um telefone celular contra o Bell Labs, o lendário braço de pesquisa da AT&T que havia desenvolvido o transistor e outras inovações.

    “Eles eram a maior empresa do mundo e nós éramos uma pequena empresa em Chicago”, lembrou Cooper. “Eles simplesmente não achavam que éramos muito importantes.”

    Como ele lembra, seu rival não estava tão animado para receber a ligação quanto Cooper estava para ligar para ele.

    “Você poderia dizer que eu não era avesso a esfregar o nariz dele nessa coisa. Ele foi educado comigo”, disse Cooper à CNN. “Até hoje, Joel não se lembra daquele telefonema e acho que não o culpo.” A CNN não conseguiu entrar em contato com Engel.

    Após a primeira ligação de Cooper, problemas de fabricação e regulamentação do governo desaceleraram o progresso de levar o telefone ao público, disse ele. Por exemplo, Cooper se lembra da Federal Communications Commission, uma agência na qual ele agora atua como consultor, lutando para descobrir como dividir os canais de rádio para garantir a concorrência.

    Levaria uma década para uma versão desse telefone DynaTAC (Dynamic Adaptive Total Area Coverage) chegar ao mercado, por US$ 3.900. O telefone, semelhante ao que Gordon Gekko usava no filme “Wall Street”, pesava mais de 1 kg e tinha cerca de 30 centímetros de altura.

    Compare isso com o iPhone 14, que pesa 170 gramas e tem pouco menos de 15 centímetros, ou com qualquer número de smartphones Android que custam de US$ 200 a US$ 300.

    “Tentar melhorar a experiência humana”

    Não foi até a década de 1990 que o telefone celular moderno decolou, pois diminuiu de tamanho e se tornou muito mais fácil de usar. Hoje, 97% dos americanos possuem algum tipo de telefone celular, de acordo com um estudo de 2021 do Pew Research Center.

    Nos anos que se seguiram àquela primeira ligação, Cooper escreveu um livro sobre o poder transformador do telefone celular, abriu empresas e fez turnês de palestras e aparições na mídia.

    Mas ele não necessariamente abraça todos os aspectos dos avanços tecnológicos modernos.

    “Muitos engenheiros estão envolvidos com o que chamam de tecnologia e gadgets, ou hardware, e se esquecem de que todo o propósito da tecnologia é melhorar a vida das pessoas”, disse Cooper.

    “As pessoas se esquecem disso e eu tenho que continuar lembrando a elas. Estamos tentando melhorar a experiência humana. É disso que se trata a tecnologia.”

    Olhando para os últimos 50 anos, no entanto, Cooper está aprovando amplamente aonde o telefone nos levou. Ele próprio um usuário do iPhone (e um usuário da Samsung antes disso), ele adora usar seu Apple Watch para rastrear sua atividade de natação e conectar seus aparelhos auditivos ao telefone. E Cooper disse que vê o avanço da tecnologia como sendo positivo para a sociedade.

    “Sou otimista. Eu sei que há desvantagens para o telefone celular. Temos pessoas que ficam viciadas nisso. Temos pessoas atravessando a rua falando em seus celulares”, disse Cooper. “No geral, acho que o telefone celular mudou a humanidade para melhor e isso continuará no futuro.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original