Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tailandesa defensora dos direitos transgêneros compra Miss Universo por US$ 20 mi

    JKN Global Group anunciou a aquisição na quarta-feira, dizendo em um comunicado à imprensa que planeja expandir o consurso na Ásia

    Anne Jakkaphong Jakrajutatip, magnata da mídia tailandesa e defensora dos direitos dos transgêneros
    Anne Jakkaphong Jakrajutatip, magnata da mídia tailandesa e defensora dos direitos dos transgêneros JKN Global Group /divulgação

    Jessie YeungKocha Olarnda CNN

    Uma magnata da mídia tailandesa e defensora dos direitos transgêneros comprou a Organização Miss Universo por US$ 20 milhões, de acordo com sua empresa, que sediará agora o concurso internacional de beleza.

    Anne Jakkaphong Jakrajutatip é CEO da JKN Global Group PCL, uma empresa de distribuição de mídia com sede na Tailândia, embora talvez seja mais conhecida por seu papel em versões tailandesas de reality shows, incluindo “Project Runway”.

    Ela também falou abertamente sobre suas experiências como mulher transgênero e trabalhou na defesa dos direitos dos transgêneros na Tailândia.

    O JKN Global Group anunciou a aquisição na quarta-feira, dizendo em um comunicado à imprensa que planeja expandir a Organização Miss Universo na Ásia – e lançando novas mercadorias, incluindo cuidados com a pele, cosméticos, produtos de estilo de vida, suplementos alimentares e bebidas.

    Jakkaphong disse que a empresa estava “incrivelmente honrada” por fazer a aquisição.

    “Buscamos não apenas continuar seu legado de fornecer uma plataforma para indivíduos apaixonados de diversas origens, culturas e tradições, mas também evoluir a marca para a próxima geração”, disse ela.

    Em uma declaração conjunta, o CEO e presidente da Miss Universe Organization disseram que estavam “animados para continuar a evolução da Miss Universe Organization com a JKN”.

    “Nossa abordagem progressiva continua a nos posicionar na vanguarda de nossa indústria”, disseram eles.

    A compra faz de Jakkaphong a primeira mulher proprietária da Miss Universe Organization, de acordo com o comunicado de imprensa da JKN.

    O concurso de beleza Miss Universo, um dos concursos mais assistidos do mundo, acontece desde 1952.

    Como muitos outros grandes concursos, teve que contar com a crescente demanda do público por maior diversidade, representação e inclusão na última década. Ele só suspendeu a proibição de concorrentes transgêneros em 2012, depois que uma concorrente canadense ameaçou uma ação legal quando disse que ela seria desqualificada devido ao sexo designado no nascimento.

    E embora alguns críticos argumentem que a premissa de um concurso de beleza é inerentemente falha, outros dizem que houve um progresso significativo nos últimos anos.

    Os concursos de beleza para concorrentes transgêneros ganharam destaque, principalmente o Miss International Queen, lançado em 2004 e realizado este ano na Tailândia. Alguns países lançaram suas próprias versões; em 2017, a Índia realizou seu primeiro concurso Miss Transqueen India, que visa celebrar a fluidez de gênero e aumentar a visibilidade da comunidade transgênero da Índia.

    E em 2019, as vencedoras de cinco grandes concursos – Miss Universo, Miss Mundo, Miss América, Miss USA e Miss Teen USA – eram todas mulheres negras, um marco notável, já que mulheres negras não podiam competir no Miss América até o 1940, e o primeiro concorrente negro não subiu ao palco até 30 anos depois.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original