Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Taxa de desemprego cai para 8% no segundo trimestre de 2023, menor patamar em 9 anos, diz IBGE

    Dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

    Da CNN*

    São Paulo

    A taxa de desocupação no Brasil atingiu 8,0% no trimestre encerrado em junho, o menor resultado para o período desde 2014. É uma redução de 0,8 ponto percentual (p.p.) frente ao trimestre anterior (8,8%), de janeiro a março.

    Já na comparação com o segundo trimestre de 2022 (9,3%), o índice teve queda ainda maior, de 1,3 p.p. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta sexta-feira (28) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Segundo a coordenadora de Pesquisas por Amostra de Domicílios do IBGE, Adriana Beringuy, o segundo trimestre registrou recuo da taxa de desocupação, após crescimento no primeiro trimestre do ano.

    “Esse movimento aponta para recuperação de padrão sazonal desse indicador. Pelo lado da ocupação, destaca-se a expansão de trabalhadores na administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, no trimestre e no ano”, destaca.

    Perfil dos empregados

    O levantamento também revelou que o contingente de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada chegou a 13,1 milhões de pessoas, subindo 2,4% (mais 303 mil pessoas) na comparação trimestral. Na comparação anual ficou estável.

    Já a quantidade de trabalhadores com carteira assinada no setor ficou estável no trimestre, totalizando 36,8 milhões de pessoas, aumento de 2,8% (mais 991 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre do ano passado.

    A taxa de informalidade também se manteve estável. No segundo trimestre foi a 39,2%, ante uma taxa de 39,0% no primeiro trimestre. No mesmo período do ano passado estava em 40,0%.

    “O tipo de vínculo que se destaca como responsável pelo crescimento da ocupação vem de um dos segmentos da informalidade, que é o emprego sem carteira assinada”, acrescenta Adriana.

    Em relação aos 5,8 milhões de trabalhadores domésticos, houve aumento de 2,6% comparando com o trimestre anterior. Na comparação com o trimestre de abril a junho de 2022, este cenário se manteve.

    O número de empregados no setor público cresceu 3,8% frente ao trimestre anterior, registrando 12,2 milhões de pessoas empregadas. Quando se compara com o mesmo trimestre de 2022, houve alta de 3,1% — um acréscimo de 365 mil pessoas.

    Na categoria dos trabalhadores por conta própria, formada por 25,2 milhões de pessoas, foi registrado estabilidade na comparação com o trimestre anterior. Em relação ao mesmo período do ano passado, o indicador apresentou uma redução de 491 mil pessoas neste trimestre.

    Queda na subutilização e desalento

    A taxa de subutilização, que registrou um patamar de 17,8%, teve queda nas duas comparações: 1,0 p.p. no trimestre e 3,4 p.p. no ano. O total de pessoas subutilizadas chegou a 20,4 milhões, uma queda de 5,7% em relação ao trimestre anterior, ou seja, menos 1.224 pessoas nessa situação. Na comparação com igual trimestre do ano passado, esse índice caiu 17,7% (menos 4.385 pessoas).

    O contingente de pessoas desalentadas também diminuiu, ficando em 3,7 milhões. Quando comparado ao trimestre anterior, a redução foi de 5,1% – queda de 199 mil pessoas neste perfil — e, na comparação anual, de 13,9%, redução de 593 mil pessoas. O percentual de desalentados na força de trabalho (3,3%) caiu 0,2 p.p. no trimestre e 0,5 p.p. no ano.

    A população fora da força de trabalho ficou em 67,1 milhões, permanecendo estável em relação ao trimestre anterior e crescendo 3,6% quando comparada ao mesmo trimestre de 2022 – o que representa mais 2,3 milhões de brasileiros.

    Rendimento salarial

    Segundo dados do Pnad, o rendimento real habitual ficou em R$ 2.921, mantendo estável frente ao trimestre anterior, mas registrando uma expansão de 6,2% no ano.

    A massa de rendimento real habitual, que fechou em R$ 284,1 bilhões, também ficou estável contra o trimestre anterior. Na comparação anual, subiu 7,2%, um incremento de R$ 19 bilhões.

    Por atividades econômicas, o cenário foi de estabilidade no trimestre, mas, no ano, as seguintes categorias mostraram aumento:

    • Agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura  – 7,1%, ou mais R$ 124
    • Indústria – 4,3%, ou mais R$ 115
    • Construção – 7,8%, ou mais R$ 169
    • Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas – 7,1%, ou mais R$ 161
    • Alojamento e alimentação – 8,2%, ou mais R$ 146
    • Administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais  – 5,0%, ou mais R$ 193
    • Serviços domésticos – 6,5%, ou mais R$ 70

    As categorias do emprego também se comportaram de maneira estável na comparação com o trimestre anterior. Frente ao trimestre de abril a junho de 2022, no entanto, foi observado crescimento em: Empregado com carteira de trabalho assinada (3,3%, ou mais R$ 87), Trabalhador doméstico (6,5%, ou mais R$ 70), Empregado no setor público, inclusive servidor estatutário e militar (4,1%, ou mais R$ 171), Empregador (17,4%, ou mais R$ 1108) e Conta-própria (7,8%, ou mais R$ 169).

    “Na comparação trimestral, o crescimento da população ocupada não foi suficiente para, diante da estabilidade do rendimento, provocar aumento da massa. Já no ano temos um panorama em que tanto a população ocupada como o rendimento sobem, ou seja, mais pessoas trabalhando e com maiores remunerações”, destacou Adriana.

    *Publicado por Diego Mendes.