Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Taxa de Investimento continua caindo no Brasil e é a menor desde 2020

    PIB divulgado pelo IBGE fica positivo em 0,1% no terceiro trimestre e contraria expectativas de retração

    Débora Oliveirada CNN

    São Paulo

    Pela terceira vez no ano, o resultado da atividade econômica surpreende positivamente os economistas, com alta de 0,1% no terceiro trimestre, conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

    Quando comparado a igual período do ano anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) apresentou crescimento de 2% no terceiro trimestre de 2023.

    A aguardada queda no setor de serviços pela política monetária mais restritiva não veio, e o setor subiu 0,6% puxado, principalmente, por atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados.

    No agro foram confirmadas as projeções de retração, com a queda de 3,3% no trimestre. Porém, na comparação com o mesmo período do ano passado, o setor continua em alta, de 8,8%.

    Apesar dos números mais positivos que o esperado no geral, a queda na Taxa de Investimento na Economia chama atenção em mais um trimestre.

    De acordo com os dados do IBGE, no terceiro trimestre a Taxa de Investimento ficou em 16,6%, sendo a menor desde 2020. No mesmo trimestre do ano anterior essa taxa foi de 18,3%. A média em outros países da América Latina, é de 20% a 25%.

    Esse indicador mostra basicamente o quanto as empresas estão investindo em bens de capital para ampliar a produção.

    Para o economista-chefe da Ativa Investimentos, Étore Sanchez, três fatores podem ter contribuído para essa queda na Taxa de Investimento:

    O Risco Brasil, associado a insegurança jurídica, as alterações de regras fiscais e outros fatores, afetam muito o investimento no setor real.

    Há também a questão do juro básico, que exige uma taxa de retorno elevadíssima para viabilizar investimentos, e ainda a queda de confiança dos empresários.

    Na avaliação do Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, “as medidas econômicas do ano passado eram para dar resultado para a eleição e, as desse ano, são medidas mais de curto prazo”.

    Segundo Cruz, a aprovação da reforma tributária seria um ponto positivo para o retorno desses investimentos.