Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Tesouro Direto registra número recorde de investidores em agosto

    Segundo o Ministério da Fazenda, o mês teve o maior contingente de ingressos da série histórica, iniciada em abril de 2014

    Segundo o Ministério da Fazenda, as aplicações de até R$ 1 mil representaram 65,5% das operações de investimento no mês
    Segundo o Ministério da Fazenda, as aplicações de até R$ 1 mil representaram 65,5% das operações de investimento no mês .

    Cristiane Nobertoda CNN

    Brasília

    Em agosto, o número de investidores no Tesouro Direto atingiu a marca de 2.373.706 pessoas, um aumento de 80.923 investidores no mês, representando uma variação de 14,7% nos últimos doze meses. Segundo o Ministério da Fazenda, esse foi o maior número de ingressos mensal da série histórica, iniciada em abril de 2014.

    Já o número de investidores cadastrados no programa aumentou em 468.954 em agosto, crescimento de 23,3% em relação a agosto de 2022.

    De acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Fazenda nesta terça-feira (26), os investidores de até 15 anos também representaram 10% dos novos ingressos. A pasta atribui ao programa Tesouro Educa+, lançado no mês passado, o interesse dos adolescentes pelos investimentos.

    “Cabe destacar que, no mês de lançamento do Tesouro Educa+, 10% do total de novos investidores cadastrados está na faixa etária de até 15 anos, comparado com o percentual de 0,5% de investidores nessa mesma faixa etária no total de investidores cadastrados”, diz o texto da pasta.

    Quanto às operações de investimento, o Tesouro emitiu 687.707 títulos em agosto, somando o total de R$ 3,66 bilhões.

    O documento ainda mostra que o investidor optou por alocar o dinheiro em títulos de médio prazo. Cerca de 46,7% compraram os papéis com vencimento entre 5 e 10 anos, que alcançaram. As aplicações em títulos com vencimento acima de 10 anos representaram 15,3%, enquanto os títulos com vencimento de 1 a 5 anos corresponderam a 38,0% do total.

    De acordo com o relatório, os resgates aumentaram no oitavo mês do ano, totalizando R$ 3,05 milhões, sendo R$ 2,83 milhões relativos a recompras e R$ 216,2 milhões, a vencimentos. No mês, houve emissão líquida de R$ 607,9 milhões. Em julho, os resgates representaram R$ 2,59 bilhões.

    Segundo a Fazenda, as aplicações de até R$ 1 mil representaram 65,5% das operações de investimento no mês. O valor médio por operação foi de R$ 5.320,86.

    Devido a taxa básica de juros do país estar em um patamar mais alto, atualmente em 12,75%, o grupo preferido dos investidores foi o indexado à Selic (Tesouro Selic), cuja participação nas vendas atingiu 66,2%.

    Os títulos indexados à inflação (Tesouro IPCA+, Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais, Tesouro RendA+ e Tesouro Educa+) corresponderam a 22,0% do total e os prefixados, 11,8%.

    Veja também – Haddad: Brasil pratica os mais altos juros do mundo