Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    UBS conclui aquisição do Credit Suisse; entenda o que acontece a seguir

    Presidente-executivo do UBS disse que isso criará desafios, mas também "muitas oportunidades" para clientes, funcionários, acionistas e a Suíça

    Fusão também encerra a história de 167 anos do Credit Suisse, marcada nos últimos anos por escândalos e prejuízos
    Fusão também encerra a história de 167 anos do Credit Suisse, marcada nos últimos anos por escândalos e prejuízos REUTERS/Denis Balibouse

    Por Noele Illien, da Reuters

    O UBS informou nesta segunda-feira (12) que concluiu a aquisição emergencial do rival local Credit Suisse, criando um banco suíço gigante com um balanço patrimonial de US$ 1,6 trilhão e maior poder na gestão de patrimônio.

    Ao anunciar o maior acordo bancário desde a crise financeira global de 2008, o presidente-executivo do UBS, Sergio Ermotti, e o chairman, Colm Kelleher, disseram que isso criará desafios, mas também “muitas oportunidades” para clientes, funcionários, acionistas e a Suíça.

    “Este é o início de um novo capítulo — para o UBS, que se autodenomina o maior gestor de fortunas do mundo, para a Suíça como centro financeiro e para o setor financeiro global”, disseram eles em carta aberta publicada em jornais suíços.

    Eles não têm dúvidas de que conseguirão lidar com a aquisição com sucesso, acrescentou a carta.

    O grupo administrará US$ 5 trilhões em ativos, dando ao UBS uma posição de liderança em mercados-chave que, de outra forma, precisaria de anos para crescer em tamanho e alcance. A fusão também encerra a história de 167 anos do Credit Suisse, marcada nos últimos anos por escândalos e prejuízos.

    Os dois bancos empregam, juntos, 120 mil pessoas em todo o mundo, embora o UBS já tenha dito que cortará empregos para reduzir custos e aproveitar as sinergias.

    O UBS concordou em 19 de março em comprar o credor por um preço irrisório de 3 bilhões de francos suíços (US$ 3,32 bilhões) e até 5 bilhões de francos em perdas presumidas, em um resgate orquestrado pelas autoridades suíças.

    Na sexta-feira (9), o UBS fechou um acordo com o governo suíço sobre as condições de um apoio público de 9 bilhões de francos suíços (10 bilhões de dólares) para perdas decorrentes da liquidação de partes dos negócios do Credit Suisse.

    O UBS fechou o acordo em menos de três meses — um cronograma apertado devido à sua escala e complexidade — para fornecer maior segurança aos clientes e funcionários do Credit Suisse e evitar saídas.

    Tanto o UBS quanto o governo suíço ofereceram garantias de que a aquisição compensará os acionistas e não se tornará um fardo para o contribuinte.

    Eles dizem que o resgate também foi necessário para proteger a posição da Suíça como centro financeiro, que sofreria se o colapso do Credit Suisse desencadeasse uma crise bancária mais ampla.