Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Unidade de talco da J&J busca acordo de US$ 8,9 bi em novo pedido de falência

    Novo pedido inclui proposta de pagamento em 25 anos e um fundo para resolver todas as reivindicações atuais e futuras do produto

    Advogados que representam milhares de processos emitiram um comunicado se opondo ao acordo
    Advogados que representam milhares de processos emitiram um comunicado se opondo ao acordo REUTERS/Shannon Stapleton/Illustration

    Da Reuters

    A Johnson & Johnson concordou em pagar US$ 8,9 bilhões para resolver dezenas de milhares de ações judiciais que alegavam que o pó em seu icônico talco para bebês e outros produtos causavam câncer, disse a empresa. A quantia supera a oferta original da J&J de US$ 2 bilhões.

    O acordo segue uma decisão do tribunal de apelações de janeiro que invalidou a controversa manobra de falência “em duas etapas” tentada pela J&J, em que a empresa procurou transferir a responsabilidade do talco para uma subsidiária que entrou imediatamente com o Capítulo 11, um tipo de pedido de falência nos Estados Unidos.

    A LTL Management, subsidiária da J&J, entrou com pedido de recuperação judicial nesta terça-feira (14) pela segunda vez com a intenção de apresentar um plano de recuperação – até 14 de maio – contendo o acordo proposto a um juiz, disse a subsidiária em um processo judicial.

    A J&J disse em um comunicado que cerca de 60.000 requerentes de talco concordaram com a proposta.

    O novo pedido de falência inclui uma proposta de pagamento de US$ 8,9 bilhões ao longo de 25 anos para resolver todas as reivindicações atuais e futuras do talco, de acordo com a J&J. O acordo é apoiado por mais de 60 mil pessoas que entraram com algum tipo de reclamação contra a empresa, disse a J&J em um comunicado.

    A subsidiária da J&J entrou com pedido de falência em Nova Jersey, a mesma jurisdição onde enfrentou a derrota no tribunal de apelações.

    A J&J elaborou novos acordos de financiamento com sua subsidiária para evitar entrar em conflito com a decisão do recurso, informa o processo judicial. Na época, a decisão determinou que a LTL Management não tinha direito legítimo à falência porque não estava em dificuldades financeiras.

    A rejeição do tribunal de apelações acabou por elevar o custo para a J&J se livrar do extenso litígio sobre talco, depois que os advogados das pessoas que entraram com processo resistiram às táticas da empresa e prevaleceram.

    O conselho da J&J se reuniu no fim de semana e aprovou o pagamento do acordo imensamente maior aos atuais e futuros demandantes com vários tipos de câncer ginecológico e mesotelioma, de acordo com Mikal Watts, um dos advogados de acusação que negociou o acordo.

    A J&J reiterou nesta terça-feira que seus produtos de talco são seguros e não causam câncer. Os advogados da empresa disseram que as alegações de talco carecem de mérito científico e acusaram os advogados dos queixosos de continuar buscar clientes na esperança de extrair grandes somas financeiras.

    A empresa ainda enfrenta um risco significativo de que outros reclamantes possam continuar a se opor ao acordo e apelar novamente para o mesmo tribunal que já rejeitou a falência da subsidiária – o 3º Tribunal de Apelações do Circuito dos EUA na Filadélfia.

    Os advogados que representam milhares de processos emitiram um comunicado se opondo ao acordo. “Esse negócio fraudulento nem paga as contas médicas da maioria das vítimas”, disse Jason Itkin, sócio-fundador do escritório de advocacia Arnold & Itkin LLP, com sede em Houston.

    A Reuters noticiou que a J&J estava explorando colocar sua subsidiária de talco em processo de falência pela segunda vez e que um advogado da empresa abordou os advogados das alegadas vítimas nas últimas semanas propondo que os dois lados elaborassem um novo acordo que poderia ser consumado em um segundo pedido de fFalência da subsidiária J&J.

    Sob os termos do acordo recém-proposto, os consumidores diagnosticados com câncer antes de 1º de abril seriam pagos por um fundo de falência dentro de um ano após um juiz aprovar o plano do Capítulo 11 que o criou, de acordo com Watts, o advogado das vítimas que ajudou a negociar o acordo.

    Os consumidores diagnosticados posteriormente terão acesso ao dinheiro reservado no fundo pelos próximos 25 anos.

    O enorme acordo surgiu após o fracasso legal da falência em duas etapas original da J&J no Texas, arquivada em outubro de 2021. A nova tática envolvia o uso de uma lei estadual do Texas para dividir uma empresa sendo processada em duas, transferindo a responsabilidade para uma das entidades recém-criadas.

    A LTL Management, a subsidiária que absorveu o passivo, declarou falência quase imediatamente após sua criação.

    Os advogados dos clientes  queixosos retrataram as duas etapas da J&J como um abuso do sistema de falências por um conglomerado multinacional com uma capitalização de mercado superior a US$ 400 bilhões e com pouco risco de ficar sem dinheiro para pagar às vítimas de câncer.

    A J&J e sua subsidiária argumentaram que a falência serviu a um bem maior para todas as partes, incluindo os reclamantes: a reestruturação poderia oferecer pagamentos de liquidação de forma mais justa, eficiente e equitativa do que uma “loteria” oferecida pelos tribunais de primeira instância, onde alguns litigantes recebem grandes prêmios e outros recebem nada.

    No final de março, o tribunal de apelações negou a proposta da subsidiária da J&J de adiar a entrada em vigor da decisão enquanto busca uma revisão da Suprema Corte dos Estados Unidos.

    Nesta terça-feira, o juiz de falências dos EUA, Michael Kaplan, em Nova Jersey, rejeitou a falência anterior da LTL, cumprindo a decisão do tribunal de apelações que reverteu sua decisão anterior endossando a manobra.

    Watts, o advogado dos reclamantes, disse à Reuters que acredita que um número suficiente de vítimas concordou com o acordo para convencer um juiz de falências a aprová-lo. O número de pessoas concordando é crucial.

    Em falências relacionadas ao amianto, uma empresa precisa de 75% dos reclamantes para aprovar um plano de reestruturação para que um juiz o aprove. Essa é uma exigência mais alta do que em outros tipos de falências.

    Uma investigação da Reuters em dezembro de 2018 revelou que a J&J sabia há décadas sobre testes que mostravam que seu talco às vezes continha amianto cancerígeno, mas manteve essa informação dos reguladores e do público. A J&J disse que seu talco e outros produtos em pó são seguros, não causam câncer e não contêm amianto.

    A empresa anunciou em 2020 que pararia de vender seu talco para bebês nos Estados Unidos e no Canadá devido ao que chamou de “desinformação” sobre o produto e, posteriormente, anunciou sua intenção de descontinuá-lo mundialmente em 2023.