Jimmy Fallon se desculpa por ter pintado o rosto de preto para imitar Chris Rock


Luis Ernesto Quintana Barney, da CNN
28 de maio de 2020 às 11:54
Jimmy Fallon fez parte do elenco do “Saturday Night Live” de 1998 a 2004

Jimmy Fallon fez parte do elenco do “Saturday Night Live” de 1998 a 2004

Foto: Divulgação / NBC

O apresentador e comediante Jimmy Fallon pediu desculpas nesta semana por sua interpretação do ator e também comediante Chris Rock durante um episódio do programa “Saturday Night Live”. Na ocasião, Fallon pintou o rosto de preto para se parecer com o colega, prática conhecida como “blackface”.

Ele se desculpou após o vídeo do episódio, exibido no ano 2000, e as críticas voltarem a circular nas redes sociais.

“Em 2000, durante o ‘SNL’, tomei a terrível decisão de fazer uma imitação de Chris Rock com ‘blackface’. Não há desculpa para isso. Sinto muito por tomar uma decisão indiscutivelmente ofensiva e agradeço a todos vocês por me responsabilizar”, escreveu o apresentador do “The Tonight Show” em sua conta no Twitter nessa terça-feira (26).

Fallon fez parte do elenco do “Saturday Night Live” de 1998 a 2004, enquanto Chris Rock participou da atração de 1990 a 1993.

Na cena em questão, que não está disponível no site da emissora NBC ou do programa, Fallon aparece como Rock em um programa de entrevistas apresentado por Regis Philbin, interpretado ali por Darrell Hammond.

Assista e leia também:
EUA tem noite de protestos contra assassinato de homem negro por policiais
Com estigma racial nos EUA, negros relatam temor de usar máscara em público

O apresentador se une ao grupo de personalidade que se desculparam recentemente por episódios semelhantes ocorridos no passado, incluindo o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau.

Por que fazer ‘blackface’ é ofensivo?

As representações negativas de pessoas que não são brancas datam de meados do século XIX. Atores brancos que participavam de espetáculos escureciam a pele com tinta para se imitar o estereótipo negro.

As apresentações tinham a intenção de divertir o público branco, mas eram prejudiciais e degradantes para os afro-americanos, pois reforçava a ideia de superioridade dos brancos.