Conheça escritores negros que ajudam a entender as questões raciais


Juliana Faddul, da CNN em São Paulo
05 de junho de 2020 às 05:30 | Atualizado 05 de junho de 2020 às 15:12
Ayóbami Adebayó

A escritora Ayóbami Adebayó, autora de "Fique Comigo", durante sessão de autógrafos em 2018

Foto: Facebook/Divulgação

Há 10 dias, os Estados Unidos vivenciam manifestações antirracistas por conta do assassinato do segurança negro George Floyd durante uma abordagem policial no estado de Minnesota. Mas estamos mesmo preparados para debater a questão da raça atualmente?

A CNN reuniu uma lista de escritoras e escritores negros, de ficção das ciências sociais, que ainda não são tão reconhecidos como Djamila Ribeiro, Conceição Evaristo e Maria Carolina de Jesus. Confira:

Ayòbámi Adébáyò

Nascida na Nigéria, foi aluna de outra famosa escritora negra: Chimamanda Ngozi Adichie. Ela debutou na literatura com o livro ‘Fique Comigo’ (Harper Collins) que rapidamente entrou na lista de melhores do ano de jornais como The New York Times, The Guardian e da revista The Economist, em 2017. Aqui no Brasil ficou em segundo lugar no ranking de livros mais vendidos da Flip no ano passado.

Cida Bento 

A psicóloga social e diretora da ONG estuda há mais de 30 anos diversidade racial no ambiente de trabalho. Seu doutorado, inclusive, foi ‘Pactos Narcísicos no Racismo: Branquitude e Poder nas Organizações Empresariais e no Poder Público’. Seu trabalho tem tamanha referência que em 2015 foi a única brasileira a entrar na lista da The Economist dos 50 profissionais mais influentes do mundo na área.

Grada Kilomba

A escritora Ayòbámi Adébáyò perdeu o primeiro lugar de livros mais vendidos da Flip de 2019 para ela: Grada Kilomba. A portuguesa, que atualmente vive em Berlim, é autora de “Memórias da Plantação: Episódios de Racismo Cotidiano” (Cobogó). É conhecida pela multidisciplinaridade e internacionalismo em sua obra.

Noémia de Sousa

Multitarefa (tradutora, jornalista e militante política), Noémia ganhou notoriedade mesmo como poetisa. Hoje é considerada “mãe da poesia moçambicana”. Sua vida é tão interessante como a sua obra: viajou por toda a África para lutar pela independência dos países.

Mel Duarte

Com 31 anos já publicou dois livros e participou de dois TED Talks (2016 e 2017). Conhecida na literatura e no slam foi a primeira mulher a vencer o Rio Poetry Slam (campeonato internacional de poesia) que integra a programação da FLUP (Festa Literária das Periferias) no Rio de Janeiro. 

Victor Lavalle

Professor da Universidade de Columbia, ganhou 29 prêmios literários. Publicou quatro romances, mas é conhecido pelos seus contos. Ah, ele também é casado com a também escritora Emily Raboteau (que não é negra, mas vale a pena ser lida).

José Craveirinha

Outro poeta moçambicano. Em 1991 ganhou o Prêmio Camões se tornando o primeiro autor africano galardoado com o mais importante prémio literário da língua portuguesa.

Assista e leia também:

George Floyd é homenageado em cerimônia funeral em Minneapolis

Lista de best-sellers da Amazon é dominada por livros sobre racismo

Kanye West doa US$ 2 milhões e financia estudos da filha de George Floyd

Outros autores que também valem a pena ser lidos:

•             Françoise Vergès

•             Toni Morrison

•             Jarid Arraes

•             Maya Angelou

•             Luana Tolentino

•             Geni Guimarães

•             Bianca Santana

•             Paulina Chiziane

•             Octavia Butler

•             Chinua Achebe

•             Alice Walker

•             Buchi Emecheta

•             James Baldwin

•             Igiaba Scego

•             Ana Maria Gonçalves

•             Zadie Smith

•             NoViolet Bulawayo

•             Djamilia Pereira de Almeida

•             Octavia Estelle Butler

•             Lubi Prates

•             bell hooks

•             Cida Bento

•             Patrícia Hill Collins

•             Lélia Gonzalez