Mario Frias falta a reunião na Câmara para expor planos para cultura

Segundo os congressistas, a conversa seria importante para esclarecer os projetos de Frias para o setor

Noeli Menezes, da CNN, em Brasília
30 de junho de 2020 às 12:11 | Atualizado 30 de junho de 2020 às 12:38
O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (dir.), posta foto ao lado do secretário especial da Cultura, Mario Frias (esq.): "Temos agora a missão de fazer com que este dinheiro chegue a quem precisa", disse sobre a sanção da Lei Aldir Blanc
Foto: Reprodução/Twitter

O secretário especial de Cultura, Mario Frias, não compareceu nesta terça-feira (30) à reunião agendada na Câmara dos Deputados para que ele falasse sobre os seus planos para o setor. Segundo o deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), Frias havia confirmado presença.

“Ficamos 1 hora e 25 minutos aguardando o secretário. Infelizmente, ele sumiu e nem ligou para dar algum tipo de esclarecimento”, afirmou Frota.

Leia também:
Guedes confirma mais duas parcelas de R$ 600 do auxílio emergencial
Pesquisa prevê perda de até 100% em setores culturais por causa de pandemia

De acordo com nota enviada pela assessoria do Ministério do Turismo, pasta que abriga a secretaria da Cultura, o deputado federal Alexandre Frota foi notificado na segunda-feira (29) sobre a "impossibilidade de comparecimento do secretário Mario Frias em virtude da incompatibilidade de agenda".

O encontrou reuniu deputados da oposição, como Jandira Feghali (PCdoB-RJ), Erika Kokay (PT-DF), Benedita da Silva (PT-RJ) e Alessandro Molon (PSB-RJ), que classificaram a ausência de Frias como “desrespeito ao Parlamento”.

Segundo os congressistas, a conversa seria importante para esclarecer os projetos de Frias para a cultura e para cobrar a edição da medida provisória que vai liberar os recursos para implementação da Lei Aldir Blanc.

Sancionada nesta segunda-feira (29) pelo presidente Jair Bolsonaro, a lei prevê um total de R$ 3 bilhões para auxílio emergencial no setor cultural, um dos mais afetados pela crise causada pela pandemia de Covid-19. O governo, porém, precisa liberar recursos do orçamento para que a implementação seja efetivada.