Elza Soares: 'Ninguém esperava por esse momento tão drástico, tão estranho'


Bruna Macedo, da CNN, em São Paulo
12 de setembro de 2020 às 05:00 | Atualizado 12 de setembro de 2020 às 13:00

Maquiada e com cabelos arrumados para o ensaio de uma live que acontecerá no fim de semana, a cantora Elza Soares, que completou 90 anos em isolamento, disse à CNN, pela internet, que ''não tem tempo para pensar em pandemia''.

A cantora tem aproveitado a quarentena para ouvir jazz e se concentrar em ações beneficentes: ''Sempre que posso, eu faço, a sensação é maravilhosa''.

Apesar dos entraves, os meses em casa foram produtivos para a cantora, que não deixou de produzir. Em abril, ela lançou uma versão de "Carinhoso", composta por Pixinguinha, com letra de João de Barro; em junho, regravou "Juízo Final", de Elcio Soares, e, mais recentemente, em julho, estrou "Negrão Nega", com Flávio Renegado. Este último, considerado um manifesto antirracista. 

''Isso é a coisa mais estupida que eu ja vi na minha vida. Nos dias de hoje, ainda ter que falar em paz e amor. Misericórdia é o que a gente precisa'', afirmou. 

Live no sábado

Neste sábado, às 20h, Elza Soares se encontra com Seu Jorge e a cantora Agnes Nunes para cantar clássicos do samba.

O evento é em comemoração ao alcance da meta inicial de doar o equivalente a 2 milhões de refeições para comunidades: ''Uma live para os carentes, para combater a fome''.

Durante a live, um QRcode ficará disponível na tela para que o público possa fazer doações. O valor conseguido será revertido em alimentos, que serão entregues a famílias afetadas pela pandemia do novo corona vírus.

''Ninguém esperava por esse momento tao drástico, tão estranho, mas a mensagem que eu tenho para deixar é a seguinte: vamos em frente, acreditar que o melhor há de vir, e tudo passa. tudo vai passar'', disse.

Show da cantora Elza Soares no Teatro Municipal de São Paulo, em 2014

Show da cantora Elza Soares no Teatro Municipal de São Paulo, em 2014

Foto: WERTHER SANTANA/Estadão Conteúdo (18/05/2014)