Cantora Vanusa morre aos 73 anos


Leonardo Lopes, da CNN, em São Paulo *
08 de novembro de 2020 às 08:35 | Atualizado 08 de novembro de 2020 às 21:21

 

A cantora Vanusa morreu na madrugada deste domingo (8) em Santos, litoral paulista, onde morava há mais de dois anos. O velório e o enterro acontecem amanhã (9) em São Paulo. 

A assessoria da cantora enviou a seguinte nota: “Seguindo os protocolos de saúde e distanciamento social, o corpo da cantora Vanusa será velado pela família e amigos próximos no Funeral Arce Morumbi, Av Giovanni Gronchi 1358, nesta segunda-feira, dia 9 de novembro, das 8 às 14 horas. O sepultamento será às 16 horas no Cemitério de Congonhas”.  

A cantora Vanusa tinha 73 anos e estava em uma casa de repouso. Um enfermeiro percebeu por volta das 5h30 que ela estava sem batimentos cardíacos. Uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) foi chamada e os médicos constataram insuficiência respiratória como a causa da morte.

A cantora passou o último sábado (7) com Amanda, sua filha mais velha. De acordo com a família, ela cantou, brincou, riu e se alimentou bem. "Nos últimos anos Vanusa teve depressão, problemas gerados pelo uso de medicamentos tarja preta em excesso, o que a deixaram muito debilitada", acrescentou a nota divulgada pela assessoria.

Entre agosto e setembro, Vanusa ficou internada no Complexo Hospitalar dos Estivadores, em Santos, após apresentar problemas respiratórios.

 

Perfil

Cantora Vanusa no bairro de Santa Cecília, região central de São Paulo
Cantora Vanusa no bairro de Santa Cecília, região central de São Paulo
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo 

Vanusa Santos Flores nasceu em 22 de agosto de 1947 em Cruzeiro, São Paulo, mas foi criada nas cidades mineiras de Uberaba e Frutal. Aos 16 anos, tornou-se vocalista do conjunto Golden Lions. Em uma das apresentações foi ouvida por Sidney Carvalho, da agência de propaganda Prosperi, Magaldi & Maia, que a convidou para ir a São Paulo. 

Em 1966, durante os últimos anos do movimento cultural Jovem Guarda, apresentou-se no programa O Bom na extinta TV Excelsior de São Paulo. Logo, foi contratada pela RCA Victor e ganhou êxito com a canção Pra Nunca Mais Chorar. O sucesso a fez participar do programa Jovem Guarda, da TV Record, em suas duas últimas edições. 

Em 1968, gravou seu primeiro álbum, estreando ainda como compositora em três canções. Cinco anos depois, em seu quarto LP, já como contratada da gravadora Continental, lançou seu maior sucesso: Manhãs de Setembro, composta em parceria com Mário Campanha. Em 1975, lançou outro hit: Paralelas, uma composição de Belchior. Em 1977, protagonizou ao lado de Ronnie Von a telenovela Cinderela 77, da Rede Tupi. 

Ao longo de sua carreira, gravou 23 discos e vendeu mais de três milhões de cópias. Representou o país em vários festivais internacionais e recebeu cerca de 200 prêmios.

A cantora foi casada duas vezes: com o músico Antônio Marcos, com quem teve as filhas Amanda e Aretha, e com o ator e diretor de televisão Augusto César Vannucci, pai de Rafael Vannucci.

Sob supervisão de André Rigue e informações da Agência Brasil