Taylor Swift diz que composições foram vendidas pela 2ª vez sem seu conhecimento

Cantora disputa com antiga gravadora os direitos de seus sucessos anteriores a 2018

Reuters
17 de novembro de 2020 às 16:53
A cantora Taylor Swift
Foto: Mario Anzuoni/Reuters (5.jan.2020)

Taylor Swift disse na segunda-feira (16) que as fitas de suas gravações originais foram vendidas a uma empresa de private equity, o que a impediu de recomprá-las ela mesma e recuperar o controle sobre os direitos de seus seis primeiros álbuns.

"Esta foi a segunda vez que minha música foi vendida sem meu conhecimento", escreveu a cantora de 30 anos em uma postagem no Twitter.

Ela também disse que começou a regravar suas primeiras canções e que isso se "mostrou empolgante e gratificante".

Os comentários de Swift vêm na esteira de uma disputa de longa data com sua antiga gravadora, Big Machine Group, e com o executivo musical Scooter Braun pelos direitos de alguns de seus maiores sucessos, como "Shake It Off" e "You Belong to Me".

Em 2018, Swift deixou o selo graças a um novo acordo com o Universal Music Group, e Braun comprou a Big Machine em 2019. Desde então, os dois estão envolvidos em uma desavença pública agressiva.

Swift, ganhadora de 10 prêmios Grammy, escreveu na segunda-feira que, algumas semanas atrás, recebeu uma carta da empresa de private equity Shamrock Holdings "nos informando que eles haviam comprado 100% de minha música, vídeos e arte de capa de Scooter Braun".

Ela acrescentou que, segundo os termos da venda, Braun "continuará a lucrar com meu antigo catálogo musical durante muitos anos".

Braun não respondeu de imediato a um pedido de comentário. Ainda na segunda-feira, a revista Variety disse que ele vendeu os direitos das gravações originais dos seis primeiros discos de Swift por meio de um acordo estimado em mais de 300 milhões de dólares.