Cantora Joni Mitchell diz que seguirá Neil Young e removerá suas músicas do Spotify

Artistas alegam que plataforma promove desinformação sobre vacinas; juntos, Young e Mitchell tem quase 10 milhões de ouvintes mensais no Spotify

Cantora e compositora Joni Mitchel durante evento em Los Angeles, em 2019
Cantora e compositora Joni Mitchel durante evento em Los Angeles, em 2019 Lester Cohen/WireImage/Getty Image

Jeevan Ravindranda CNN*

Ouvir notícia

A cantora e compositora Joni Mitchell disse que removerá suas músicas do Spotify após alegar desinformação sobre vacina na plataforma de streaming.

“Pessoas irresponsáveis ​​estão espalhando mentiras que estão custando a vida das pessoas”, escreveu a cantora canadense em um comunicado publicado em seu site na sexta-feira (28). “Sou solidária com Neil Young e as comunidades científicas e médicas globais nesta questão”.

A decisão de Mitchell acontece depois que Neil Young solicitou que seus empresários e gravadora ordenassem a remoção imediata de todas as suas músicas do Spotify, devido à desinformação sobre vacinas propagada pelo comediante e podcaster Joe Rogan.

Em uma declaração agora excluída em seu site, a Rolling Stone informou que Young, de 76 anos, disse que as consequências estavam “potencialmente causando a morte daqueles que acreditam que essa desinformação se espalhou”, acrescentando: “Eles podem ter Rogan ou Young. Não os dois. ”

Mitchell, conhecida por suas músicas “Big Yellow Taxi” e “A Case of You”, também citou uma carta aberta ao Spotify publicada no início deste mês por uma coalizão de cientistas e profissionais médicos solicitando a implementação de uma política que possa combater a desinformação.

A carta foi republicada na íntegra no site do cantor de 78 anos, e nela os escritores delinearam uma série de preocupações sobre o podcast de Rogan “The Joe Rogan Experience”, que atualmente é o podcast mais popular nos EUA e Reino Unido no Spotify. .

A CNN entrou em contato com o Spotify e a gravadora Rhino, de Mitchell, para comentar, mas ainda não recebeu respostas.

Rogan “desencorajou a vacinação em jovens e crianças, afirmou incorretamente que as vacinas de mRNA são ‘terapia genética’, promoveu o uso off-label de ivermectina para tratar o COVID-19”, dizia a carta aberta.

Eles também disseram que pelo menos dois convidados recentes “compararam as políticas de pandemia ao Holocausto” e afirmaram que a desinformação era “uma questão sociológica de proporções devastadoras e o Spotify é responsável por permitir que essa atividade prospere em sua plataforma”.

Mais tarde, o Spotify concordou em remover a música de Young de sua plataforma, e a hashtag #DeleteSpotify se tornou viral em meio a críticas ao podcast de Rogan. A Apple Music publicou nesta quinta-feira que agora era “a casa de Neil Young”.

Young e Mitchell juntos têm quase 10 milhões de ouvintes mensais no Spotify, com Young tendo mais de 6 milhões, enquanto Mitchell tem 3,7 milhões de ouvintes.

Neil Young em show no Hyde Park, em Londres / Gus Stewart/Redferns/Getty Images (12/7/2019)

*Scottie Andrew, da CNN, contribuiu com esta reportagem.

 

Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

versão original

Mais Recentes da CNN