Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Diretor de “Oppenheimer” cita preocupação com IA e faz paralelo com criação da bomba atômica

    Longa sobre o físico considerado o "pai da bomba atômica" chega aos cinemas brasileiros na quinta-feira (20)

    Thomas PageDavid Danielda CNN

    “A bomba, Dimitri. A bomba de hidrogênio”, um exasperado presidente dos Estados Unidos lembra seu homólogo soviético no clássico de Stanley Kubrick de 1964 “Dr. Fanstástico”.

    Como se a bomba pudesse ser esquecida. No auge da Guerra Fria, quando a destruição mutuamente garantida estava em seu auge enlouquecido, a guerra nuclear se viu abstraída por meio do humor – talvez a única maneira razoável de tratar algo tão assustador.

    A bomba era uma piada de mau gosto para ser montada, às vezes metaforicamente, às vezes literalmente, um totem da engenhosidade e estupidez da humanidade fechada e solta.

    Olhar de frente era ficar cego por seu brilho; o poder que forjava era muito absurdo – e muito próximo – para ser aprovado. Melhor enviar os palhaços. Teria parecido inconcebível na época, mas a bomba atômica desapareceu da mente.

    No século 21, outras ameaças existenciais surgiram. No entanto, a ameaça nuclear parece mais próxima hoje do que há gerações. E é precisamente neste momento que Christopher Nolan está pedindo ao público que olhe nos olhos com seriedade.

    “Nossa relação com armas nucleares é muito complicada”, disse Nolan à CNN. “O medo vai e vem. É quase como se a humanidade só pudesse lidar com um apocalipse de cada vez, e há tantos problemas com os quais se preocupar.”

    Mas muitos ficarão preocupados depois de assistir “Oppenheimer”, seu último e talvez o melhor filme até hoje.

    Escritor, diretor e produtor Christopher Nolan no set de “Oppenheimer” / Divulgação/Universal Pictures

    Como o nome sugere, Nolan assumiu a vida de J. Robert Oppenheimer, o gênio científico e padrinho conflituoso da bomba atômica.

    Trabalhando em IMAX, o diretor evoca uma recontagem avassaladora e totalmente assustadora da história da criação da bomba e suas consequências ao longo de três horas tensas que ultrapassam os limites do próprio meio.

    O roteiro de Nolan – escrito, incomumente, na primeira pessoa – foi baseado na biografia “American Prometheus: The Triumph and Tragedy of J. Robert Oppenheimer” de Kai Bird e Martin Sherwin.

    Flutuando entre a cor e o monocromático – o realizador descreveu a primeira como uma lente subjetiva e a segunda como objetiva dos acontecimentos –, experienciamos sobretudo a narrativa através dos olhos de Oppenheimer.

    “Temos que acertar os fatos. Temos que nos guiar pela história. Mas estamos tentando dar ao público uma experiência. Estamos tentando realmente entreter e nos envolver de uma maneira significativa”, explicou Nolan. “É uma narrativa subjetiva”, acrescentou.

    “Estamos tentando não julgar o homem. Estamos tentando experimentar as coisas com ele e entender.”

    Christopher Nolan, diretor

    O penetrante olhar azul de Oppenheimer é vivido por Cillian Murphy, colaborador de longa data do diretor e protagonista pela primeira vez de suas produções.

    “Fiquei tão feliz por ter recebido a oportunidade – é meio que um papel dos sonhos. Mas é tão multifacetado e maciço, então você simplesmente mergulha”, disse Murphy.

    O ator interpreta Oppenheimer desde um jovem estudante em Cambridge na década de 1920 até a era McCarthy do pós-guerra e além, sem a ajuda de CGI que distraem o envelhecimento (o físico morreu em 1967)

    Cillian Murphy em “Oppenheimer” / Divulgação/Universal Pictures

    Ao seu redor gira um quem é quem de cientistas, militares e políticos impecavelmente vestidos, junto com as mulheres em sua vida, esposa Kitty (Emily Blunt) e amante Jean Tatlock (Florence Pugh) – um vasto elenco de apoio no sentido mais verdadeiro.

    “Duas pessoas no auge de suas habilidades”, disse Matt Damon, que estrela como Leslie Groves, o brusco general que supervisiona o Projeto Manhattan, sobre Murphy e Nolan.

    “Foi mais como assistir quando Spielberg fez ‘O Resgate do Soldado Ryan’”, acrescentou ele, “assistir Chris Nolan com uma história que é digna de sua vasta habilidade. Todo mundo podia sentir isso, então todo mundo veio com tudo o que tinha e ficou tipo, ‘Tudo bem, como podemos apoiar isso?’”

    Uma ameaça renovada

    Para a maior parte do considerável elenco de Nolan, a invenção de Oppenheimer serviu de pano de fundo para sua educação.

    “Esta era a nossa ameaça existencial enquanto crescia”, lembrou Robert Downey Jr., que interpreta Lewis Strauss, comissário fundador da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos e mais tarde um operador político.

    “Nós crescemos nessa época, mas é quase demais para se envolver, então você força”, disse Damon.

    É como se todos estivéssemos vivendo sob esta espada de Dâmocles por 80 anos

    Matt Damon

    Isso não faze parte da experiência dos nossos filhos na medida em que deveriam”, acrescentou.

    Nolan sabe disso muito bem. “Eu disse a um dos meus filhos adolescentes no que estava trabalhando”, lembrou. “Ele me disse: ‘Bem, alguém ainda se preocupa com isso?’ Isso foi há alguns anos. Quando terminamos de filmar, infelizmente ele não faz mais essa pergunta.”

    A Rússia invadiu a Ucrânia dias antes das câmeras começarem a rodar, observou Murphy, e foi sob essa nuvem que as filmagens começaram no Novo México, em um stand para o QG de Los Alamos para o Projeto Manhattan.

    O filme assumiu uma relevância preocupante, especialmente as passagens ambientadas no pós-guerra, documentando uma corrida armamentista contra a qual Oppenheimer alertou.

    O seu legado, da perspectiva do físico e das pessoas ao seu redor, forma uma coda devastadora e complexa.

    Hoje, o debate ético em torno da bomba permanece intacto. Mas mesmo que uma guerra envolvendo uma potência nuclear não tivesse eclodido na Europa em 2022, Nolan acredita que “Oppenheimer” contém aflições cruzadas.

    Cillian Murphy em “Oppenheimer” / Divulgação/Universal Pictures

    “(A guerra nuclear) é única nas ameaças que enfrentamos, mas também está muito relacionada com as nossas relações – e particularmente as relalções dos jovens – com tecnologia e inovação tecnológica”, disse.

    “Porque, em última análise, a bomba atômica, por mais terrível que seja e tenha sido, foi uma inovação tecnológica incrível.”

    Oitenta anos após o Trinity Test, a inovação tecnológica parece como inteligência artificial (IA), ele disse, e os perigos potenciais de “liberar essas coisas no mundo”.

    Segundo o cineasta, muitos dos cientistas com quem conversou que trabalham no ramo da tecnologia se preocupam com isso.

    “Eles veem o que estão fazendo como seu momento Oppenheimer e buscam na história dele algum tipo de orientação sobre como deve funcionar a relação entre ciência, tecnologia, governo e sociedade”.

    “Não sei se a história de Oppenheimer tem respostas para isso”, acrescentou. “Isso certamente levanta questões, e de uma forma que acho que acharemos bastante assustador.”

    Kubrick nos fez rir da bomba porque parecia um mecanismo de enfrentamento apropriado. Agora, a contemplação feroz e sincera de Nolan despertará uma nova geração para seus horrores – e isso também parece apropriado.

    Para um diretor obcecado com o funcionamento do tempo, a chegada de seu último filme é estranha. Mas sente-se que o filme sobreviverá a esse momento e apenas polirá sua reputação como um dos poucos diretores de sucesso de bilheteria com influência para trabalhar nessa escala.

    “Ele é um cineasta mestre, não há como negar e você não consegue muitos desses por geração”, disse Downey Jr.

    “Acho que este filme é a apoteose de seu talento como diretor”, disse Murphy. “Ter o privilégio de trabalhar com ele ao longo dos anos e vê-lo caminhar nessa direção é fenomenal de se testemunhar.”

    Oppenheimer estreia nos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (20).

    Assista ao trailer

     

    Este conteúdo foi criado originalmente em espanhol.

    versão original