Em busca da audiência jovem, Oscar 2022 acontece neste domingo (27)

Em 2022, o Oscar criou duas novas categorias baseadas em votação popular para tentar resgatar a relevância da cerimônia

Renovação no Oscar: 47% dos membros da academia entraram nos últimos seis anos
Renovação no Oscar: 47% dos membros da academia entraram nos últimos seis anos DPA/AFP via Getty Images

Isabella Fariada CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Sim, estamos vivendo um “novo normal”, mas velhos hábitos nunca morrem, mesmo para a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

A cerimônia do Oscar deste ano volta ao Dolby Theatre, em Los Angeles, trazendo o fio condutor que não víamos desde 2018: o apresentador. Em 2022, porém, serão três mulheres comandando a atração: Amy Schumer, Regina Hall e Wanda Skies. Mais um movimento da presidência da Academia que sinaliza uma mudança de postura em busca de mais diversidade no prêmio.

“Houve, sim, uma evolução nesse quesito, vemos mais minorias indicadas nas categorias”, diz Flávia Guerra, jornalista e cineasta, que afirma que “o cinema é um reflexo do que acontece na sociedade, incluindo casos de racismo, machismo e homofobia. Portanto, a Academia ainda tem muito a melhorar.”

De acordo com dados da própria organização, existem aproximadamente 9.400 membros ativos na Academia e 47% deles entraram para a instituição nos últimos seis anos. Segundo Flávia, foi essa visão renovada que permitiu o reconhecimento das minorias na premiação, trazendo, inclusive, filmes de língua não-inglesa, para além da categoria de Melhor Filme Internacional.

“A premiação de ‘Parasita’ é um clássico exemplo disso. Este ano, por exemplo temos ‘Drive My Car’ indicado em 4 categorias, um filme japonês de 3 horas”, diz.

Blockbusters: ultimato

A Academia tenta mostrar que está ouvindo seu público, mas segundo o próprio público, não o bastante.

Segundo a empresa Nielsen Media, em 2021, pouco mais de 10 milhões de pessoas assistiram à cerimônia do Oscar. Esse número significou uma diminuição de 56% em relação a 2020, quando 23 milhões de pessoas assistiram à atração.

De olho no baixo número de espectadores e no público jovem, duas categorias foram criadas para o Oscar 2022: Filme Favorito do Ano e Cena Favorita. Quem vai decidir o resultado? Os próprios espectadores americanos, via Twitter.

O favorito para a primeira categoria é “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, o mesmo filme que arrancou suspiros frustrados das redes sociais durante o anúncio dos indicados às estatuetas em fevereiro. Sem contar a categoria por voto popular, o longa da Marvel está indicado apenas em “Melhores Efeitos Visuais”.

“Não é porque um filme é comercial que ele não tem valor “, explica Humberto Neiva, Coordenador do Curso de Cinema na FAAP. “O Oscar está aberto a diferentes gêneros, seja um filme de arte, seja um blockbuster, como ‘Duna'”.

Ainda segundo Humberto, os filmes que estão levando o público ao cinema, principalmente o público jovem, são os filmes de herói.27

“Apesar de todos os protocolos sanitários, o jovem é mais destemido, vai ter menos medo de sair”, diz. “Nesse sentido, os que sofrem mais são os filmes de arte, independentes, que, normalmente, são vistos por uma audiência mais velha”.

Filmes de arte que, nos últimos anos, foram muito premiados no Oscar.

Porém, ao mesmo tempo em que, neste ano, a Academia cria novas categorias para valorizar o voto popular, corta oito delas da cerimônia ao vivo.

Melhor Figurino, Cabelo e Maquiagem, Curta Documentário, Curta em Live-Action, Curta em Animação, Trilha Sonora Original, Som e Melhor Montagem terão seus resultados revelados antes do tapete vermelho da cerimônia e os anúncios serão compilados em uma versão reduzida.

“Oscar também é investimento, é business”, conta Flávia Guerra. “Sempre que essas categorias se arrastam na cerimônia, a audiência cai. Por mais que me doa como cineasta diminuir o tempo dessas categorias, é fato: o Oscar pensa, também, no dinheiro”.

Que horas o Brasil volta?

Pedro Kos é o único brasileiro na lista de indicados ao Oscar 2022 / Divulgação

Desde 1999, com “Central do Brasil”, nosso país não concorre na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. Apesar disso, a presença brasileira no Oscar existe, seja através de outras categorias, co-produções com outros países, ou através de representantes solitários.

Neste ano, temos Pedro Kos, diretor do curta documentário “Lead Me Home”, da Netflix. A produção conta as histórias de pessoas que moram nas ruas de Los Angeles.

Entre diversas produções, o cineasta montou o documentário “Lixo Extraordinário”, que conta a história do artista brasileiro Vik Muniz. O longa também foi indicado ao Oscar de Melhor Documentário.

“Apesar de ter feito minha carreira nos Estados Unidos, sou 100% brasileiro e me sinto honrado de estar representando meu país”, diz Pedro Kos à CNN. “Converso com colegas brasileiros e vejo o quão difícil é ser cineasta no Brasil. Nos Estados Unidos existem obstáculos, mas, por aí, eles escalam de forma exponencial”.

Aly Muritiba concorda. O diretor de “Deserto Particular”, filme selecionado para representar o Brasil no Oscar 2022 (que não chegou a entrar na pré-lista dos indicados), diz que não basta ter uma produção boa para ganhar a estatueta.

“Existe muita coisa envolvida”, diz, “É preciso fazer uma campanha nos Estados Unidos, alugar salas de cinema, fazer eventos de exibição, comprar anúncios. É preciso investimento”.

Muritiba diz que recebeu cerca de R$ 150 mil da Ancine (US$ 30 mil pela cotação da moeda em janeiro) e comparou com o investimento da Coreia do Sul na campanha do filme “Parasita”: 1 milhão de dólares.

“Faz parte de um projeto de um país”, afirma o diretor. “Não é coincidência que a série ‘Round 6’ estourou depois da vitória de ‘Parasita’, ou que os adolescentes são fissurados pelo K-Pop até mesmo antes da estreia do filme. O Brasil precisa fazer o mesmo”.

Depois da experiência desta campanha para o Oscar, Muritiba juntou diversos diretores, produtores e atores brasileiros para entregar diretrizes claras à Academia Brasileira de Cinema, responsável por selecionar o filme para a premiação americana.

“Dentre as orientações está que o longa precisa ser escolhido mais rápido, para a campanha começar o quanto antes lá fora”, conta. Para ele, “foi uma honra ter “Deserto Particular” escolhido, mas o Brasil precisa levar o Oscar mais a sério e tratá-lo como projeção da nossa cultura para o exterior”.

A cerimônia do Oscar 2022 acontece neste domingo, dia 27, às 21h. Quer se preparar?

  • “Lead me Home” está disponível na Netflix sob o nome “Onde eu Moro”.
  • “Deserto Particular” está disponível na HBO MAX.
  • “Drive My Car” está disponível nos cinemas e estreia na MUBI dia 1º de abril.
  • “Duna” está disponível na HBO MAX.
  • “Homem-Aranha: Sem Volta pra Casa” está disponível na Amazon Prime para alugar.
  • “Parasita” está disponível na Globo Play.
  • “Central do Brasil” está disponível na Globo Play.
  • “Lixo Extraordinário” está disponível na Netflix.
  • “Round 6” está disponível na Netflix.

Mais Recentes da CNN