Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Esta produção promete mudar a ideia de como se faz um filme americano

    "Past Lives", dirigido por Celine Song, conta a história de Nora, uma mulher que se muda da Coreia do Sul para o Canadá quando criança, e depois ganha a vida nos Estados Unidos

    Cena do filme "Past Lives", com Teo Yoo and Greta Lee
    Cena do filme "Past Lives", com Teo Yoo and Greta Lee Jon Pack

    Thomas Pageda CNN

    Greta Lee não tem medo de mexer com seus colegas de elenco.

    A atiz estava sentada com John Magaro e Teo Yoo para uma entrevista sobre o filme “Past Lives”, um drama romântico sobre as experiências de um imigrante coreano nos Estados Unidos. Uma pergunta sobre a recente enxurrada de histórias asiático-americanas no centro das atenções parecia atual.

    “A ideia do que faz um filme americano por si só está mudando”, disse ela à CNN. “Já há algum tempo, muitas pessoas, inclusive eu, têm se questionado fortemente sobre quem deve ser o contador de histórias – quem pode segurar o bastão da narrativa.”

    O novo filme é uma prova do que acontece quando o bastão é segurado nas mãos certas. “Past Lives”, da escritora e diretora coreana canadense Celine Song, é amplamente autobiográfico.

    A narrativa conta a história de Nora, uma mulher que se muda da Coreia do Sul para o Canadá quando criança, e depois ganha a vida nos Estados Unidos. Aos trinta e poucos anos morando na cidade de Nova York com seu marido escritor Arthur, ela é visitada por Hae Sung, seu namorado de infância, fazendo-a contemplar o que sua vida poderia ter sido se ela não tivesse partido.

    O grande arco do filme é retirado da própria vida de Song, na qual ela, como Nora, construiu uma carreira como dramaturga em Nova York. Antes de “Past Lives”, Song escreveu a peça teatral “Endlings”, que estreou em 2019 no American Repertory Theatre em Cambridge, Massachusetts, com sua subsequente exibição em Nova York interrompida pela pandemia de Covid-19. Ela também escreveu para a série de fantasia da Amazon “The Wheel of Time”.

    “Past Lives” foi o primeiro roteiro da diretora. Tão forte ele era, e tão associado a sua própria vida, que a produtora A24 sugeriu que ela dirigisse o filme, apesar de não ter experiência anterior em tal função.

    Song descreveu o processo de escrita do roteiro como “transformar o subjetivo em objetivo”, acrescentando que escreveu “Past Lives” com um público em mente: ela mesma. “Isso sempre foi verdade. Vou ser um crítico mais severo do que a maioria do público, porque eu conheço minhas próprias besteiras”, disse ela.

    Elegantemente estruturado em três atos ao longo de 24 anos, conhecemos Nora, de 12 anos, quando criança na Coréia, prestes a partir. Em seguida, a revisitamos como uma estudante universitária em Nova York, nos reconectando com Hae Sung online.

     Assim como vemos a cidade – e as oportunidades de carreiras e relacionamentos que ela oferece – nutrindo os talentos de Nora, vislumbramos Hae Sung, aparentemente estagnado em sua ausência, cumprindo seu serviço militar obrigatório e morando em Seul. Por fim, nós os encontramos, reunidos, com toda a bagagem que vem com a idade adulta; sua estabilidade, mas também suas decepções.

    O roteiro de Song é simples, mas incisivo. Sentimos a presença dos vastos trechos da vida vividos sem precisar vê-los.

    “O mistério do tempo e do espaço e a maneira como uma pessoa vive isso é tão confuso”, disse Song. “O objetivo deste filme foi para mim é colocar clareza nele, ou ser capaz de ver essas partes de como é ser uma pessoa através de lentes mais claras.”

    Nenhuma das clarezas de Song seria traduzida sem a Nora certa. A personagem precisava de “uma paixão ardente, um pouco de ambição e muita força interior”, lembrou a diretora.

    “Encontrei em Greta todas essas coisas. Em um momento ela pode se sentir como uma mulher adulta e no momento seguinte pode se sentir como uma garotinha. Essa adorável contradição em uma atriz é o que eu estava procurando.”

    Greta Lee teve entre seus trabalhos anteriores papéis coadjuvantes em “Russian Doll” da Netflix e “The Morning Show” da Apple TV+. Nascida em Los Angeles, filha de imigrantes coreanos, ela disse: “desde o início, estávamos conversando sobre ter acesso apenas à experiência de ser bicultural e bilíngue, o que é algo muito pessoal para mim”.

    As convenções cinematográficas usuais do drama romântico, de uma mulher “ainda buscando sua identidade ou seus desejos de vida”, eram inadequadas, acrescentou Lee. “Conversamos sobre contar uma história de um lugar diferente: de uma mulher que sabe exatamente o que quer, é cheia de ambição e muito firme.”

    Embora inegavelmente romântico, o filme é também uma resposta auto-reflexiva e subversiva ao drama romântico, em que a autora permite que seus personagens de mentalidade literária se sintam cientes das expectativas do gênero – e de sua disjunção com a realidade.

     “Que história boa é essa… não consigo competir”, reflete Arthur em uma cena, discutindo o reencontro de Nora. “Cale a boca”, ela responde.

    A convenção sugere que o ressurgimento de Hae Sung na vida de Nora deve ser construído em direção ao que o público pode identificar como uma escolha angustiante: ela adere ou distorce? O senso de segurança de Nora é antitético ao gênero e a essa questão.

    Na verdade, questões do coração equivalem a uma espécie de porta de entrada para o filme contemplar uma exploração mais ampla da individualidade. Hae Sung dá um rosto à vida de Nora na Coreia do Sul, mas o que sua vida poderia ter sido se ela e sua família tivessem ficado é uma questão mais ampla.

    Um exercício de pensamento semelhante foi um elemento-chave do vencedor do Oscar de Melhor Filme do ano passado, “Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo”, no qual a proprietária de uma lavanderia Evelyn (Michelle Yeoh) se pergunta o que poderia ter acontecido se ela nunca tivesse trocado a China pelos Estados Unidos.

    O filme revela essas possibilidades através do multiverso. “Past Lives” evita tal literalismo visual, usando seus totens românticos Hae Sung e Arthur. Na presença deles, Nora se encontra abrangendo as partes coreana e norte-americana de sua identidade. Isso pode ser confrontante. Nora fica chocada com o quão americana ela se sente com Hae Sung, uma revelação à qual Arthur acrescenta de forma pungente que ela só fala durante o sono em coreano.

    Isso também pode ser cruel. Quem é Nora? “Você é alguém que vai embora”, diz Hae Sung.

    “Esta história é sobre um tipo muito extremo de partida”, disse Song, mas acrescentou: “Há uma parte da história com a qual todos podemos nos conectar à medida que envelhecemos. Este filme, acho que no final do dia, é sobre como mudamos como pessoas.”

    “Na verdade, trata-se de três adultos fazendo o possível para se comportar como adultos”, argumentou Lee.

    Song renuncia à necessidade de um cara mau – como o personagem de Magaro, Arthur, ironicamente aponta, na maioria das versões desta história de amor, ele seria “o malvado marido americano branco que está no caminho do destino” – para fins não menos comoventes.

    “Você não precisa de um supervilão que está prestes a destruir o mundo para sentir uma estaca de vida ou morte”, disse Magaro. “Acho que é por isso que muitas pessoas estão se identificando com este filme. E é porque nossos relacionamentos pessoais, nossos casamentos, nossas famílias – nossa necessidade de amor – são vida ou morte para nós.”

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original