Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Jane Fonda revela estar com câncer: “Nada vai interferir meu ativismo climático”

    Aos 84 anos, atriz deu início a quimioterapia há seis meses

    Jane Fonda participa do Lo Máximo Awards em Los Angeles (12.03.2022)
    Jane Fonda participa do Lo Máximo Awards em Los Angeles (12.03.2022) David Livingston / via Getty Images

    Anna Gabriela Costada CNN

    em São Paulo

    A atriz Jane Fonda anunciou, nesta sexta-feira (2), que foi diagnosticada com linfoma não-Hodgkin e deu início a quimioterapia há seis meses.

    Aos 84 anos, a atriz fez um relato nas redes sociais para anunciar a doença, e afirmou se sentir com muita sorte devido às possibilidades de cura.

    “Então, meus queridos amigos, tenho algo pessoal que quero compartilhar. Fui diagnosticado com linfoma não-Hodgkin e iniciei tratamentos de quimioterapia. Este é um câncer muito tratável. 80% das pessoas sobrevivem, então me sinto com muita sorte”, disse a atriz em sua conta no Instagram.

    Além do reconhecimento no cinema, que lhe rendeu diversos prêmios, entre eles duas estatuetas do Oscar e sete Globos de Ouro, Fonda é reconhecida por seu forte empenho como ativista.

    “Estou fazendo quimioterapia há 6 meses e estou lidando muito bem com os tratamentos e, acredite, não vou deixar nada disso interferir no meu ativismo climático”, escreveu.

    A atriz aproveitou o anúncio da doença para fazer um alerta sobre problemas climáticos, sobre a aproximação das eleições nos Estados Unidos e reiterou que manterá suas atividades como ativista.

    “Estamos vivendo o momento mais consequente da história humana porque o que fazemos ou não fazemos agora determinará que tipo de futuro haverá e não permitirei que o câncer me impeça de fazer tudo o que puder”.

    Leia a íntegra da mensagem de Jane Fonda:

    “Então, meus queridos amigos, tenho algo pessoal que quero compartilhar. Fui diagnosticado com linfoma não-Hodgkin e iniciei tratamentos de quimioterapia. Este é um câncer muito tratável. 80% das pessoas sobrevivem, então me sinto com muita sorte

    Também tenho sorte porque tenho seguro de saúde e acesso aos melhores médicos e tratamentos. Percebo, e é doloroso, que sou privilegiado nisso. Quase todas as famílias na América tiveram que lidar com câncer uma vez ou outra e muitas não têm acesso aos cuidados de saúde de qualidade que estou recebendo e isso não está certo.

    Também precisamos falar muito mais não apenas sobre curas, mas sobre causas para que possamos eliminá-las. Por exemplo, as pessoas precisam saber que os combustíveis fósseis causam câncer. O mesmo acontece com os pesticidas, muitos dos quais são baseados em combustíveis fósseis, como o meu.

    Estou fazendo quimioterapia há 6 meses e estou lidando muito bem com os tratamentos e, acredite, não vou deixar nada disso interferir no meu ativismo climático.

    O câncer é um professor e estou prestando atenção nas lições que ele guarda para mim. Uma coisa que já me mostrou é a importância da comunidade. De crescer e aprofundar a comunidade para que não estejamos sozinhos. E o câncer, junto com minha idade –quase 85– definitivamente ensina a importância de se adaptar a novas realidades.

    Estamos vivendo o momento mais consequente da história humana porque o que fazemos ou não fazemos agora determinará que tipo de futuro haverá e não permitirei que o câncer me impeça de fazer tudo o que puder, usando todas as ferramentas na minha caixa de ferramentas e isso inclui continuar a construir esta comunidade Fire Drill Fridays e encontrar novas maneiras de usar nossa força coletiva para fazer mudanças.

    As eleições intermediárias estão se aproximando, e elas estão além das consequências, então você pode contar comigo para estar lá junto com você enquanto aumentamos nosso exército de campeões climáticos.”