Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Lexa revela diagnóstico de doença autoimune que causa perda de memória; médica explica

    Cantora detalhou, durante participação no "PodPeople", como descobriu Tireoidite de Hashimoto

    Lexa revela doença autoimune
    Lexa revela doença autoimune Reprodução/Instagram

    Bárbara Carvalhocolaboração para a CNN São Paulo

    A cantora Lexa participou na segunda-feira (11) do “PodPeople” e, durante a entrevista, falou pela primeira vez sobre o diagnóstico de doença autoimune, a tireoidite de Hashimoto.

    “Fui fazer uns exames que minha ginecologista pediu. Descobri que tenho uma doença chamada tireoidite de Hashimoto… A minha memória parece que é meio curta, tenho esquecimentos o tempo inteiro. Percebi algumas coisas, mas o esquecimento era o pior de todos”, revelou ela. “Quando recebi o diagnóstico, fiquei muito triste. Ninguém quer ter uma doença autoimune”.

    Psiquiatra e apresentadora do podcast, Ana Beatriz Barbosa explicou que a doença acontece quando os anticorpos atacam a tireoide, glândula que dá velocidade no metabolismo. A médica também citou a retenção de líquido e dificuldade de perder peso como outros sintomas da doença.

    Lexa, então, complementou a informação citando as críticas que recebeu, recentemente, sobre sua aparência física.

    “As pessoas ficavam me criticando na internet. ‘Ela fez harmonização facial’. Não, gente. Eu tenho uma doença autoimune que, por isso, tenho mais dificuldade [de perder peso], altera”, ressaltou.

    A especialista relatou que a chance de a doença virar um câncer é quase zero e citou alguns dos sintomas.

    “É chato, dá um pouquinho de depressão porque você fica se sentindo mais lenta e começa a ficar com uma autocrítica. Aí, de repente, baixa um pouquinho o tesão. Pode dar a unha mais quebradiça, pode dar queda de cabelo, cabelo fica mais fino. Uma série de coisas que tem que regularizar mesmo. Muitas mulheres têm e não sabem”.

    Lexa contou ainda que tem que tomar remédio todo dia para controlar a doença, que afetou totalmente a sua memória. “Às vezes eu estava em uma linha de raciocínio e eu esquecia, pedia para alguém me lembrar. Eu falei assim: ‘agora preciso falar sobre isso pois muitas mulheres tem e não sabem. Às vezes estão em quadros depressivos”, disse.