Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ministro da Cultura da Ucrânia critica “Emily em Paris” por personagem da série

    Essa não é a primeira vez que a série é criticada - no entanto, continua como uma das mais vistas da Netflix

    Emily com a personagem da atriz Daria Panchenko, ucraniana que rouba de uma loja
    Emily com a personagem da atriz Daria Panchenko, ucraniana que rouba de uma loja Divulgação/Netflix

    Sana Noor HaqKatharina Krebsda CNN

    Ouvir notícia

    O ministro da cultura da Ucrânia tem assistido à série “Emily in Paris” da Netflix – e parece que não está feliz.

    Oleksandr Tkachenko compartilhou sua frustração com a maneira “ofensiva” como Petra, uma personagem ucraniana, é retratada na segunda temporada do programa, que estreou na Netflix em dezembro.

    A nova temporada começa com a executiva americana Emily (Lily Collins) lidando com as consequências de dormir com o namorado de sua amiga, Gabriel (Lucas Bravo), as demandas de seu trabalho em Paris e as barreiras culturais que existem entre ela e seus colegas parisienses.

    Para ajudar na assimilação, a nativa de Chicago se inscreve em uma aula de francês para iniciantes, onde conhece Petra, interpretada por Daria Panchenko.

    No entanto, Petra causa uma má impressão em Emily quando ela rouba roupas de um shopping local e a incentiva a fazer o mesmo, antes de sair correndo pelas ruas de Paris.

    ‘Inaceitável’ e ‘ofensivo’

    Tkachenko condenou o enredo. “Em ‘Emily em Paris’ temos a caricatura de uma ucraniana, o que é inaceitável. Por outro lado, também é ofensivo. Será que os ucranianos serão vistos como tal no exterior? Quem rouba, quer ter tudo de graça, tenha medo de deportação? Esse não deveria ser o caso”, escreveu ele em um post em seu canal oficial do Telegram, dois dias após o lançamento da segunda temporada.

    Ele já tinha assistido à primeira temporada e a descreveu descrito como “uma série de entretenimento muito boa”, mas disse que mudou de opinião.

    “A Netflix conhece bem a Ucrânia, basta dizer que a maioria das ruas de Paris no filme ‘O Último Mercenário’ foi filmada em Kiev”.

    “Além disso, com a popularização de nossa cultura, europeus e americanos ouviram falar de nossos artistas e muito mais. Pelo menos sobre a maestra Oksana Lyniv, a tenista Elina Svitolina, a cantora Jamala, a estilista Vita Kin”, continuou.

    “Mas isso provavelmente não é suficiente. E teremos que continuar a lutar contra os estereótipos. Porque se nos anos 1990 e 2000 os caras ucranianos eram retratados principalmente como gângsteres, com o tempo isso mudou.”

    A CNN entrou em contato com a Netflix para comentar.

    Um favorito dos fãs?

    O personagem Alfie é um britânico que vive em Paris / Divulgação/Netflix

    Quando a primeira temporada de “Emily in Paris” foi lançada em 2020, alguns telespectadores franceses a anunciaram, dizendo que ela reciclava clichês desatualizados sobre a Cidade Luz e seus habitantes.

    Mais recentemente, o novo interesse amoroso de Emily, um banqueiro britânico chamado Alfie (Lucien Laviscount), recebeu críticas mistas dos espectadores.

    “Eu odeio como eles retrataram Alfie em Emily em Paris”, um usuário tuitou, argumentando que “os britânicos NUNCA seriam tão encolhidos”.

    “Alfie em Emily em Paris é realmente o cara britânico estereotipado que adora ir ao pub”, escreveu um usuário. “Estou apaixonado por Alfie de Emily em Paris”, twittou outro.

    Apesar das críticas, o programa indicado ao Emmy tem conquistado os telespectadores.

    A primeira temporada foi transmitida por 58 milhões de famílias nas primeiras quatro semanas e foi a série de comédia mais popular da Netflix em 2020, de acordo com um comunicado à imprensa.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN