Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Parada LGBTQIA+ reúne multidão nos trios de Pabllo Vittar e Daniela Mercury em SP

    27ª edição da Parada teve como tema "Políticas Sociais para LGBT+ — Queremos por inteiro e não pela metade" e tomou a Avenida Paulista

    Parada LGBTQIA+ reúne multidão na Avenida Paulista
    Parada LGBTQIA+ reúne multidão na Avenida Paulista TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO

    Flávio Ismerimda CNN Em São Paulo

    Uma multidão envolveu os trios das cantoras Pabllo Vittar e Daniela Mercury na 27ª edição da Parada LGBTQIA+, na Avenida Paulista, em São Paulo, neste (11).

    Além dos dois trios que levavam as estrelas, a festa reuniu outros 17 de igual tamanho que desceram também a Rua da Consolação. A dispersão está prevista ocorrer até as 18h nas imediações da praça Roosevelt, na área central.

    Além de Pabllo e Daniela, a Parada contou ainda com nome com atrações musicais do naipe de Majur, Pocah, Grag Queen e Urias, além de drag queens famosas, como Márcia Pantera, Tchaka e Salete Campari. Antes do evento, os organizadores esperavam cerca de 4 milhões de pessoas. A Polícia Militar não divulgou o número de participantes na Av. Paulista.

    Nesta edição, a festa teve como tema “Políticas Sociais para LGBT+ — Queremos por inteiro e não pela metade” e pediu por mais direitos e acesso às políticas públicas de assistência social para a comunidade. Estiveram presentes no evento o ministro dos Direitos Humanos, Silvio de Almeida, a secretaria municipal de Relações Internacionais de São Paulo, a ex-prefeita Marta Suplicy, e a deputada federal Erika Hilton.

    Almeida reforçou que todos os brasileiros precisam ser respeitados em sua diversidade e é papel do Estado acolher os diferentes grupos.

    “Existem brasileiros que tem que ser respeitados independente da sua orientação sexual, independente da sua identidade de gênero, e que é papel do Estado Brasileiro, garantir a esses brasileiros e brasileiras que eles tenham dignidade e o direito que lhes é garantido. Todos os brasileiros e brasileiras, independente de sua multiplicidade e diversidade, tem direitos e devem ser respeitados. Essa é a ideia fundamental”, declarou.

    Para quem chegou cedo, o aquecimento da Parada ficou por conta da escola de samba Vai-Vai, que percorreu vários quarteirões da Avenida Paulista e arrastou uma pequena multidão.

    A abertura foi marcada por uma cerimônia que unificou a bandeira do Brasil com a bandeira do arco-íris, símbolo da luta do movimento LGBTQIA+.

    No trio elétrico numero 1, chamado Avassalador, dois homens trans — um branco e um negro — tremularam duas bandeiras nacionais.

    A performance foi feita enquanto a jornalista Leonora Áquilla, coordenadora de políticas públicas para a população LGBTQIA+ da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo, cantava uma versão do hino nacional usando a técnica lírica.

     

    “Essa bandeira é de todo mundo. É hora de pegarmos de volta a bandeira do Brasil”, disse a coordenadora.

    Com informações do Estadão Conteúdo