Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Polêmica com Depardieu expõe divisões na França sobre o sexismo

    Em carta aberta, defensores de Depardieu dizem que ele se tornou o destinatário de uma "torrente de ódio"

    Ator Gerard Depardieu no Festival de Berlim
    Ator Gerard Depardieu no Festival de Berlim 19/02/2016REUTERS/Stefanie Loos

    Da Reuters Por Richard Lough, da Reuters

    Uma carta aberta escrita por dezenas de atrizes e outros artistas em defesa de Gerard Depardieu, o gigante do cinema acusado de assédio sexual, expôs as divisões na França sobre o ajuste de contas do movimento #Metoo com o sexismo.

    As atrizes Nathalie Baye e Carole Bouquet – uma ex-parceira de Depardieu – bem como a cantora e ex-primeira-dama Carla Bruni estavam entre as mais de 50 personalidades culturais que chamaram Depardieu de vítima de um “linchamento” público.

    Intitulada “Não cancelem Gerard Depardieu”, a carta publicada esta semana no jornal conservador Le Figaro afirma que Depardieu se tornou o destinatário de uma “torrente de ódio”.

    “Não podemos mais permanecer em silêncio diante do linchamento que se abateu sobre ele”, escreveram os autores da carta.

    “Gerard Depardieu é provavelmente o maior de todos os atores. Quando se ataca Gerard Depardieu dessa forma, é a arte que se está atacando.”

    Depardieu, de 75 anos e estrela de dezenas de filmes em língua francesa, ganhando destaque em 1974 com “Corações Loucos”, tem sido o centro de um número crescente de alegações de abuso sexual nos últimos anos.

    Em março de 2022, Depardieu foi colocado sob investigação formal em um caso de suspeita de estupro e agressão sexual. A atriz Charlotte Arnould, de 28 anos, revelou posteriormente que estava por trás dessas acusações, dizendo que não aguentava mais ficar em silêncio. Desde então, mais de 10 mulheres acusaram Depardieu de violência sexual.

    Depardieu sempre negou qualquer irregularidade e, por meio de seus advogados, “rejeitou firmemente” as acusações contra ele.

    “Nunca, absolutamente nunca, abusei de uma mulher”, escreveu ele em uma carta de 2 de outubro também publicada no Le Figaro. Ele não foi condenado por nenhuma das acusações contra ele.

    O presidente francês, Emmanuel Macron, saiu em defesa de Depardieu pouco antes do Natal, quando perguntado em uma entrevista sobre os planos de sua ministra da Cultura de rever a medalha “Legion d’Honneur” de Depardieu – a mais alta condecoração da França.

    Macron condenou a “caçada ao homem” contra Depardieu, sem expressar simpatia por suas supostas vítimas. “Ele é um ator imenso, um gênio de sua arte”, disse Macron. “Ele deixa a França orgulhosa”.

    Os comentários do presidente e a carta de segunda-feira causaram consternação entre feministas e atrizes mais jovens, que condenam a tentativa de abafar as vozes das vítimas de violência sexual e minar o movimento #Metoo contra o assédio sexual na França.

    “Há uma geração que ainda não entende essa evolução social”, disse Murielle Reus, vice-presidente da #MeTooMedia, que faz campanha contra o sexismo e a má conduta sexual na mídia, em uma entrevista de rádio esta semana.

    Os críticos da campanha #Metoo na França a acusam de uma luta puritana alimentada por um desprezo pelos homens e pela arte da sedução.

    Catherine Deneuve, uma das atrizes mais conhecidas da França, estava entre as 100 mulheres francesas que, em 2018, escreveram uma coluna de jornal acusando a campanha #Metoo de ir longe demais.

    “Defendemos o direito de importunar, que é vital para a liberdade sexual”, disseram.