Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    #CNNPop

    Sindicato dos atores apoia Scarlett Johansson após queixa sobre voz da OpenAI

    Atriz se diz preocupada com semelhança entre a sua voz e a de um novo modelo de inteligência artificial da empresa

    A atriz Scarlett Johansson em coletiva de imprensa no 76º Festival de Cinema de Cannes, França
    A atriz Scarlett Johansson em coletiva de imprensa no 76º Festival de Cinema de Cannes, França 24/05/2023REUTERS/Yara Nardi

    da Reuters

    O SAG-AFTRA, influente órgão que representa artistas de rádio e televisão, apoiou Scarlett Johansson nesta terça-feira (21), após a atriz levantar preocupações com recurso de voz de um novo sistema da OpenAI que, segundo ela, soava “assustadoramente similar” à dela.

    A OpenAI revelou seu mais recente modelo de inteligência artificial, GPT-4o, na semana passada, contendo uma personagem que interage por áudio chamada Sky.

    Johansson afirmou na segunda-feira (20) que havia recusado uma solicitação da empresa para usar sua voz para o sistema. O CEO da OpenAI, Sam Altman, esclareceu que a voz pertencia a outra atriz profissional e disse que retirará a voz de Sky dos produtos da empresa.

    “Agradecemos a senhora Johansson por se manifestar sobre essa questão de importância crucial para todos os membros do SAG-AFTRA. Compartilhamos de suas preocupações e apoiamos totalmente o seu direito de ter clareza e transparência em relação à voz utilizada”, afirmou porta-voz do sindicato.

    O SAT-AFTRA, que representa cerca de 160 mil profissionais de entretenimento e mídia ao redor do mundo, teve um papel importante em acordos com estúdios de Hollywood para melhores pagamentos e proteções contra o uso de IA (inteligência artificial) para atores.

    A disputa sobre os direitos às vozes e imagens dos atores tornou-se uma questão importante em Hollywood, com os estúdios avaliando o potencial da IA para criar novos entretenimentos. Ela é especialmente relevante em um momento em que imagens e sons gerados por computadores ficam cada vez mais indistinguíveis dos humanos.