“Succession reflete disfunção da riqueza no mundo”, diz ator Brian Cox

Após dois anos parada, série retorna para sua terceira temporada neste domingo (17)

Brian Cox, o Logan Roy da série "Succession", da HBO
Brian Cox, o Logan Roy da série "Succession", da HBO David M. Russell/HBO

Sandra Gonzalezda CNN

Ouvir notícia

Estamos chegando ao fim de nossa entrevista quando o ator Brian Cox, ao descrever as poucas, porém fortes, relações de lealdade de seu personagem em “Succession”, série da HBO, levanta o tom de sua voz ao nível que a maioria das pessoas só ouve pela televisão.

Ele diz que esses relacionamentos – como aquele com o advogado Gerri Kellman (J. Smith-Cameron) – mostram que Logan Roy é mais do que “afetado”.

“Claro, eu grito de vez em quando. E a RAZÃO QUE EU GRITO”, diz ele, gastando bem a voz, “é manter o público, acordá-lo e acordar o outro ator.” Ele ri.

“Faz parte da técnica dele”, diz o ator, dando-me outro exemplo de decibéis elevados. “É tudo parte de seu pequeno show”.

Brinco que as personas dos atores na tela muitas vezes os representam na vida, na percepção do público. Mas ele não se incomoda com isso.

“Eu assusto as pessoas o tempo todo, mas já o fazia antes mesmo de Logan Roy, então não é nada incomum para mim”, diz ele. “É um tipo de perigo com o qual eu lido o tempo todo.”

Enquanto ele está sentado ali, ligando e desligando uma das figuras mais temidas da TV como um interruptor, a aclamação e os prêmios fazem ainda mais sentido do que faziam minutos antes: não há personagem na televisão como Logan Roy e não há ator que poderia interpretá-lo como Brian Cox.

Terceira temporada

A terceira temporada de “Succession”, que segue os Roys, uma família de mídia inspirada por fabricantes de manchetes da vida real como os Murdochs, continua o fio da última temporada – com o filho de Logan Roy tentando atribuir os acontecimentos ilegais na empresa a seu pai.

A mudança, como se pode imaginar, joga o já delicado equilíbrio familiar mais uma vez em parafuso. A questão que se levanta é se Kendall tem o que é preciso para desmascarar o rei de Waystar Royco.

“Se Kendall realmente reúne alguns valores, que estão fora do domínio da Waystar Royco, então acho que é a sua salvação”, diz Cox. “E vai ser interessante ver se ele vai conseguir esses valores porque está tão preso a essa ambição e à dinâmica familiar, mas precisa de alguém para quebrá-la. E infelizmente tem que ser um dos filhos. Logan não vai quebrá-lo porque o convém ter essa situação”.

Apesar de todo o drama da família, Cox acredita que Logan ama seus filhos.

Elenco de “Succession”, série da HBO, em gravação de novembro de 2020 / David M. Russell/HBO

“Eles significam muito para ele. Infelizmente, são consistentemente decepcionantes, o que eu entendo”, diz ele. “Quer dizer, qualquer pai está apaixonado por seu filho, mas às vezes também se espera demais deles. Sabe, todos somos culpados disso. Podemos colocar uma pressão terrível sobre nossos filhos para se validarem”.

Uma coisa que os espectadores não verão nesta temporada é a pandemia. A decisão de não abordar o assunto foi tomada pelo produtor Jesse Armstrong, e Cox vê isso como a decisão certa “porque não poderíamos nos tornar reféns da Covid”.

“Caso contrário, teria sido um show diferente”, diz ele.

Drama dos Roys

A pandemia, entretanto, “deixou certas coisas muito, muito claras, particularmente a posição dos ricos”, avalia Cox.

“Onze minutos no espaço. Me dá um tempo. O que isso significa?” ele diz. “Sabe, Richard Branson, ‘Mais espaçonaves’ e você pensa ‘Não, não, não, não precisamos de mais espaçonaves’. Precisamos cuidar do nosso mundo. Precisamos realmente cuidar do nosso mundo e do que está acontecendo”.

A disparidade entre os ricos e o mundo real em tantos níveis fundamentais é o motivo pelo qual ele acha que a série continua a ter tanta intriga.

“O show atinge tudo isso porque os Roys são uma espécie de reflexo dos elementos disfuncionais da riqueza do mundo”, diz ele.

A disfunção pessoal de Logan é o que Cox diz que mais gosta no papel.

“Você não pode subestimar Logan de qualquer forma porque ele é um animal extraordinário”, diz ele. “Não há muitos personagens como ele no drama. Não os vimos. Porque ele é implacável. Ele não parece fazer nenhum prisioneiro. Essa é a alegria de interpretá-lo.”

Todas as coisas, é claro, um dia chegarão ao fim, e Cox diz que espera que Logan esteja por perto para ver.

“Não quero ser morto antes do final do show. Não quero ser morto de jeito nenhum”, diz ele. “Eu só quero desaparecer por um longo corredor no final e dizer, ‘Tchau. Estou indo.'”

(Texto traduzido. Clique aqui para ler o original em inglês)

Mais Recentes da CNN