‘Um cara inteligente, ágil e carinhoso’, diz Oscar Magrini sobre Paulo Gustavo

Ator e amigo do comediante relembra o quanto ele era carinhoso e atencioso com o público após as gravações do filme Vai que cola

Produzido por Layane Serrano, da CNN em São Paulo

Ouvir notícia

“Rir é um ato de resistência”, disse o ator, diretor e humorista Paulo Gustavo em uma de suas últimas aparições na televisão. O artista morreu na última terça-feira, 4 de maio, por complicações causadas pela Covid-19 e sua partida gerou uma comoção nacional. O sentimento de perda fica ainda mais latente em amigos que o conheciam pessoalmente. Este é o caso do ator Oscar Magrini, que contracenou com o comediante no filme ‘Vai que cola’ (2015).

“Se as pessoas, ao assistir o Vai que cola, dão risada, imagina os bastidores? Ele era um cara rápido, inteligente, ágil, carinhoso com todo mundo, brincava. Não tinha tempo ruim. Se você chegava meio chateado, ele tinha uma palavra para te falar”, diz Magrini.

O ator conta que Paulo Gustavo teve uma trajetória que começou na simplicidade até ele conquistar o Brasil. “Uma pessoa muito grata a tudo. De onde ele veio e até onde ele chegou, isso é só gratidão, talento, profissionalismo. O Paulo é um personagem e uma grande figura, um doce de pessoa.”

Magrini relembra, também, o contato caloroso que ele tinha com o público e relembra os encontros dele com seus fãs após as gravações do filme.

“Sabe que quando a gente gravava lá no Riocentro, na saída, tinha uma multidão. Ele ainda parava, tirava foto, brincava. As pessoas gritando para tirar foto e ele tinha essa paciência. Era generoso com os amigos e com as pessoas que não conhecia. Ele tinha essa reciprocidade, carinho e reconhecimento da importância do público”, conta o ator e amigo.

Ator Oscar Magrini (8 de maio de 2021)
Ator Oscar Magrini (8 de maio de 2021)
Foto: Reprodução / CNN

 

 

Mais Recentes da CNN