Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Caso Watergate 50 anos: filmes e séries para lembrar e entender o escândalo

    A televisão e o cinema estão repletos de histórias que nos mostram o que aconteceu nos anos que antecederam a renúncia de Richard Nixon, em 1974

    Robert Redford e Dustin Hoffman no clássico do cinema "Todos os homens do presidente", de 1976
    Robert Redford e Dustin Hoffman no clássico do cinema "Todos os homens do presidente", de 1976 Divulgação

    Brian Lowryda CNN

    Watergate está tendo o seu momento na TV, tudo para marcar o 50º aniversário do escândalo que acabou levando à renúncia de Richard Nixon.

    Assistir à algumas das novas e recentes produções dedicadas a essa história, e revisitar as mais antigas, oferece alguns insights sobre esses anos e um lembrete de que os casos como de Nixon vão muito além de apenas enviar alguns ladrões infelizes para a sede do Comitê Nacional Democrata.

    Para aqueles que podem ver Watergate como uma história antiga, esses projetos – apresentando aqueles que participaram e cobriram a história – também ressaltam que essa ameaça constitucional sempre está muito mais próxima do que parece.

    Aqui estão algumas opções para quem deseja mergulhar na história e que nos ajudam a entender ou lembrar o que aconteceu durante o Watergate.

    “Watergate: High Crimes in the White House” (CBS, 17 de junho)

    Embora os repórteres do “Washington Post”, Bob Woodward e Carl Bernstein, estejam entre os entrevistados, há um pouco mais de distorção neste documentário em relação ao papel da CBS como um dos poucos meios de comunicação de TV a cobrir o escândalo, incluindo as lembranças de Lesley Stahl sobre a história, filmagens de Walter Cronkite analisando o escândalo e o imponente repórter Daniel Schorr descobrindo no ar que ele havia conquistado um lugar na lista de inimigos de Nixon enquanto lia os nomes.

    Incorporando entrevistas antigas e novas, o projeto também captura o enorme “hit” que foram as audiências televisionadas de Watergate, nos dias em que havia três redes e não muitas alternativas de visualização.

    “Watergate: Blueprint for a Scandal”

    Uma série documental de quatro partes atualmente em exibição na CNN, com diversas entrevistas, incluindo o ex-conselheiro da Casa Branca, John Dean.

    “Watergate” (History Channel, 17 de junho)

    O canal History exibirá sua série documental de seis partes, que estreou originalmente em 2018.

    “Gaslit” (Starz)

    Esta dramatização de oito partes de Watergate acabou de terminar, mas vale a pena assistir quem não viu. Julia Roberts é a delatora Martha Mitchell, um irreconhecível Sean Penn como seu marido, o procurador-geral de Nixon, John Mitchell, e Dan Stevens como John Dean. Exagerado em parte ao ponto de sátira, é, no entanto, um olhar revelador sobre o escândalo e seus principais atores, incluindo Shea Whigham descontroladamente como G. Gordon Liddy.

    Richard Nixon em seu aceno de despedida no lado de fora da Casa Branca, em 1974 / AP Photo/Chick Harrity

    “Todos os homens do presidente” (HBO Max)

    Lançado em 1976, é releitura da versão cinematográfica do livro de Woodward e Bernstein e se destaca por razões não intencionais em certos lugares, como uma reunião de editores do “Washington Post”, que consiste inteiramente de caras brancos em camisas brancas, debatendo se devem apoiar os jovens repórteres.

    Em sua essência, porém, o filme se sustenta e mais um pouco, desde a exploração de reportagens clássicas até as fontes assustadas incapazes de ficar em silêncio sobre a corrupção que testemunharam.

    Acrescente a isso, as performances sensacionais e o roteiro vencedor do Oscar de William Goldman, com frases ditas por Deep Throat (Hal Holbrook) a Woodward (Robert Redford): “Siga o dinheiro” e “A verdade é que esses caras não são muito brilhantes, e as coisas saíram do controle.”

    “The Post”

    O filme de Steven Spielberg de 2017 oferece um mergulho mais profundo em outro ângulo da história, especificamente a relação entre o editor do “Washington Post”, Ben Bradlee (Tom Hanks), e a editora Katharine Graham (Meryl Streep), e a coragem que ela teve em resistir à pressão da Casa Branca ao publicar os Documentos do Pentágono em 1971. Essa tenacidade mais tarde seria vital para o papel do Post em expor Watergate.

    “Mark Felt: O homem que derrubou a Casa Branca”

    Este filme de 2017, traz Liam Neeson como Felt, o oficial do FBI finalmente revelado ser a fonte de Woodward, Deep Throat, em 2005.

    “Frost/Nixon”

    Michael Sheen e Frank Langella vivem David Frost e Nixon neste filme divertido que mostra suas famosas entrevistas na TV, em 1977.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original