Defesa de piloto cita 'negligência' de passageiros em acidente de Kobe Bryant

Sem detalhar a acusação, advogados que representam o piloto Ara Zobayan dizem que astro de NBA e outras vítimas tinham 'conhecimento de riscos'

Stella Chan e Steve Almasy, da CNN
12 de maio de 2020 às 03:57 | Atualizado 12 de maio de 2020 às 06:22
Kobe Bryant e a filha Gianna, mortos em acidente de helicóptero em janeiro de 20
Kobe Bryant e a filha Gianna, mortos em acidente de helicóptero em janeiro de 2020
Foto: Instagram/ Reprodução

A defesa do falecido piloto do acidente de helicóptero que, em janeiro, matou o ex-astro da NBA Kobe Bryant e outras oito pessoas a bordo, alega que houve negligência por parte dos passageiros no caso, o que teria contribuído para a queda da aronave. A acusação consta em documentos judiciais arquivados recentemente.

O documento é resposta a um processo movido por Vanessa Bryant, viúva de Kobe. Nele, os advogados de Berge Zobayan, irmão do piloto Ara Zobayan e que conduz sua defesa, alegam que "os passageiros conheciam os riscos envolvidos".

“Quaisquer lesões a requerentes e/ou descendentes foram diretamente causadas por negligência integral ou parcial de requerentes e/ou descendentes, incluindo o conhecimento de riscos envolvidos e que a negligência foi fator fundamental para os danos causados”, dizem os advogados.

"Essa negligência foi um fator substancial para causar seus supostos danos, pelos quais esse réu respondente não tem nenhuma responsabilidade", acrescenta.

Os advogados de Zobayan citam "negligência, culpa ou conduta ilícita de terceiros, a quem esse demandado respondente não controlava nem tinha o direito de controlar".

Diante da alegação de negligência dos passageiros, inicialmente sem detalhamento do que isso significaria, os advogados de Berge Zobayan pedem que o processo da viúva de Bryant seja considerado improcedente e encerrado.

Apresentada na sexta-feira, a resposta diz que Berge Zobayan nega todas as alegações no processo da viúva de Kobe.

Destroços do helicóptero em acidente de Kobe Bryant
Em 26 de janeiro de 2020, acidente de helicóptero em Calabasas, na Califórnia, tirou a vida de Kobe Bryant e outras oito pessoas
Foto: NTSB

O advogado de Vanessa Bryant apresentou sua queixa em 24 de fevereiro, no mesmo dia em que Kobe Bryant e a filha do casal Gianna receberam homenagens.

A denúncia responsabilizou a Island Express, a empresa de helicópteros, e Ara Zobayan, responsável pelo acidente, citando numerosas acusações de negligência.

Um representante da empresa disse à CNN que não comenta litígios em andamento.

Arthur Willner, advogado de Berge Zobayan, disse à CNN que seu cliente é irmão do piloto e que no momento não faria mais comentários. Os representantes de Vanessa Bryant ainda não se manifestaram.

Outros processos de famílias que perderam alguém no mesmo acidente de Kobe não listam Zobayan como réu.

Em abril, as famílias de doutras vítimas do acidente - Christina Mauser, além de John Altobelli, sua esposa Keri e a filha deles, Alyssa, 14 -  entraram com uma ação contra a empresa que operava a aeronave.

O advogado que representa as famílias Mauser e Altobelli apresentou queixas separadas por danos alegando que a Island Express Helicopters foi negligente.

O helicóptero colidiu com um terreno montanhoso em condições de neblina em 26 de janeiro. Estava transportando passageiros para a Mamba Sports Academy em Thousand Oaks, Califórnia, para um jogo de basquete juvenil, quando caiu em Calabasas.