Torcida será liberada no Maracanã no início de outubro


Cleber Rodrigues, da CNN, no Rio de Janeiro 
18 de setembro de 2020 às 20:15 | Atualizado 18 de setembro de 2020 às 20:40

A prefeitura do Rio de Janeiro e a Federação de Futebol do Rio (FFERJ) definiram nesta sexta-feira (18) a volta do público no estádio Maracanã a partir do dia 4 de outubro, na partida entre Flamengo e Atlético Paranaense, pela 13ª rodada.

No encontro realizado a portas fechadas, no Riocentro, foram apresentados os protocolos para o retorno gradativo do público, como uso obrigatório de máscara, distanciamento social, venda de ingressos pela internet e ocupação de apenas 30% de cada setor. A expectativa é que o estádio receba, no máximo, cerca de 24 mil torcedores por jogo.

Assista e leia também:

Mundial de Clubes da Fifa é adiado

Tite convoca seleção para estreia nas Eliminatórias da Copa de 2022; veja lista

“A perspectiva é fazer com que o público possa retornar aos estádios de forma segura. Temos um trabalho de casa a fazer. Se conseguirmos, até o fim do mês, complementar as exigências da equipe de vigilância em saúde da prefeitura, é bem provável que tenhamos a presença dos torcedores na partida entre Flamengo e Atlético Paranaense, no dia 4 de outubro”, afirmou Rubens Lopes, presidente da Federação de Futebol do RJ.

Segundo o prefeito Marcelo Crivella, o decreto autorizando o público no Maracanã será publicado no dia 1º de outubro, no Diário Oficial. A prefeitura adiantou que, apesar da liberação, determinará que as partidas aconteçam em horários alternativos, uma forma de tentar evitar a aglomeração nas praias.

“Faremos um apelo à CBF para que o Maracanã seja uma alternativa à praia. Hoje nós temos, talvez, o maior problema no Rio de Janeiro que são as aglomerações nas praias, com pessoas sem máscara. Se o jogo puder ser às onze da manhã, seria ótimo para a gente. Menos 20 mil pessoas nas praias do Rio”, disse o chefe do Executivo carioca.

O evento também contou com a presença do secretário nacional do Esporte, Marcelo Magalhães, do senador Romário e de autoridades de segurança e saúde. Entre os quatro clubes do Rio que disputam a elite do brasileiro, apenas a Flamengo enviou representante.