Presidente do COI diz que Olimpíada não pode ser "feira para manifestações"

A Regra 50 da Carta Olímpica proíbe qualquer forma de protesto político durante os Jogos

Da Reuters
25 de outubro de 2020 às 15:00
Presidente do COI, Thomas Bach
Foto: Denis Balibouse/Reuters

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, afirmou que os Jogos Olímpicos não são sobre política e que precisam se proteger para não se tornarem uma "feira de manifestações".

Com o pano de fundo do movimento Black Lives Matter que protesta contra a injustiça racial, a pressão aumentou para uma mudança na Regra 50 da Carta Olímpica, que proíbe qualquer forma de protesto político durante os Jogos.

Leia também:
Hamilton vence em Portugal e se torna o maior vencedor da história da Fórmula 1
Olimpíada de Tóquio exigirá testes de Covid-19 para atletas, mas não quarentena

No começo deste mês, o presidente da Federação Internacional de Atletismo, Sebastian Coe, afirmou que acredita que os atletas têm o direito de fazerem gestos de protesto político durante os Jogos, contrariando a política oficial do COI.

"Os Jogos Olímpicos são primariamente sobre esportes. Os atletas personificam valores de excelência, solidariedade e paz", escreveu Bach no jornal inglês The Guardian.

"Eles expressam a inclusão e o respeito mútuo também por serem politicamente neutros nas competições e durante as cerimônias. Em certos momentos, esse foco no esporte precisa ser reconciliado com a liberdade de expressão da qual todos os atletas também usufruem nos Jogos."

"O poder unificador dos Jogos só pode ser desenvolvido se todos mostrarem respeito e solidariedade uns com os outros. Caso contrário, os Jogos se tornarão uma feira de manifestações de todos os tipos, dividindo ao invés de unindo o mundo", afirmou.