Maradona uniu o povo, diz jornalista esportivo argentino

Segundo a agência Reuters, enterro será às 18h, em um cemitério particular onde os pais do jogador também estão enterrados

da CNN, em São Paulo
26 de novembro de 2020 às 17:00

O jornalista esportivo argentino Carlos Stroker cobriu por anos a carreira de Diego Maradona, ídolo do futebol argentino, que morreu na quarta-feira (25) aos 60 anos por insuficiência cardíaca aguda.

Em entrevista à CNN nesta quinta-feira (26), Stroker afirma que o jogador conseguiu unir o povo argentino.

"Hoje é um dia bem especial porque ele era o povo. Ele era uma das pessoas que quando nasceu não tinha nada, e conseguiu tudo", diz.

"Hoje aqui na Argentina está sendo comparado com a morte do general [Juan Domingo] Perón [ex-presidente do país], que morreu em 1974. O que aconteceu com o povo argentino naquele momento está acontecendo agora: todo mundo quer se despedir e participar do velório. Mas além de tudo isso, hoje a tristeza está em todo o povo argentino."

Assista e leia também:

Quem foi Diego Maradona? Relembre biografia do ídolo, dos títulos às polêmicas

Velório de Maradona tem confusão após fechamento de visitas para público

'Nunca nos deixamos levar por rivalidade', diz Zico sobre Maradona

Multidão se reúne em Buenos Aires para homenagear Diego Maradona (25.nov.2020)
Multidão se reúne em Buenos Aires para homenagear Diego Maradona (25.nov.2020)
Foto: CNN Brasil

O velório de Maradona começou às 6h. Logo na abertura, a polícia precisou controlar a multidão, que tentou derrubar as grades que serviam para organizar as filas na Praça de Maio.

Quem passa pelo caixão só pode permanecer por alguns segundos, mas muitos fazem questão de deixar camisas ou flores, além de cantarem emocionadas. 

Segundo a agência Reuters, o enterro será às 18h, em um cemitério particular onde os pais de Maradona também estão enterrados, na área metropolitana de Buenos Aires.

(Publicaod por Sinara Peixoto)