Maya Weug supera brasileiras e é 1ª mulher a ingressar na Academia da Ferrari

Nascida na Espanha, filha de mãe belga e pai holandês, Maya Weug faz história em seletiva e, aos 16 anos, ingressa na prestigiada Ferrari Driver Academy

Por George Ramsay, da CNN
24 de janeiro de 2021 às 01:53
Maya Weug
Foto: Ferrari/ Reprodução


A jovem Maya Weug fez história ao se tornar a primeira mulher a ingressar na prestigiada Ferrari Driver Academy.

Weug, de 16 anos, foi selecionado na fase final da iniciativa "Girls on Track - Rising Stars", um programa executado em conjunto pela Ferrari e o órgão regulador do automobilismo, a FIA.

O acampamento de avaliação aconteceu na sede da Ferrari em Maranello, Itália, e viu Weug vencer a competição contra a francesa Doriane Pin de 17 anos, e duas brasileiras: Antonella Bassani de 14 anos e Julia Ayoub de 15 anos.

 

Significa que Weug, que começou no kart aos sete anos, ganha um lugar na Academia que visa preparar jovens pilotos talentosos para uma carreira potencial no automobilismo.

Quatro dos alunos já progrediram da Academia para a Fórmula 1, incluindo o atual piloto da Ferrari, Charles Leclerc.

"Nunca esquecerei este dia! Estou muito feliz por ser a primeira mulher a ingressar na Ferrari Driver Academy", disse Weug, que nasceu na Espanha, filha de mãe belga e pai holandês.

"Vencer a fase final do programa FIA Girls on Track - Rising Stars me fez perceber que estava certa em perseguir meu sonho de me tornar uma pilota de corrida".

"Vou dar tudo de mim para mostrar às pessoas que acreditaram em mim que mereço usar o uniforme da Ferrari Driver Academy e mal posso esperar para vir a Maranello para começar a me preparar para minha primeira temporada de corridas monolugares."

Weug em breve retornará a Maranello para passar por um programa de treinamento que inclui competir no Campeonato de F4 no final desta temporada.

"Esse é um momento importante na carreira de Maya Weug, e eu estendo meus mais calorosos parabéns a todas as quatro pilotas que chegaram a esta seleção final", disse o presidente da FIA, Jean Todt.


"O programa FIA Girls on Track - Rising Stars é a chave do nosso compromisso em apoiar a diversidade de gênero em nosso esporte."

Apenas duas mulheres, Maria Teresa de Filippis em 1958 e Lella Lombardi em 1975, já correram em um Grande Prêmio de F1 e apenas seis participaram de um fim de semana de corrida.