Jogadores do City recebem mensagens racistas após derrota na Liga dos Campeões

Raheem Sterling e Kyle Walker foram alvo de ofensas no Intagram depois do jogo contra o Chelsea; rede social diz que agiu rapidamente para remover conteúdo

Ben Church, da CNN
30 de maio de 2021 às 13:12 | Atualizado 30 de maio de 2021 às 13:16
Raheem Sterling (E) e Kyle Walker disputam bola em treino do Manchester City
Raheem Sterling (E) e Kyle Walker disputam bola em treino do City; ambos receberam mensagens racistas após derrota na Liga dos Campeões
Foto: Alex Livesey - 28.mai.2021/Danehouse/Getty Images

As estrelas do Manchester City, Raheem Sterling e Kyle Walker, receberam mensagens racistas no Instagram depois da derrota da equipe por 1 a 0 para o Chelsea na final da Liga dos Campeões, no sábado (29).

O Facebook, dono do Instagram, disse que as ofensas enviadas aos jogadores foram "abomináveis" e disse que agiu rapidamente para remover uma série de comentários e contas por violar suas regras.

"Continuamos a revisar e tomar medidas contra aqueles que violam nossas políticas", disse um porta-voz do Facebook. "Construímos recursos de segurança, incluindo filtros de comentário e controles de mensagem, que podem diminuir significativamente a experiência de abuso pelas pessoas”, afirmou.

"Nada resolverá esse desafio da noite para o dia, mas estamos empenhados em fazer o que pudermos para manter nossa comunidade protegida de abusos."

O Manchester City respondeu aos questionamentos da CNN sobre o caso e nenhum dos jogadores falou publicamente sobre as ofensas.

Este é o mais recente caso do tipo depois que vários jogadores foram alvo de ofensas racistas nas redes sociais este ano, incluindo os próprios Walker e Sterling, em várias ocasiões.

Recentemente, o atacante do Manchester United Marcus Rashford disse ter recebido "pelo menos 70 insultos raciais" nas redes sociais após a derrota de sua equipe na final da Liga Europa para o Villarreal, na quarta-feira (26).

A Premier League, em uníssono com o resto do futebol inglês, realizou um boicote nas redes sociais de 30 de abril a 3 de maio para chamar a atenção para o abuso racial dirigido a jogadores.

Figuras importantes como Thierry Henry pediram que sejam tomadas mais atitudes para resolver essa questão.

(Texto traduzido; leia o original em inglês)