Especialistas em vírus pedem redução do tamanho da Olimpíada de Tóquio

Organizadores discutem a presença de espectadores nas competições; maioria do público é contra

Antoni Slodkowski, Linda Sieg e David Dolan, da Reuters, em Tóquio
18 de junho de 2021 às 09:06 | Atualizado 18 de junho de 2021 às 09:55
Logo da Olimpíada Tóquio 2020
Logo da Olimpíada Tóquio 2020
Foto: ´Issei Kato/Reuters

Um relatório sobre como manter as Olimpíadas seguras elaborado por especialistas em coronavírus disse que era importante reduzir o tamanho das Olimpíadas de Tóquio 2020 o máximo possível.

O relatório, divulgado na sexta-feira (18), também conclama o governo japonês a acelerar as medidas caso detecte sinais de aumento em novos casos.

Espectadores

Especialistas médicos japoneses alertaram que realizar as Olimpíadas durante a pandemia da Covid-19 pode aumentar as infecções e disseram que banir os espectadores é a opção menos arriscada, preparando o terreno para um possível confronto com os organizadores.

Liderados pelo conselheiro de saúde Shigeru Omi, emitiram seu alerta depois que o chefe do comitê organizador de Tóquio 2020 disse ao jornal Sankei que ela queria permitir que até 10.000 espectadores entrassem nos estádios dos Jogos, que começam em 23 de julho.

O Japão persiste nos Jogos multimilionários, adiados no ano passado enquanto o coronavírus se espalhava pelo mundo, apesar da oposição do público, preocupado com outro aumento nas infecções.

Os organizadores baniram os espectadores do exterior, mas ainda não decidiram sobre espectadores domésticos.

O cancelamento dos Jogos – originalmente destinado a mostrar a recuperação do Japão de um terremoto devastador e crise nuclear há uma década – custaria caro para os organizadores, o governo de Tóquio, patrocinadores e seguradoras.

"Este evento é diferente dos eventos esportivos comuns em escala e interesse social e porque se sobrepõe às férias de verão", disseram os especialistas em seu relatório.

"Existe o risco de que o movimento de pessoas e as oportunidades de interação durante as Olimpíadas espalhem infecções e sobrecarreguem o sistema médico."

Eles disseram que realizar os Jogos sem espectadores era a opção "menos arriscada" e desejável.

A decisão final será tomada em uma reunião na segunda-feira (21) entre os organizadores, incluindo Tóquio 2020 e o Comitê Olímpico Internacional, e representantes dos governos nacional e de Tóquio.

A diretora da Tokyo 2020, Seiko Hashimoto, disse ao jornal Sankei em uma entrevista publicada na quinta-feira que ela queria que os Jogos tivessem espectadores e que iria para a reunião com isso em mente.

O conselho de Omi informaria as conversas com o COI e outros, disse ela.

Em um sinal de que os preparativos estão avançando, atletas de Uganda deveriam chegar no sábado, noticiou a Kyodo.

'Não é normal'

O governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga decidiu na quinta-feira (17) encerrar as restrições de emergência ao coronavírus em nove prefeituras, incluindo Tóquio, mantendo algumas restrições "quase emergenciais".

Enquanto Omi disse que nenhum espectador era a opção mais desejável, seus especialistas sugeriram a possibilidade de que os eventos pudessem ter até 10.000 torcedores, mas apenas em áreas onde as medidas "quase emergenciais", como redução do horário do restaurante, foram suspensas.

Tóquio está programada para ficar sob tais restrições até 11 de julho. O atual estado de emergência, o terceiro desde abril do ano passado, expira em 20 de junho.

O levantamento das emergências anteriores foi seguido pelo aumento de infecções e tensões nos hospitais.

Os organizadores devem estar preparados para agir rapidamente para banir os espectadores ou declarar outro estado de emergência, se necessário, disseram os especialistas. Se os espectadores forem permitidos, as regras devem ser rígidas, como limitar os fãs aos residentes locais, disseram os especialistas.

Omi, ex-funcionário da Organização Mundial da Saúde, tem se tornado cada vez mais franco sobre os riscos do evento. Ele disse ao parlamento neste mês que "não é normal" realizar os Jogos durante uma pandemia.

Outros especialistas em saúde e organizações médicas japonesas têm sido muito mais expressivos, pedindo o cancelamento imediato dos Jogos.

Público em questão

O público continua preocupado. Cerca de 41% das pessoas querem que os Jogos sejam cancelados, de acordo com uma pesquisa de notícias Jiji divulgada na sexta-feira. Se os Jogos forem adiante, 64% do público os quer sem espectadores, apurou a pesquisa.

Um dos signatários das recomendações de Omi, o professor da Universidade de Kyoto Hiroshi Nishiura, disse acreditar que seria melhor cancelar os Jogos, mas a decisão cabia ao governo e aos organizadores.

"Se a situação epidêmica se agravar, não se deve discutir nenhum espectador e o cancelamento dos Jogos no meio (do evento)", disse ele à Reuters.

O Japão não experimentou os surtos explosivos de Covid-19 vistos em outros lugares, mas uma onda recente e uma implementação de vacinação inicialmente lenta gerou preocupações sobre tensões no sistema médico.

O país registrou mais de 776.000 casos e mais de 14.200 mortes, enquanto apenas 15% de sua população teve pelo menos uma vacinação Covid-19.