Sem Yasmin Brunet, Gabriel Medina desembarca em Tóquio para a Olimpíada

Com malas e pranchas, o atleta chegou ao aeroporto de Haneda, na capital japonesa, nesta segunda-feira (19); as competições de surfe começam no dia 25

Rafaela Lara, da CNN, em São Paulo
19 de julho de 2021 às 14:11 | Atualizado 19 de julho de 2021 às 20:35

 

Após tentar ir a Tóquio acompanhado da mulher Yasmin Brunet, o surfista brasileiro Gabriel Medina chegou a cidade sede dos Jogos Olímpicos nesta segunda-feira (19). O perfil oficial do Time Brasil postou um vídeo do atleta deixando o aeroporto de Haneda, na capital japonesa, com malas e pranchas. 

O surfista bicampeão mundial também anunciou sua chegada a Tóquio nas redes sociais postando uma foto do aeroporto. No Instagram, a modelo Yasmin Brunet se despediu do marido e afirmou que viu "de perto a preparação com todo o esforço e dedicação do mundo". "Traz o ouro", escreveu. 

Medina chega sozinho ao Japão após tentar levar Yasmin, além de seu técnico, para a Olimpíada, mas conseguir permissão do Comitê Olímpico Brasileiro (COB). 

À CNN, antes de embarcar rumo ao Japão, Medina fez críticas ao COB e afirmou que o comitê dificultava a ida de Yasmin como sua acompanhante. 

"Questionei também se posso levar a Yasmin, porque ela tem viajado comigo. Aí eles (COB) falaram que ela não tem nada a ver com o surfe, que ela não poderia ajudar a delegação. Mas e o marido da Tati (Tatiana Weston-Webb)? Ele surfa, participou do circuito mundial. Estou só questionando por que eu não posso levar?", disse à CNN

 O marido da atleta Tatiana Weston-Webb faz parte da delegação e atua como treinador da surfista. O surfe estreia como modalidade na Olimpíada de Tóquio. Além de Medina, uma das principais apostas do Brasil, os atletas Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb e Ítalo Ferreira também disputarão medalhas. Os competições de surfe começam no dia 25.

Procurado pela reportagem, o Comitê Olímpico do Brasil informou que no mês passado realizou a substituição e credenciou Andy King para atuar como treinador do atleta Gabriel Medina na Olimpíada de Tóquio. Ainda segundo a entidade, de acordo com o regulamento dos Jogos Olímpicos, somente um profissional que esteja credenciado na lista pode substituir outro.

Além disso, há uma limitação de credenciais para as delegações e a política do COB é de que os oficiais tenham funções estritamente técnicas. Em virtude desta limitação, cada surfista da equipe brasileira terá o acompanhamento de apenas um profissional da área técnica com experiência comprovada.

Gabriel Medina durante semifinal da Jeep Surf Ranch Pro, na Califórnia, em 2020
Foto: Pat Nolan/World Surf League via Getty Images