Associação de Tênis Feminino suspende torneios na China após caso de Peng Shuai

Tenista chinesa desapareceu dos olhos do público desde que acusou o ex-vice-primeiro-ministro Zhang Gaoli, 75 anos, de abuso sexual

Tenista chinesa Peng Shuai durante partida no Aberto da Austrália
Tenista chinesa Peng Shuai durante partida no Aberto da Austrália Reuters

Frank Pingueda Reuters

Ouvir notícia

A Associação de Tênis Feminino (WTA) afirmou, nesta quarta-feira (1), que decidiu suspender os torneios na China devido a preocupações com a segurança da ex-número um do mundo – na categoria de duplas – Peng Shuai.

“Não vejo como posso pedir aos nossos atletas para competir lá, quando Peng Shuai não tem permissão para se comunicar livremente e aparentemente foi pressionada a contradizer sua alegação de agressão sexual”, disse o presidente-executivo da WTA, Steve Simon, em um comunicado.

“Dada a atual situação, também estou muito preocupado com os riscos que todos os nossos jogadores e equipe poderiam enfrentar se realizássemos eventos na China em 2022”, acrescentou.

O caso

Peng Shuai, 35 anos, duas vezes campeã dupla do Grand Slam, desapareceu dos olhos do público desde que acusou o ex-vice-primeiro-ministro Zhang Gaoli, 75 anos, de coagi-la a fazer sexo em sua casa. A denúncia foi feita em um post nas redes sociais, já apagado, em 2 de novembro.

Desde então, os censores chineses têm apagado diligentemente seu nome e as mais vagas referências a suas alegações.

A tenista chinesa fez, no último domingo (21), uma vídeo chamada com o presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach, e disse que estava bem e segura.

Peng Shuai recebeu apoio de várias personalidades do tênis, como a superestrela Naomi Osaka, que expressou preocupação com Peng Shuai, que não tem sido vista em público desde que acusou um ex-líder do governo chinês de agressão sexual.

A americana Serena Williams se disse “devastada” com as informações sobre tenista chinesa. “Eu espero que ela esteja em segurança e que seja encontrada o mais rápido possível”, disse Serena em sua conta no Twitter.

Mais Recentes da CNN