Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Conheça o campeão da Premier League que mora com os pais e ajuda a lavar a louça

    Para o zagueiro do Liverpol Trent Alexander-Arnold, de 23 anos, viver com a família é fundamental para permanecer equilibrado

    Trent Alexander-Arnold é zagueiro do Liverpool
    Trent Alexander-Arnold é zagueiro do Liverpool Chris Brunskill/Fantasista/Getty Images

    Darren LewisBen Morseda CNN

    Ouvir notícia

    Premier League, Champions League, FA Cup, League Cup, UEFA Super Cup e FIFA Club World Cup – ele ganhou todas. Aos 23 anos, Trent Alexander-Arnold já é um sucesso absoluto.

    O zagueiro do Liverpool e da Inglaterra se tornou um dos laterais-direitos de elite da Europa, exibindo atletismo e habilidades de jogo que são raras de encontrar em sua posição.

    No entanto, fora de campo, a base de Alexander-Arnold provou ser fundamental para ele permanecer equilibrado, apesar de ser uma peça vital em um dos melhores times de futebol do mundo.

    Enquanto muitos em sua posição podem estar gastando sua riqueza recém-descoberta em carros, mansões ou entretenimento, o foco de Alexander-Arnold está muito mais próximo de casa.

    Ele pode ser um ícone local para o maior time de Liverpool, mas ainda mora com seus pais, lavando a louça e aprendendo hábitos que ajudam a manter sua vida “limpa e saudável”.

    Ficar em um lugar onde tudo é estável o ajudou a alcançar as alturas a que ele chegou, explica Alexander-Arnold.

    “Sempre acho que os jovens jogadores apressam as coisas”, disse ele ao analista esportivo sênior da CNN Darren Lewis. “Você começa a receber algum dinheiro e eles sempre pensam que a primeira coisa é se mudar, comprar um carro novo, coisas assim”.

    “E então o ambiente não é mais o mesmo. No meu caso, estou morando em casa. Tenho meus pais para me manter na linha e garantir que as coisas estejam limpas e arrumadas, os pratos não estão empilhados e tenho um lar de um ambiente agradável e limpo e coisas assim”, avalia o jogador.

    “Já quando você mora sozinho, pra cosias como café da manhã e jantar, você só pensa: ‘Farei isso depois’. E então você chega do treino e não está em um ambiente limpo e agradável. Então, nunca tive pressa de sair de casa. Sempre tive as mensagens certas”.

    “Sempre gostei de ter a família ao meu redor. E eles mantiveram meus pés no chão e me empurraram para os níveis que cheguei até agora. Portanto, não acho que haja pressa em fazer uma decisão”.

    Fãs

    Desde que se lembra, Alexander-Arnold é torcedor do Liverpool.

    De morar a apenas cinco minutos do campo de treinamento do time – ele se lembra de pedir à mãe para levar ele e seus irmãos para vislumbrar seus “ídolos” pelas rachaduras nas paredes em seus dias de folga da escola – para observá-los nos fins de semana, ele se apaixonou pelo clube desde jovem.

    Em comemoração à dramática vitória do Liverpool na Liga dos Campeões em 2005, Alexander-Arnold foi um dos milhares que tomaram as ruas da cidade para receber seus heróis no desfile de ônibus aberto.

    Embora ele fosse um grande fã, sua própria introdução no clube foi por pura sorte. “Foi como um acampamento de meio período e o convite foi enviado para a minha escola e foi como: ‘Então, quem quer ir?'”, disse ele.

    “E como você pode imaginar, todos na sala de aula levantaram a mão. Tiveram que tirar nomes de um chapéu, e felizmente meu nome foi escolhido. Eu fui junto com alguns colegas e depois – eu não sei quanto tempo durou – acho que uns 10, 15 minutos, um olheiro foi até minha mãe e disse: ‘Queremos que você comece a trazê-lo aqui, se pudee'”.

    E como ele explica: “O resto é história”.

    Desde sua estreia na equipe principal em 2016, Alexander-Arnold se tornou um dos zagueiros mais dinâmicos do mundo, aterrorizando as defesas com seus cruzamentos precisos e passes precisos.

    Sua transformação para lateral-direito – atacante, físico e bom com a bola – foi uma das principais razões por trás da vitória do Liverpool na Premier League em 2020, a primeira do clube em 30 anos.

    Em suas 161 aparições na Premier League, ele marcou 10 gols, deu 45 assistências e tem um histórico notável de vencer 114 jogos e perder apenas 19 vezes.

    Mas, apesar desse recorde, tal tem sido o brilho do Manchester City sob Pep Guardiola, que a vitória Alexander-Arnold e a conquista do troféu do Liverpool foram frustradas.

    Sim, eles ganharam muito durante seu tempo no time principal, mas foram derrotados por pouco ao título da Premier League quatro vezes nos últimos cinco anos – duas por apenas um ponto.

    A batalha entre os dois gigantes ingleses tornou-se obrigatória na TV ao longo de uma temporada, com Alexander-Arnold admitindo que jogar com o Manchester City é a “maior partida da temporada” do Liverpool, apesar de tradicionalmente ter rivalidades mais intensas com o Manchester City e Manchester United.

    “Acho que, historicamente, sempre haverá essa tensão e as rivalidades com o City e com o United”, ele disse.

    “Não importa onde um time termine na liga, sempre há jogos muito disputados e os dois torcedores realmente querem vencer. Mas acho que por razões diferentes, agora, o City é o maior adversário da temporada, o melhor time da Inglaterra, um dos, senão o melhor time do mundo também”.

    “E, é claro, eles são o time que define o ritmo, estabelece a referência para o resto da liga. Quatro ligas em cinco anos é algo que poucas equipes podem dizer que fizeram. Olhe além deles e procure qualquer outro lugar como motivação. Nossa motivação é que se ficarmos no nível do City e nos arredores, nos últimos quatro ou cinco anos, você estará em um bom lugar”.

    Trent Alexander-Arnold
    Em suas 161 aparições na Premier League, Trent Alexander-Arnold marcou 10 gols e deu 45 assistências / Harriet Lander/Copa/Getty Images,

    Final de temporada

    Embora o ano passado tenha sido outra temporada de sucesso para o Liverpool, e para Alexander-Arnold, – com medalhas de vencedores da FA Cup e da Copa da Liga adicionadas ao armário de troféus -, ele terminou com uma nota amarga.

    No final da temporada – a final da Liga dos Campeões em Paris, que o Liverpool perdeu por 1 x 0 – o caos envolvendo os torcedores do Liverpool fora do estádio prejudicou a ocasião.

    O jogo foi adiado em 35 minutos, enquanto os torcedores do time lutavam para entrar no Stade de France, com a polícia francesa usando gás lacrimogêneo em torcedores mantidos em áreas apertadas.

    Após a partida, apesar do relato do clube sobre os eventos e detalhes dos torcedores, os torcedores dos Reds foram responsabilizados em parte pela interrupção, com o ministro do Interior francês, Gerald Darmanin, dizendo “que os distúrbios causados ​​estavam relacionados a um fluxo maciço de espectadores e um grande número de bilhetes falsos.”

    No entanto, um relatório do Senado francês isentou os torcedores do Liverpool de qualquer responsabilidade em julho, culpando a tomada de decisões das autoridades francesas.

    O senador Laurent Lafon, presidente da Comissão de Cultura, Educação e Comunicação, coautor do relatório, atribuiu as cenas violentas da final a “uma série de disfunções que ocorreram em um quadro administrativo e decisório bastante vago”.

    A polícia e os comissários foram vistos enquanto os torcedores do Liverpool faziam fila do lado de fora do estádio antes da partida final da Liga dos Campeões da UEFA entre Liverpool e Real Madrid no Stade de France em 28 de maio em Paris.

    E para Alexander-Arnold e o resto de seus companheiros de equipe, ele admite que toda a situação era “estranha”.

    “As mensagens que foram transmitidas pelo estádio foram as chegadas tardias dos torcedores e coisas assim… e você acredita no que ouve e vê nessas situações”, disse ele.

    “Depois do jogo, obviamente, descobrimos a verdade e o que aconteceu, o que aconteceu. Mas acho que a maneira como os fãs lidaram com isso – quando aconteceu, durante o jogo e após o jogo e nos meses seguintes – foi excelente.

    “É algo de que nós, como jogadores e como clube, estamos muito orgulhosos, a maneira como eles garantiram que a verdade fosse revelada. Eles garantiram que os torcedores não fossem apenas culpados por coisas que eles feito”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original

    Mais Recentes da CNN