Hamilton espera corridas mais difíceis com vantagem maior de Verstappen

Com a vitória neste domingo (24), holandês abriu 12 pontos em relação ao britânico na briga pelo título

Lewis Hamilton está em busca de seu oitavo título
Lewis Hamilton está em busca de seu oitavo título Foto: Bryn Lennon/Reuters

Da Reuters

Ouvir notícia

As esperanças de Lewis Hamilton de um oitavo título de Fórmula 1 foram prejudicadas no Grande Prêmio dos Estados Unidos neste domingo (24), e o piloto da Mercedes se prepara para dias mais difíceis pela frente.

Uma oitava vitória nesta temporada para Max Verstappen, da Red Bull, colocou o piloto holandês com 12 pontos de vantagem sobre seu rival britânico, com cinco corridas restantes e o momento a seu favor.

Hamilton havia vencido cinco das oito últimas corridas no Circuito das Américas de Austin e a vitória de ontem foi a primeira de Verstappen na América do Norte.

E a Red Bull tem bom histórico nos dois próximos GPs, na Cidade do México e em Interlagos.

Verstappen venceu o México em 2017 e 2018 e o Brasil em 2019, enquanto Hamilton triunfou duas vezes cada. Nenhuma delas foi realizada no ano passado devido à pandemia.

“Não sei o que poderíamos ter feito de forma diferente”, disse Hamilton depois de assumir a liderança da prova de domingo, antes de perder o lugar para uma estratégia mais agressiva da Red Bull.

“Acho que a equipe fez um ótimo trabalho hoje e foi o que fizemos. Vamos para as próximas duas pistas, que são circuitos muito fortes para a Red Bull. Portanto, com certeza vai ser difícil.”

Questionado sobre o quão preocupado ele estava com a diferença de pontos, Hamilton disse que só tinha que estar feliz com o trabalho que fez no domingo e viver o momento.

O britânico, que começou o dia seis pontos atrás, ganhou um ponto bônus pela volta mais rápida para limitar os danos.

“Infelizmente não fomos rápidos o suficiente para vencer a corrida de hoje, mas olhamos em frente e corremos uma corrida de cada vez”, acrescentou.

As três últimas corridas da temporada são no Qatar, Arábia Saudita e Abu Dhabi.

Mais Recentes da CNN