Hamilton ganha elogios por defender direitos LGBTQIA+ durante prêmio do Catar

No país, a homossexualidade é ilegal e punida com uma multa ou uma sentença de prisão, e as pessoas trans não podem mudar legalmente o gênero

Divulgação/Twitter

Jeevan Ravindranda CNN

Ouvir notícia

O piloto de Fórmula 1, Lewis Hamilton tem sido amplamente elogiado depois de mostrar seu apoio à comunidade LGBTQIA+  durante uma sessão de treino na sexta-feira (19) para o Grande Prêmio do Catar.

Hamilton usava um capacete com a Pride Progress Flag, uma versão redesenhada e mais inclusiva da tradicional bandeira arco-íris, e estampada com as palavras “We Stand Together.”

A bandeira apresenta listras pretas e marrons adicionais para destacar a descriminação contra pessoas negras, bem como listras rosa e azul para representar a bandeira de pessoas pessoas transgêneros e um círculo roxo em um fundo amarelo, que é a bandeira intersexual.

Embora a Pride Progress Flag tenha sido inicialmente projetada pelo artista americano Daniel Quasar em 2018, foi o ativista intersexual e colunista britânico Valentino Vecchietti que finalizou a versão vista no capacete de Hamilton, que inclui a bandeira intersexual.

“Isso significa tudo”, disse Vecchietti à CNN. “Não consigo expressar o que Lewis Hamilton fez de incrível, massivo. E eu me sinto emocional falando sobre isso, porque estamos tão escondidos e estigmatizados como uma população.”

De acordo com a campanha das Nações Unidas Livre e Igual, até 1,7% da população global é intersexual, ou não tem características sexuais que se conformam com “noções binárias típicas de homens e mulheres.”

Destacando o apagamento de pessoas intersexuais, tanto dentro do movimento LGBTQIA+ e na sociedade como um todo, Vecchietti disse que o gesto de Hamilton também aumentaria a conscientização sobre a difamação de atletas intersexuais como Caster Semenya e Dutee Chand no esporte.

“Temos de nos lembrar que os jovens com variações intersexuais que crescem na escola veem toda esta mídia”, disse ela. “Como uma pessoa intersexual, na escola, eu cresci com tanto estigma e vergonha e sentimento que eu tinha que mantê-lo escondido … Lewis Hamilton fez algo incrível. Ele me deu uma plataforma para começar essas conversas em uma escala muito maior.”

Vecchietti, a fundadora da Intersex Equality Rights UK, projetou a bandeira com o apoio da Stonewall e do Consórcio LGBT, e seu projeto rapidamente se tornou viral depois que foi compartilhado nas mídias sociais em maio.

A decisão de Hamilton de usar a bandeira em seu capacete também vem no final da Trans Awareness Week, enquanto sábado marca o Dia Internacional da Memória dos Transgêneros. Racing Pride, que visa promover a inclusão LGBTQIA+ no automobilismo, também elogiou Hamilton, chamando o capacete de “um gesto magnífico e poderoso de solidariedade.”

O Grande Prêmio do Catar está sob atenção devido ao histórico de direitos humanos do país, particularmente em relação aos indivíduos LGBTI. A homossexualidade é ilegal e punida com uma multa ou uma sentença de prisão, e as pessoas trans não podem mudar legalmente o gênero.

De acordo com um relatório sobre a homofobia patrocinada pelo Estado por Lucas Ramón Mendos do grupo de direitos humanos ILGA World, o Catar “administra tribunais da Sharia, onde tecnicamente é possível que homens muçulmanos possam ser mortos por comportamentos sexuais entre pessoas do mesmo sexo.”

No entanto, o relatório acrescenta: “Não parece que qualquer pessoa tenha sido executada por esta razão ou em tudo.”

Em uma entrevista com Amanda Davies da CNN em 2017, Nasser Al Khater, o executivo-chefe do comitê organizador da Copa do Mundo de 2022 do Qatar, disse: “Nós não estamos colocando qualquer restrição sobre qualquer nacionalidade ou ninguém com relação a seu gênero, raça, orientação, religião para participar desta Copa do Mundo.”

De acordo com a Reuters, Hamilton disse a repórteres no Qatar na quinta-feira que “parece ser considerado como um dos piores nesta parte do mundo” por violações de direitos humanos, e disse que os esportes eram “obrigados a aumentar a conscientização para essas questões.”

O desportista anteriormente falou em apoio dos direitos LGBTI na Hungria antes do Grande Prêmio da Hungria em agosto. Ele é esperado para usar seu capacete Pride para a competição real no Grande Prêmio do Catar, que acontecerá em 21 de novembro.

Para Vecchietti, isso é monumental em termos de representação para a comunidade intersexual.
“Eu desejava e esperava por esse tipo de visibilidade, como você sempre faz”, disse ela. “Mas não fazia ideia que alguém tão grande como o Lewis Hamilton faria esta fantástica declaração de solidariedade.”

 

(*Esse texto foi traduzido. Clique aqui para ler original em inglês)

Mais Recentes da CNN