Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Jogadores da seleção argentina deixam o Brasil após prestarem depoimento

    Partida contra o Brasil foi suspensa após jogadores serem acusados de não terem cumprido quarentena

    Jogadores da seleção da Argentina embarcaram rumo ao país após prestarem declaração
    Jogadores da seleção da Argentina embarcaram rumo ao país após prestarem declaração Reprodução/Twitter da Seleção da Argentina

    Da CNN

    em São Paulo

    Ouvir notícia

    Os jogadores da seleção argentina deixaram o Brasil após prestarem depoimento para a Polícia Federal (PF) na noite deste domingo (5), segundo informações da analista de política da CNN Basília Rodrigues. A seleção argentina postou em suas redes sociais uma foto dos atletas dentro do avião.

    A delegação argentina foi notificada para deixar o país pela PF após quatro jogadores do elenco terem entrado no Brasil sem cumprirem a quarentena obrigatória de 14 dias para estrangeiros que tiveram passagem pelo Reino Unido, como medida de prevenção durante a pandemia do novo coronavírus. Emiliano Martinez, Emiliano Buendia, Giovani Lo Celso e Cristian Romero jogam em equipes do Campeonato inglês. 

    A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) afirmou em nota que se reuniu com representantes da equipe argentina e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no sábado para orientar que os atletas ficassem em quarentena no hotel em que estavam concentrados. Mesmo Assim, todos foram para a Arena Corinthians, em São Paulo, disputar a partida, sendo que três deles começaram como titulares.

    Com a bola já rolando, membros da Anvisa, acompanhados de agentes da Polícia Federal, entraram em campo para informar a proibição, o que motivou a suspensão da partida pelo árbitro.

    Em entrevista para a CNN logo depois do caso, o diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres, afirmou que a permanência de quatro jogadores argentinos no Brasil representava um descumprimento das regras sanitárias do Brasil e eles corriam o risco de serem deportados.

    (Publicado por Evandro Furoni)

    Mais Recentes da CNN