Magnata suíço considera oferta para comprar o Chelsea do russo Abramovich

No contexto da guerra na Ucrânia e sanções econômicas do Ocidente, bilionário está tentando vender seu clube inglês campeão mundial "rapidamente", segundo potencial comprador

Chelsea levou a Liga dos Campeões pela segunda vez em sua história.
Chelsea levou a Liga dos Campeões pela segunda vez em sua história. Foto: Pierre-Philippe Marcou/Gettyimages

Michael ShieldsSimon Evansda Reuters

em Zurique

Ouvir notícia

O magnata suíço Hansjoerg Wyss está considerando comprar o clube campeão mundial Chelsea do bilionário russo Roman Abramovich, disse Wyss ao jornal suíço Blick.

“Abramovich está atualmente tentando vender todas as suas propriedades na Inglaterra. Ele também quer se livrar do Chelsea rapidamente agora”, disse Wyss, de acordo com o Blick, em uma entrevista publicada nesta quarta-feira (2). O bilionário russo confirmou, horas depois nesta quarta, a decisão de vender o clube.

“Eu, junto com outras três pessoas, recebi uma oferta na terça-feira para comprar o Chelsea de Abramovich”, completou.

Empresário Roman Abramovich, proprietário do Chelsea, acompanha partida da equipe contra o Sunderland pelo Campeonato Inglês / 21/05/2017 Action Images via Reuters / John Sibley

Wyss disse que teria que esperar quatro ou cinco dias para ver como as coisas se desenrolavam.

“Abramovich está pedindo demais no momento. Você sabe: o Chelsea deve a ele 2 bilhões de libras esterlinas. Mas o Chelsea não tem dinheiro. Ou seja: quem comprar o Chelsea deverá compensar Abramovich”, disse Wyss ao jornal.

O bilionário russo usou o site do time para falar sobre a decisão de vender. “Não vou pedir nenhum empréstimo para ser reembolsado. Isso nunca foi sobre negócios ou dinheiro para mim, mas sobre pura paixão pelo jogo e pelo clube. Além disso, instruí minha equipe a criar uma fundação de caridade onde todos os lucros líquidos da venda serão doados”, afirmou o empresário, que declarou que a instituição vai ser voltada para as vítimas da invasão da Rússia à Ucrânia.

“A fundação será para o benefício de todas as vítimas da guerra na Ucrânia. Isso inclui fornecer fundos essenciais para as necessidades urgentes e imediatas das vítimas, bem como apoiar o trabalho de recuperação de longo prazo.

Abramovich, que nasceu na Rússia, fez o anúncio sábado (26) após ser impedido de ser dono do time da Premier League inglesa devido a seus laços com o regime do presidente russo, Vladimir Putin.

Abramovich disse que estava entregando o comando do Chelsea aos curadores da fundação de caridade do clube após pedidos serem feitos para que ele fosse submetido a sanções após a invasão da Ucrânia pela Rússia.

Desde então, vários indivíduos e entidades russas foram submetidos a sanções pelo governo do Reino Unido, e alguns legisladores da oposição britânica disseram que Abramovich deveria ser incluído nessa lista.

Um deles, Chris Bryant, disse que o Reino Unido deveria confiscar seus bens e impedi-lo de ser dono do clube de futebol.

A mudança para passar o controle diário do clube para os curadores da fundação, que inclui o presidente americano do clube, Bruce Buck, não mudou o status de Abramovich como proprietário do clube.

Wyss disse que o preço exato de venda de Abramovich ainda não está claro.

“Posso me imaginar juntando ao Chelsea com sócios. Mas primeiro tenho que verificar cuidadosamente as condições gerais. O que já posso dizer, porém, é que certamente não farei algo assim sozinho. Se eu comprar o Chelsea, será com um consórcio de seis ou sete investidores.”

Abramovich comprou o clube do oeste de Londres em 2003 e seu investimento ajudou a produzir a era de maior sucesso na história da equipe – conquistando cinco títulos da Premier League, cinco Copas da Inglaterra, a Liga dos Campeões duas vezes e, mais recentemente, o Mundial de Clubes da Fifa.

Mais Recentes da CNN