Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Plural

    Brasil busca recorde de medalhas no Mundial de Atletismo Paralímpico, diz vice-presidente de Comitê

    À CNN Rádio, Yohansson Nascimento, que é ex-atleta paralímpico, contou que competição tem a “maior delegação brasileira da história”

    Yohansson Nascimento foi medalhista de ouro nos 200 metros nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012
    Yohansson Nascimento foi medalhista de ouro nos 200 metros nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012 Reprodução/Instagram

    Amanda Garciada CNN

    O Mundial Paralímpico de Atletismo acontece até o dia 17 deste mês, em Paris, e o Brasil busca quebrar recorde de medalhas na competição.

    É o que conta o vice-presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro e ex-atleta paralímpico Yohansson Nascimento.

    À CNN Rádio, no CNN Plural, ele contou que esta é a maior delegação de atletas brasileiros da história.

    “O Brasil está com 54 atletas, que estão bem-posicionados no ranking”, disse.

    O recorde brasileiro no Mundial aconteceu em 2013, em Lyon, com 40 medalhas.

    “Estamos na expectativa de sair de Paris batendo esse número”, afirmou.

    Até o momento, o País tem uma medalha de ouro, duas de prata e cinco de bronze.

    Inclusão

    Yohansson foi medalhista de ouro nos 200 metros nos Jogos Paralímpicos de Londres, em 2012.

    “É o meu primeiro mundial como vice-presidente do Comitê, os seis últimos eu estava como atleta, tenho 11 medalhas em mundiais, está sendo diferente”, analisou.

    Segundo ele, o esporte tem o poder de incluir a pessoa com deficiência na sociedade.

    “Às vezes mães e pais não sabem como vai ser o futuro dessa criança, foi o meu caso, ter nascido sem as duas mãos, mas o esporte veio para me ajudar.”

    Ele defende que a “vida muda quando conhece o esporte paralímpico.”

    Apoio ao esporte paralímpico

    Yohansson explicou que a principal receita do esporte paralímpico e lei Agnelo/Riva – em que 1% de tudo que é arrecadado pelas loterias Caixa é destinado para o comitê.

    Além disso há patrocinadores privados, mas ele fez uma ressalva: “Com certeza podemos melhorar, estamos sempre em busca de investimentos, para ampliar projetos”.

    *Com produção de Bruna Sales