Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Esquiadora nascida nos EUA se torna grande esperança da China nas Olimpíadas

    Eileen Gu tem mãe chinesa e se tornou garota-propaganda em Pequim; sua decisão de competir pelo país asiático nos Jogos Olímpicos de Inverno gerou polêmica

    Eileen Gu tem 18 anos e nasceu nos EUA de mãe chinesa e pai americano. Competindo pela China, ela é a grande esperança do país asiático nos Jogos Olímpicos de Inverno
    Eileen Gu tem 18 anos e nasceu nos EUA de mãe chinesa e pai americano. Competindo pela China, ela é a grande esperança do país asiático nos Jogos Olímpicos de Inverno Foto: Harry How/Getty Images

    Jessie Yeungda CNN

    Nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim deste ano, o rosto dos sonhos esportivos da China é inegavelmente americano.

    A ascensão da esquiadora freestyle Eileen Gu ao topo foi meteórica — e sua popularidade na China explodiu no período que antecedeu os Jogos. “A princesa da neve Gu Ailing deve brilhar nas Olimpíadas”, dizia uma manchete na mídia estatal Xinhua, se referindo a Gu por seu nome chinês.

    Mas Gu, de 18 anos, tem outro lar: os Estados Unidos, onde nasceu de mãe chinesa e pai americano, e onde descobriu seu amor pelo esporte. Em 2015, apenas alguns meses depois de alcançar seu primeiro pódio na Copa do Mundo, a nativa de São Francisco anunciou que estava mudando para competir pela China em vez dos Estados Unidos — uma decisão controversa que a colocou firmemente no centro das atenções.

    “Esta foi uma decisão incrivelmente difícil para mim”, escreveu ela em um post no Instagram na época. “Sou orgulhosa da minha herança e igualmente orgulhosa da minha criação americana”.

    Entregador passa por uma propagando mostrando Eileen Gu em um ponto de ônibus em Pequim / Foto: Tingshu Wang/Reuters

    Desde então, ela se tornou um nome familiar na China. Desça a rua e você verá o rosto dela estampado em outdoors e capas de revistas. Vídeos promocionais antes das Olimpíadas mostram Gu fazendo truques no ar e correndo na Grande Muralha. Ela tem quase 2 milhões de seguidores na plataforma de mídia social chinesa Weibo, além de vários patrocinadores chineses, acordos de marca e equipes de documentários que seguem todos os seus movimentos.

    Mas por trás de seu sucesso está a forte pressão de ser chinesa e americana em um momento de intensas tensões geopolíticas; de representar a terra natal de sua mãe, um país sob fogo no Ocidente por supostos abusos de direitos humanos; e de tentar ser atleta e nada mais durante uma das Olimpíadas mais polêmicas da história recente.

    Ela não é a única a andar na corda bamba — as Olimpíadas de Pequim apresentam um número sem precedentes de atletas estrangeiros competindo pela China, muitos vindos da América do Norte. Entre eles, Gu se tornou uma garota-propaganda de uma China ambiciosa, ansiosa para mostrar que tem o poder de atrair talentos estrangeiros e moldar um novo tipo de atleta chinês no cenário mundial.

    Mas esses atletas — especialmente os de ascendência chinesa — enfrentam um equilíbrio impossível ao cruzar dois países e navegar pelas complexidades de uma identidade dupla aos olhos do público.

    Uma posição impossível

    Mais de uma dúzia de atletas que representam a China nas Olimpíadas são estrangeiros — e a maioria está no time masculino de hóquei, onde apenas seis dos 25 membros são nacionais.

    Trocar a cidadania pelo esporte é bastante comum internacionalmente — a China está atrasada para o jogo, disse Susan Brownell, especialista em esportes chineses da Universidade de Missouri – St. Louis. A mudança é especialmente incomum, uma vez que a China é altamente homogênea com algumas das regras de imigração mais rígidas do mundo. “A China nunca fez coisas assim antes”, acrescentou Brownell.

    Há muitos rostos caucasianos na mistura sem etnia chinesa ou ligação óbvia com o país, como os ex-jogadores da NHL Jake Chelios e Jeremy Smith. Mas são os atletas de ascendência chinesa que estão sob o maior escrutínio, como o jogador de hóquei canadense Brandon Yip e o patinadora de gelo americana Zhu Yi, anteriormente conhecida como Beverly Zhu.

    A decepcionante estreia olímpica de Zhu serviu para ilustrar as pressões únicas que esses atletas enfrentam. Depois que ela caiu no gelo e terminou em último no evento da equipe do programa curto feminino no domingo, as mídias sociais chinesas explodiram em desprezo e críticas dirigidos à patinadora de 19 anos.

    Gu e Zhu são imagens espelhadas de muitas maneiras – ambas nascidas na Califórnia, com apenas um ano de diferença – mas Gu encantou o público com seu mandarim fluente e familiaridade com a cultura chinesa, e recebeu pouco do ceticismo chinês que rondou Zhu.

    Gu avançou para as finais do Big Air em sua primeira competição de qualificação na segunda-feira, depois de ser apresentada pelo locutor como “favorita” e arrancar um rugido da multidão animada. Mas não está claro se essa adulação continuará se Gu não entregar as medalhas de ouro que ela deve ganhar.

    E a fama de Gu traz seus próprios desafios. A Fox News a rotulou de “criança ingrata da América”, um sentimento encontrado com frequência em suas postagens nas redes sociais, bem como em jogadores de hóquei como Chelios.

    “É bom ver que você leva todos os seus sucessos e realizações dos EUA para a China e não representa onde você nasceu e cresceu”, escreveu um comentarista em uma das postagens do Instagram de Gu na semana passada.

    Alguns a acusaram de colocar o lucro e o prestígio acima de se posicionar em questões de direitos humanos, com os críticos tendo como alvo particular os patrocínios de alto nível que ela conseguiu na China. Os EUA estão liderando um boicote diplomático aos Jogos, citando os supostos abusos dos direitos humanos contra os muçulmanos uigures na região ocidental de Xinjiang, na China – sobre os quais Gu permaneceu calada.

    Por tudo isso, Gu tentou trilhar um caminho do meio. Ela cria conteúdo de mídia social em inglês e chinês, publica fotos de Xangai e Califórnia, faz piadas para o público americano no TikTok enquanto estrela documentários em chinês no continente.

    “Quando estou na China, sou chinesa. Quando estou nos EUA, sou americana”, disse Gu ao Olympic Channel nos Jogos Olímpicos de Inverno da Juventude de Lausanne 2020.

    Na semana passada, ela fez alusão a essa dupla identidade em uma legenda no Instagram. “Tendo sido apresentada ao esporte crescendo nos EUA, eu queria encorajar os esquiadores chineses da mesma forma que meus modelos americanos me inspiraram”, escreveu ela.

    Mas por mais que ela queira expressar ambas as partes de sua herança e ficar longe da política, parece que o mundo não vai deixar. E a adoção de Gu pela China também reflete sua visão intransigente da nacionalidade, que se tornou mais insular e contundente sob o presidente chinês Xi Jinping: ou você é chinês ou não é.

    O debate sobre a cidadania

    O que paira sobre Gu — e muitos dos atletas estrangeiros — é a questão da cidadania.

    A China não permite a dupla cidadania, com o governo reprimindo nos últimos anos e incentivando o público a denunciar pessoas com dois passaportes secretamente. Há muito poucas exceções à proibição, e é altamente improvável que qualquer uma dessas circunstâncias excepcionais se aplique aos atletas em questão, disse Donald Clarke, professor da Faculdade de Direito da Universidade George Washington especializado em direito chinês.

    “A única maneira de os jogadores de hóquei se tornarem cidadãos chineses é se naturalizarem e, sob a lei de nacionalidade da China, eles precisam renunciar à cidadania estrangeira”, disse Clarke à CNN. O mesmo vale para Gu.

    Eileen Gu depois de ficar em primeiro lugar na competição de Esqui Livre Halfpipe no Grand Prix dos EUA em 8 de janeiro de 22, na California / Foto: Sean M. Haffey/Getty Images

    Mas não está claro se isso foi aplicado. Gu nunca compartilhou publicamente se renunciou à cidadania americana para competir pela China, e a especulação cresceu depois que ela se inscreveu no Programa de Bolsas Presidenciais dos EUA em 2021, aberto apenas a cidadãos ou residentes permanentes dos EUA. O site oficial das Olimpíadas pareceu confirmar seu status em um artigo de janeiro que se referia à “dupla nacionalidade” de Gu.

    Tanto Clarke quanto Brownell disseram que o cenário mais provável é que a China tenha dobrado suas próprias regras para permitir que atletas nascidos no exterior mantenham dois passaportes, na esperança de aumentar sua contagem de medalhas olímpicas – há muito elogiada pelo governo chinês como um sinal de força nacional.

    Essa estratégia pode “uma tentativa de liderança chinesa, que julgará a reação do público antes de decidir maior se deve fazer uma tentativa de prática em escala e permitir a cidadania aos atletas”, disse Brownell.

    As autoridades chinesas evitaram cuidadosamente a questão da nacionalidade de Gu, enfatizando sua herança chinesa. Ela é o que o governo costuma chamar de “chinês estrangeiro” – estrangeiros de ascendência chinesa, dado esse rótulo, independentemente de sua cidadania ou de quantas gerações de sua família viveram no exterior.

    Desde que Xi assumiu o cargo, ele afirmou repetidamente que os chineses no exterior também pertencem à nação – e repetidamente prometeu “unir os chineses no exterior” com seus parentes na China como parte do “sonho chinês”.

    Parece que Gu faz parte desse sonho chinês, com o governo e sua máquina de propaganda a todo vapor para reivindicá-la como sua.

    “Tenho raízes muito profundas na China”, disse Gu à emissora estatal CCTV, segundo o tablóide nacionalista estatal Global Times. Ela acrescentou que estava na China quando foi anunciado que os Jogos de Inverno seriam realizados em Pequim, que foi quando “comecei a pensar em competir pela China”.

    Em um artigo, o site Xinhua observou que Gu visitava Pequim todo verão quando criança, assistiu aos Jogos Olímpicos de Pequim 2008 das arquibancadas e adora comer pato laqueado à moda de Pequim e bolinhos.

    Gu “deveria ser um ídolo para o mundo inteiro”, disse um fã chinês ao Global Times. “Antes, as pessoas queriam ser americanas, então por que não aceitar que as pessoas querem ser chinesas agora?”.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original