Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Ex-jogador do Chelsea relembra sequestro do pai: “Estão com a arma na minha cabeça, filho”

    John Obi Mikel, ex-meia do clube inglês e da seleção nigeriana, teve o pai sequestrado duas vezes

    John Obi Mikel foi campeão europeu com a camisa do Chelsea
    John Obi Mikel foi campeão europeu com a camisa do Chelsea Catherine Ivill - AMA/Getty Images

    Darren LewisZayn Nabbida CNN

    O nigeriano John Obi Mikel lembra-se vividamente do momento em que lhe disseram que seu pai, Pa Michael Obi, havia sido sequestrado pela segunda vez. Os sequestros para obtenção de resgate contra familiares ricos tornaram-se comuns no país mais populoso da África e são vistos por alguns grupos criminosos como um empreendimento lucrativo.

    O ex-jogador de futebol da seleção nigeriana e do Chelsea disse à CNN que ouviu a notícia apenas duas horas antes de jogar uma partida da Copa do Mundo contra Lionel Messi e a Argentina na Rússia, em 2018.

    “Assim como todo mundo, fiquei animado ao entrar em um dos maiores jogos da minha vida, jogando contra [Lionel] Messi e a Argentina”, disse Mikel ao analista esportivo Darren Lewis, da CNN, em uma entrevista recente.

    “Eu estava no meu quarto me arrumando e, de repente, meu telefone começou a tocar e era meu irmão ligando… para dizer que meu pai foi sequestrado. Eu fiquei tipo, ‘O que, de novo?'”

    Obi Mikel disse que foi “de partir o coração” saber que seu pai estava passando por tal provação pela segunda vez em sua vida. Enquanto tentava processar a notícia, o ex-jogador afirmou que começou a “tremer”, embora fosse um dia quente de verão em São Petersburgo.

    “Eu estava sentado lá pensando: ‘O que vou fazer? Devo contar à equipe? Devo contar aos jogadores, contar ao técnico, contar à federação [nigeriana]?’” disse Obi.

    “‘O que devo fazer?’ Porque este é o maior jogo das nossas vidas. Então, pensei comigo mesmo: ‘Quer saber? Eu vou lá e me apresentar. Não quero deixar esses caras [os sequestradores] vencerem. Eu sou o capitão. Sou o líder desta equipe e tenho que ir lá e ser forte por eles e pelo país. Decidi não contar a ninguém”, acrescentou o ex-meio-campista.

    Apesar de levar a Argentina ao limite, a Nigéria acabou perdendo por 2 a 1 com um gol de Marcos Rojo, Mikel contou que sentiu que “ia cair e provavelmente desmaiar” durante o jogo.

    “Eu saí e me apresentei. Lembro que no jogo, algumas vezes, pensei que fosse vomitar. As emoções corriam aqui e ali. Eu não sabia o que estava pensando… sobre o jogo… sobre meu pai… sobre minha mãe que estava chorando… minha família, meus irmãos, minhas irmãs. Todo mundo estava chorando.”

    Após o jogo, o atleta contou aos seus companheiros de equipe, à Federação Nigeriana de Futebol e à mídia mundial sobre o sequestro, antes do início das negociações para que seu pai retornasse em segurança.

    “Lembro-me de meu pai me dizendo: ‘Eles estão com a arma na minha cabeça, filho’”, disse Obi.

    Em 2018, Obi Mikel disse que os sequestradores exigiram 10 milhões de nairas (cerca de US$ 30 mil) para libertar seu pai, que com a ajuda da Força Policial da Nigéria,  acabou sendo resgatado.

    A primeira vez que o pai de Obi Mikel foi sequestrado foi em 2011, em Jos, a principal cidade do estado de Plateau, no centro da Nigéria, quando ele voltava para casa depois do trabalho.

    “Foi um choque enorme para mim e para a família”, relembrou o nigeriano sobre aquele primeiro sequestro. “Acho que ele foi levado por cerca de dez dias. E foi aí que tentamos começar a fazer ligações e eles entraram em contato conosco. Obviamente, eles queriam falar comigo, então falei com eles. Eles fizeram suas exigências. Falei com o clube [Chelsea]. Falei com Roman [Abramovich]”, acrescentou, referindo-se ao oligarca russo e ex-proprietário do Chelsea.

    De acordo com Mikel, Abramovich disse ao jogador que estava disposto a apoiá-lo: “’Se você precisar que eu faça alguma coisa, se precisar que eu envie meu pessoal para a Nigéria para encontrar seu pai, eu poderia fazer isso. Sabe, você tem essa opção. Mas se você acha que o dinheiro basta, então você paga.’ Paguei e meu pai foi solto.”

    Assim como em 2018, Obi Mikel optou por continuar jogando apesar de receber notícias devastadoras. Ele estava escalado para jogar uma partida da Premier League pelo Chelsea contra o Stoke City.

    “Lembro que André Villas-Boas era o técnico [do Chelsea] naquela época”, lembrou o nigeriano. “Ele [Villas-Boas] falou comigo e disse: ‘Escuta, você é um jogador muito importante para mim. Gostaria que você jogasse se quiser. Caso contrário, posso entender se você não quiser viajar com o time se não quiser jogar.

    “Eu disse: ‘Não quero que essas pessoas ganhem. Não quero mostrar a eles que sou fraco. Eu tenho que jogar’, e foi o que eu fiz. Eu viajei com a equipe, joguei e então, sim, foi muito, muito difícil.”

    Obi Mikel fez 372 partidas pelo Chelsea, vencendo a Premier League (duas vezes), a FA Cup (quatro vezes), a Copa da Liga (duas vezes), a Champions League e a Europa League durante sua passagem pelo clube.

    Após o primeiro sequestro, o ex-jogador se lembra de ter se reunido com seu pai, que havia sido espancado pelos sequestradores e abandonado na rua como “lixo”. Ao descrever o momento em que se encontraram, Obi disse que seu pai estava “machucado, espancado” e teve “os lábios rachados, a cabeça inchada, não conseguia andar, não conseguia se mover. Foi um momento muito doloroso para mim e minha família. Sofremos muito.”

    Quando Obi Mikel viu de longe o que aconteceu com Luis Díaz, jogador do Liverpool, que foi sequestrado em outubro e eventualmente libertado pelo grupo guerrilheiro do Exército de Libertação Nacional (ELN) da Colômbia em novembro, o ex-astro do Chelsea procurou o colombiano nas redes sociais para oferecer seu apoio.

    “Tenho que elogiar ele e o Liverpool. Eu sempre digo que quando você está nessas situações, você precisa de pessoas ao seu redor. Você precisa de pessoas que se importem com você. E o Liverpool mostrou esse apoio”, disse Obi.

    “O Liverpool mostrou-lhe esse apoio, os adeptos, os jogadores mostraram-lhe que ele não está sozinho. “E estou feliz em ver que foi isso que ele conseguiu com o Liverpool. E eventualmente seu pai finalmente foi libertado.”

    Acompanhe a CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Internacional.

    versão original