Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    MP da Espanha se opõe a recurso de Daniel Alves e pede que prisão seja mantida

    Em nota enviada à CNN, Ministério Público argumentou que risco de jogador brasileiro fugir do pais ainda persiste

    Daniel Alves na Seleção Brasileira
    Daniel Alves na Seleção Brasileira Marco Galvão/CBF

    Carolina Figueiredoda CNN

    em São Paulo

    O Ministério Público da Espanha se opôs ao recurso dos advogados do jogador brasileiro Daniel Alves, que pediu a libertação da prisão preventiva. Ele está preso desde está preso preventivamente e sem direito a fiança desde o dia 20 de janeiro.

    Em nota enviada à CNN nesta terça (7), o MP espanhol argumenta que a prisão deve ser mantida “porque ainda existem os pressupostos que motivaram a adoção da medida cautelar de prisão preventiva”.

    Isso são “os indícios racionais de criminalidade” e o risco de que Daniel fuja do país. O MP ainda pontua que as alternativas propostas pelos advogados de defesa do jogador não conseguiriam resolver essas questões.

    “Não publicamos o relatório de recursos porque aparece uma infinidade de informações que afetariam a proteção de dados”, concluiu o Ministério Público.

    Juíza oferece possibilidade para que amiga da vítima também denuncie Daniel Alves

    Informações divulgadas pelo jornal El Periódico nesta sexta-feira (3) mostraram que a juíza que investiga o caso Daniel Alves ofereceu para uma moça, que acompanhava a mulher que o denuncia de agressão sexual, a possibilidade de também denunciar o atleta.

    Daniel Alves durante partida com o Barcelona / Steve Christo – Corbis/Corbis via Getty Images)

    Segundo o jornal, ambas confirmaram que o jogador as tocou sem consentimento durante um evento na véspera do Réveillon, em Barcelona.

    Apesar da possibilidade de realizar a denúncia, a amiga da vítima decidiu não realizá-la, por acreditar que o fato que aconteceu no banheiro da boate teria sido mais grave.

    Segundo as acusações, uma jovem de 23 anos alega que Daniel Alves a agrediu sexualmente dentro de um banheiro da boate de luxo Sutton.

    A juíza Anna Marín, que é responsável pelas investigações do caso, disse que vê indícios “mais que suficientes” de estupro por parte do jogador.

    Daniel está preso preventivamente e sem direito a fiança desde o dia 20 de janeiro. O atleta nega as acusações.