Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Palmeiras x WTorre: STJ nega pedido da construtora em processo de R$ 160 milhões

    Superior Tribunal de Justiça que empresa apresente garantias de como pagar dívida, caso seja condenada

    Allianz Parque, estádio do Palmeiras
    Allianz Parque, estádio do Palmeiras Divulgação/Instagram @allianzparque

    Brenno Costada Itatiaia

    A Real Arenas, braço da WTorre que administra o estádio Allianz Parque, sofreu uma derrota nos tribunais no processo em que o Palmeiras cobra R$ 160 milhões de repasse por eventos e outros acordos provenientes da praça esportiva. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou, na última quinta-feira (21), uma liminar à construtora.

    A empresa entrou com um recurso para não ter que apresentar garantias de que tem como pagar a quantia cobrada pelo clube alviverde. Com o pedido negado, a WTorre precisa efetivar a comprovação nos próximos dias.

    A informação foi divulgada inicialmente pelo GE e confirmada pela Itatiaia. À reportagem, a construtora afirmou que não se pronunciará sobre a decisão neste momento.

    Os R$ 160 milhões cobrados pelo Palmeiras se devem a valores que o clube entende ter direito a receber, por contrato, desde 2015. O montante cresce na medida em que o estádio recebe novos eventos. As partes discutem a questão na Justiça desde 2017.

    No balanço financeiro do ano passado, divulgado em detalhes neste mês, o clube alviverde entende que tem R$ 121,5 milhões a receber da Real Arenas. Nesse valor, não há juros e correções monetárias. Por isso, a diferença estipulada no processo.

    WTorre x Palmeiras

    Esse é mais um capítulo da tensão vivida entre o Palmeiras e a construtora. A parceria entre as partes na administração do estádio segue até 2044, como previsto em um contrato de 30 anos no total.

    Neste ano, a presidente Leila Pereira já fez críticas ao afirmar que o clube pode receber um “coliseu” em alusão a uma possível queda no cuidado com a manutenção do Allianz Parque.

    Ainda nesta temporada, as duas partes viveram momentos tensos. O Palmeiras teve o estádio interditado pela Federação Paulista de Futebol (FPF) por conta das condições ruins do gramado sintético.

    A solução para o caso se deu depois de praticamente dois meses, quando um material que se mistura ao campo foi trocado. Nesse caso, Leila Pereira também afirmou que cobrará ressarcimento na Justiça.


    Acompanhe CNN Esportes em todas as plataformas

    Este conteúdo foi criado originalmente em Itatiaia.

    versão original