Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    CNN Esportes

    Quem é João Martins, auxiliar de Abel no Palmeiras e acusado de xenofobia pela CBF

    Desde 2020, o auxiliar já comandou a equipe em 21 oportunidades

    Auxiliar João Martins e Abel Ferreira durante treino do Palmeiras na Academia de Futebol
    Auxiliar João Martins e Abel Ferreira durante treino do Palmeiras na Academia de Futebol Cesar Greco/Palmeiras

    Redação Itatiaia

    João Martins, auxiliar técnico do Palmeiras, disparou contra a arbitragem e a CBF no domingo (2), em entrevista coletiva após empate por 2 a 2 com o Athletico-PR, pelo Campeonato Brasileiro. Ele substituiu Abel Ferreira à beira do campo, após o treinador ter sido suspenso por tomar o celular de um jornalista na zona mista. “É mau para o sistema o Palmeiras ganhar (o Brasileirão) dois anos seguidos.”

    Em resposta, a CBF acusou o profissional de xenofobia e disse que irá levar o caso até o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O Palmeiras, por meio de nota, rebateu as críticas da entidade.

    O rosto de João já é conhecido pela torcida palmeirense e até pelos rivais. No Brasil desde 2020, o português de 35 anos chegou junto com a comissão técnica de Abel Ferreira ao Palmeiras. Além dele, outros três nomes integram o grupo: Carlos Martinho, Tiago Costa e Vitor Castanheira. João Martins já está ao lado do treinador há 11 anos, desde as categorias de base do Sporting. Quando Abel treinava o Paok, da Grécia, o auxiliar também esteve ao seu lado.

    A proximidade e amizade com Abel Ferreira fizeram com que João ganhasse o respeito da torcida palmeirense nos últimos anos. Assim como o comandante, o auxiliar também é conhecido por seu estilo enérgico. “Pelo (bem da) saúde mental da nossa comissão técnica, ainda bem que sou eu hoje aqui”, afirmou, neste domingo, referindo-se a ausência do chefe.

    Neste ano, pelo Brasileirão, João Martins foi advertido pela arbitragem no clássico com o Corinthians. Na ocasião, colocou um esparadrapo verde na boca, como se estivesse sendo censurado pelo árbitro Wilton Pereira Sampaio após levar o cartão amarelo.

    Em resposta, a CBF acusou o profissional de xenofobia e disse que irá levar o caso até o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD). O Palmeiras, por meio de nota, rebateu as críticas da entidade.

    O auxiliar estará novamente à frente da equipe nesta quarta-feira (5), em clássico com o São Paulo pela Copa do Brasil. Abel Ferreira já cumpriu a suspensão por tomar o celular do jornalista, mas, por ter sido expulso nas oitavas de final contra o Fortaleza, terá de ficar novamente longe do banco de reservas.

    Entenda o caso

    Substituto do suspenso Abel Ferreira no banco do Palmeiras contra o Athletico, João Martins deu uma coletiva de imprensa bastante exaltado e sugeriu que os árbitros estão cometendo erros propositais para prejudicar o time paulista na competição. “Nós entendemos que o futebol brasileiro passa uma imagem de que é o mais competitivo do mundo porque ganham vários (times diferentes). Mas ganham vários porque, muitas vezes, não deixam os melhores ganhar. Foi mais uma vez o que se passou hoje (domingo). Nós entendemos que é ruim para o sistema o Palmeiras ganhar dois anos seguidos”, declarou.

    Demonstrando irritação, o auxiliar fez diversos ataques ao futebol brasileiro em meio a críticas ao desempenho do árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima. “Não vale a pena amanhã ter o presidente mostrando imagens e frames para justificar incompetências e erros grosseiros”, disse. “Por isso que na Europa não veem jogos no Brasil. Porque muitas vezes parece mais teatro que futebol. Depois, um pênalti muito bem marcado porque ele não viu, deve estar cansado, falta preparação física”, disse

    Para o português, o futebol brasileiro tem “pouca credibilidade” em outros países. “Há pouca credibilidade lá fora: não é por falta de qualidade dos jogadores, mas por falta de transparência Podem continuar a nos expulsar, mas vamos lutar até a última gota de suor pelo bem do futebol e do Palmeiras.” A entrevista coletiva acabou sendo interrompida pelo diretor de futebol do Palmeiras, Anderson Barros.

    *Com agências

    Este conteúdo foi criado originalmente em Itatiaia.

    versão original