Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Impunidade em ataques racistas contra Vini Jr. gera discussão na Espanha: “Estão lavando as mãos”

    Especialistas apontam que promotores locais não estão atuando adequadamente nos casos envolvendo o jogador brasileiro

    Matias Grezda CNN

    Vinícius Júnior marcou o gol que garantiu ao Real Madrid a 14ª Liga dos Campeões em maio passado, e esta temporada o seu brilhantismo continua a iluminar a campanha da equipe no torneio.

    O talentoso jogador de 22 anos – amplamente considerado um dos melhores jogadores do mundo – tem seis gols em sete partidas na Europa e outros oito na La Liga, mas também se tornou uma vítima repetida de “crimes de ódio” na Espanha , segundo o sindicato de jogadores.

    Antes do clássico contra o Atlético de Madrid em janeiro, uma efígie de Vinícius foi pendurada em uma ponte em Madri, enquanto insultos racistas foram filmados durante as partidas do Real contra Osasuna, Mallorca, Real Valladolid e Atlético.

    Reprodução/ Redes Sociais

    Até o momento, não houve punições da principal autoridade do futebol espanhol – a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) – ou de qualquer promotor local, mas as investigações de alguns casos ainda estão em andamento.

    Ao contrário da Inglaterra, onde a Premier League e a Associação Inglesa de Futebol (FA) podem punir clubes ou torcedores por incidentes de abuso racista, a LaLiga – principal divisão do futebol da Espanha – disse à CNN que não tem essa autoridade.

    Em vez disso, a LaLiga só pode repassar quaisquer incidentes de abuso aos comitês da RFEF ou aos promotores regionais, que os tratam como casos legais antes que as punições esportivas sejam aplicadas.

    A LaLiga diz que distribui o “Manual do Torcedor”, escrito em colaboração com a Federação de Torcedores de Clubes, nos estádios antes do início de cada temporada, destacando quais práticas devem “representar os valores” do futebol.

    Ele também envia um “Manual do Jogador” a todos os jogadores antes do início da temporada, incentivando-os a serem respeitosos e a denunciar qualquer comportamento racista ou violento que presenciem.

    Em comunicado enviado à CNN, o Sindicato dos Jogadores Espanhóis (AFE) – que ajuda a apoiar as vítimas de abusos racistas na LaLiga – explica que o código penal espanhol considera estes incidentes como crimes de ódio e puníveis por lei.

    “Portanto, é o Estado, a Justiça e as Forças de Segurança [Polícia e Guarda Civil] que devem investigar e agir de imediato perante este tipo de ocorrências”, refere a AFE.

    “Então, dentro do campo esportivo, existe um código disciplinar que também contempla possíveis sanções para esse tipo de conduta. Queremos insistir que o que aconteceu com Vinícius é um crime de ódio, que está sendo processado criminalmente.”

    No entanto, após uma investigação sobre gritos racistas de “você é um macaco, Vinícius, você é um macaco”, dirigidos ao brasileiro antes e durante a partida do Real contra o Atlético em 18 de setembro de 2022, a LaLiga informou à CNN que o promotor local de Madrid não prosseguiu com o caso porque os gritos estavam dentro do contexto de outros cânticos “desagradáveis ​​e desrespeitosos” durante uma “partida de futebol de máxima rivalidade”.

    Piara Powar, diretora executiva da Fare Network, uma organização criada para combater a discriminação no futebol europeu, diz que as ligas de futebol e as autoridades da Espanha estão “lavando as mãos” desses incidentes.

    Então, seja por desinteresse ou falta de compreensão do futebol e da gravidade desses incidentes, os promotores locais não estão lidando adequadamente com as investigações, diz Powar.

    “Na Espanha, essa estrutura foi desenvolvida ao longo dos anos e não foi contestada”, diz ele.

    “Muitas vezes você tem um juiz individual, que está vinculado a uma autoridade local ou regional, que então atua como uma figura quase judicial em vez de um comitê disciplinar ou comissão reguladora, que é o que acontece em outros países.”

    Vinicius Junior luta pela bola com Ruben Sanchez, do Espanyol, durante a partida da LaLiga./ Diego Souto/ Getty Images

    “Os indivíduos que os tomam são completamente desconectados do futebol e completamente desconectados das implicações de suas decisões, e muitas vezes aplicam um padrão misto de evidência a eles, baseado em parte em um padrão criminal e em parte em um padrão civil – e os dois padrões são muito diferentes.”

    “Então você tem esses casos que estão sendo constantemente descartados e quando eles estão julgando, a sanção geralmente é uma multa pequena que não tem impacto algum.”

    Powar diz que a forma como o futebol e as autoridades legais na Espanha lidam com incidentes de abuso racista nas partidas levou o “sistema a desmoronar” no país.

    “Não é eficaz, nunca foi eficaz e algumas pessoas tratam isso como uma piada, mas ninguém confia nisso como uma intervenção confiável que vai criar uma mudança”, acrescenta.

    “Acho que você realmente tem um FA [RFEF], que por desinteresse ou apenas por não entender o que precisa fazer, que não está fazendo nada sozinho.”

    “Agora precisamos mudar para um modelo centralizado para auxiliar a forma como a Uefa está analisando como as federações estão conduzindo os regulamentos disciplinares, como eles os aplicam e garantindo que os processos sejam adequados ao propósito.”

    A CNN entrou em contato com a RFEF para comentar, mas ainda não recebeu uma resposta.

    Campanha racista contra Vini Jr.

    Incidentes de jogadores sendo abusados ​​racialmente por torcedores marcaram vários jogos da LaLiga nesta temporada.

    No total, a LaLiga detalhou à CNN – no momento da publicação – 12 casos separados de abuso racista contra jogadores de futebol negros desde janeiro de 2020 que foram repassados ​​às autoridades locais.

    Instâncias de insultos racistas dirigidos a Vinícius somam oito desses casos e quatro – incluindo três envolvendo o astro do Real e um envolvendo Nico Williams – foram arquivados sem punição.

    Além de o promotor local de Madri ter optado por não aplicar punições porque “duraram apenas alguns segundos”, outros motivos dos promotores regionais para não julgar os casos incluem “não foi possível identificar os perpetradores”, “não parece ser” coberto pelo código penal e “não ultrapasse a linha para uma infração penal”, disse a LaLiga.

    German Pezzella tenta tirar a bola de Vinícius Júnior durante duelo entre Real Bétis e Real Madrid./ David S. Bustamante/ Getty Images

    Quando solicitado a explicar como não conseguiu identificar os torcedores que abusaram racialmente de Vinícius no estádio Camp Nou do Barcelona em 24 de outubro de 2021, o promotor do Barcelona disse que não pode revelar detalhes porque a investigação é privada.

    “O que está claro é que eles analisaram todas as evidências que tinham e não identificaram, neste caso, nenhum perpetrador”, disseram à CNN em comunicado.

    “Em outros casos, a investigação foi bem-sucedida, como os insultos racistas a Iñaki Williams [em janeiro de 2020] em que a promotoria, após a investigação, apresentou uma denúncia e descreveu como um crime de ódio. Atualmente, aguarda a data do julgamento.”

    Powar diz que um caso regulatório do futebol leva três anos, “particularmente um muito simples”, prova como “o sistema está falhando na Espanha”.

    “Essas audiências devem ser ouvidas por um comitê da FA, nomeado independentemente, e devem ser ouvidas dentro de dias, se não semanas”, acrescenta.

    “É assim que deve funcionar este sistema e depois a sanção que resulta é implementada durante a temporada, muito rapidamente e os princípios da justiça natural são respeitados, mas como está, as vítimas estão a ser falhadas.”

    O processo meticulosamente lento na Espanha parece ainda mais complicado quando comparado a um caso recente na Inglaterra, no qual um tribunal local proferiu uma suspensão de três anos a um torcedor apenas três meses depois de ele ter gritado uma calúnia racista contra Raheem Sterling, do Chelsea.

    Esteban Ibarra, presidente do Movimento Contra a Intolerância, uma organização espanhola que visa educar sobre a discriminação e rastrear incidentes de abuso racista no futebol, chamou o arquivamento do caso Vinícius no Camp Nou pelas autoridades locais de “inconcebível”.

    “Negamos categoricamente que a Espanha seja um país racista, mas afirmamos que existem inúmeros comportamentos racistas em nosso país”, acrescentou Ibarra em comunicado no site da organização.

    “Afirmamos que existem muitos incidentes racistas, que não foram interrompidos quando existe legislação relevante e suficiente lei, policiamento e capacidade institucional para acabar com esse comportamento ignominioso.”

    “A campanha racista contra Vinícius começou há muito tempo.”

    Vinícius Júnior é marcado pelo colega de Seleção Brasileira Raphinha. / Diego Souto/ Getty Images

    O Código Penal espanhol diz que atos racistas – relacionados à etnia, raça ou origem nacional – que “prejudiquem a dignidade das pessoas” por meio de “desprezo” ou “humilhação” podem levar a pena de seis meses a dois anos de prisão.

    A Espanha relata seus crimes de ódio ao Escritório de Instituições Democráticas e Direitos Humanos (ODIHR), cujos registros mostram que houve 1.802 crimes de ódio registrados pela polícia em 2021 – os dados mais recentes disponíveis – com 192 casos levando a processos e 91 a sentenças.

    Compare isso com a Inglaterra e o País de Gales, onde houve 155.841 crimes de ódio registrados pela polícia no ano encerrado em março de 2022, um aumento de 26% em relação ao ano anterior.

    Outro caso que foi “arquivado provisoriamente” é o de Vinícius em Mallorca em 14 de março de 2022, no qual o promotor de Mallorca diz não ter conseguido identificar o autor do crime.

    “No caso de surgirem novos elementos de investigação, esses processos podem ser reabertos para poder tomar a decisão apropriada sobre sua consideração criminal ou não”, disse ele à CNN em um comunicado.

    O promotor explica que, embora os casos de abuso racista sejam “absolutamente rejeitáveis” e “típicos de atitudes profanas e desprezíveis”, segundo a lei espanhola, os incidentes “nem sempre implicam inevitavelmente uma resposta criminal”.

    No entanto, o procurador apontou dois casos em 2023  – um envolvendo Vinícius e outro envolvendo Samu Chukwueze, do Villarreal – em que conseguiram identificar o infrator e estão atualmente na “fase de investigação judicial”.

    “Concluída esta fase, serão avaliados os elementos incriminadores existentes e será especificada a existência ou não de eventual crime de discriminação”, adiantaram.

    No mês passado, o Conselho Nacional de Esportes da Espanha propôs uma multa de 4.000 euros (cerca de R$ 22 mil) e uma proibição de 12 meses de entrar em estádios de futebol para o torcedor do Mallorca identificado por abusar de Vinícius na partida de 5 de fevereiro deste ano, mas a punição ainda não foi aplicada.

    A CNN entrou em contato com o promotor de Mallorca sobre a multa proposta, mas não recebeu uma resposta.

    A CNN também procurou os promotores regionais que lidaram com os outros casos arquivados em Madri e Sevilha para comentar, mas ainda não recebeu resposta.

    Vinícius Júnior aquecendo antes do confronto entre Real Madrid e Barcelona pela Copa do Rei. / David S. Bustamante/ Getty Images

    “Entendemos que esses tipos de eventos devem ser processados ​​e condenados”, disse a AFE.

    “Somos a favor de penalizar esse comportamento. A sociedade em geral reprova esse tipo de comportamento. Os culpados devem ser encontrados, levados a julgamento e condenados”.

    Os clubes individuais podem tomar medidas contra qualquer torcedor que acreditem ser culpado de direcionar abusos aos jogadores, mas esses casos são raros.

    Nesta temporada, apenas o Valladolid tomou tal medida, suspendendo os ingressos de temporada de uma dezena de integrantes que identificou com a ajuda da polícia.

    Em comunicado, o Valladolid disse que os eventos ocorridos foram “tipificados como racistas e intolerantes”, mas o clube ainda insistiu que “não considera seus torcedores racistas”.

    Vinícius usou sua plataforma inúmeras vezes nesta temporada para pedir que mais ações fossem tomadas pelas autoridades, mas seus apelos até agora caíram em ouvidos surdos.

    “Enquanto a cor da pele for mais importante do que o brilho dos olhos, haverá guerra.’” Tenho essa frase tatuada no corpo”, postou Vinicius Jr no Instagram no início desta temporada em resposta ao que descreveu como críticas racistas de um comentarista de TV.

    “Você nem imagina. Fui vítima de xenofobia e racismo em uma única declaração. Mas nada disso começou ontem.”

    “O roteiro sempre termina com um pedido de desculpas e um ‘fui mal interpretado’”, disse ele. “Mas vou repetir para vocês, racistas: não vou parar de dançar. Seja no sambódromo, no Bernabéu ou onde for.”

    Tempestade na mídia

    Powar diz ter notado um tema na mídia espanhola que pretende atribuir parte da culpa do abuso racista ao próprio Vinícius, que muitas vezes insinua que o brasileiro “traz para si” com a forma como joga ou comemora gols.

    Em setembro passado, Pedro Bravo – um dos principais agentes e presidente da Associação dos Agentes Espanhóis – comparou Vinícius a um macaco em um programa de futebol.

    E no início deste mês, o técnico do Liverpool, Jurgen Klopp, ficou perplexo quando um repórter perguntou se ele achava que o “comportamento provocativo” de Vinícius em campo havia levado ao abuso racista.

    Vinicius Junior do Real Madrid reage durante a partida da LaLiga Santander entre Atlético de Madrid e Real Madrid em 18 de setembro de 2022
    Vinicius Junior do Real Madrid reage durante a partida da LaLiga Santander entre Atlético de Madrid e Real Madrid em 18 de setembro de 2022 / Angel Martinez/Getty Images

    Com apenas 22 anos, Vinícius se tornou rapidamente um dos jogadores mais talentosos do mundo.

    Conhecido por sua habilidade e talento deslumbrantes, as comemorações dançantes de gols de Vinícius também se tornaram famosas na Espanha e no Brasil, sua terra natal.

    Foi depois de mais uma dessas comemorações que Bravo disse que Vinícius deveria “parar de bancar o macaco”. Em resposta, o astro do Real Madrid insistiu que “não vai parar” de comemorar seus gols dançando.

    “Parte do discurso – e eu vi isso em editoriais de jornais espanhóis nos últimos meses – é que as pessoas dizem que o que está acontecendo é errado, mas ele também carrega parte da culpa”, diz Powar.

    “Isso se alimentou e Vinícius agora está sendo abusado racialmente de forma muito explícita a cada partida.”

    A AFE diz que o racismo deve ser visto como uma questão social na Espanha, e não apenas no futebol, e no mês passado realizou uma reunião com o Movimento Contra a Intolerância para começar a formar um plano sobre como lidar com o abuso racista nas próximas partidas.

    Em uma declaração de missão, as duas organizações disseram que começarão a trabalhar juntas em campanhas e treinamentos para educar e conscientizar sobre o “flagelo” do racismo no futebol.

    Além disso, eles também comparecerão conjuntamente em processos criminais contra incidentes de abuso racista e relatarão incidentes que eles acreditam que devem ser investigados ao Promotor de Crimes de Ódio.

    Dada a natureza complicada do processo na Espanha e um sistema “preenchido com uma sensação de questões sendo discutidas”, diz Powar, parece – pelo menos por enquanto – que os jogadores ficarão esperando por algum tempo para receber justiça. Se alguma vez chegar.

    Este conteúdo foi criado originalmente em inglês.

    versão original